Overblog
Edit post Seguir este blog Administration + Create my blog
6 septiembre 2011 2 06 /09 /septiembre /2011 00:34

 

Teaching how to celebrate Life and the Earth.

.

El curita Leonard Boff siempre ha sido un defensor de las causas de derechos humanos, ha ayudado a formular una nueva perspectiva, de América Latina con “derechos a la vida y las formas de mantenerlas con dignidad”. El trabajo de los teólogos de la liberación, en el que se enmarca el trabajo de Boff, contribuyó a la creación de más de 1.000.000 de “comunidades eclesiales de base” (“Comunidades de Base Eclesiais” o CEB) entre los católicos pobres en Brasil y en América Latina.

.

-

Las Comunidades Eclesiales de Base (Comunidades Eclesiais de Base (CBE) son comunidades vinculadas principalmente a la Iglesia católica, alentadas por el Concilio Vaticano II (1962-1965), se diseminaron principalmente en la década de 1970 y 80 en Brasil y América Latina. Por lo general, las comunidades se reunieron en base de la proximidad territorial, estando compuesta principalmente por miembros de las clases populares, vinculadas a una iglesia cuyo objetivo es la lectura de la Biblia en relación con la vida. A través del método ver-juzgar-actuar tratan de mirar la realidad en que viven (VER), juzgarla con los ojos de la fe (JULGAR), y encontrar formas de acción impulsado por este juicio a la luz de la fe (AGIR). La acción encuentra respuestas variadas dependiendo de las circunstancias, trascendiendo los límites de las iglesias. Estas comunidades han impulsado la creación de clubes de madres, asociaciones de vecinos, la participación en el movimiento obrero, y otras iniciativas que fortalecen el movimiento social. Durante la lucha contra la dictadura, dio una gran contribución a la democratización de Brasil.

.

.
Educar para celebrar la vida y la Tierra
2011-09-01

Leonardo Boff –  Earthcharter Commission

Dada la crisis generalizada que vivimos actualmente, todas las educaciones deben incluir el cuidado de todo lo que existe y vive. Sin el cuidado, no garantizaremos una sostenibilidad que permita al planeta mantener su vitalidad, los ecosistemas, su equilibrio, y nuestra civilización, su futuro.

.

Nos educan para el pensamiento crítico y creativo, para tener una profesión y un buen nivel de vida, pero nos olvidamos de educar en la responsabilidad y en el cuidado del futuro común de la Tierra y de la Humanidad. Una educación que no incluya el cuidado demuestra ser alienada e irresponsable.

.

Los analistas más serios de la huella ecológica de la Tierra nos advierten que, si no cuidamos, podemos conocer catástrofes peores que las vividas este año de 2011 en Brasil y en Japón. Para mantenerse, la Tierra podrá, tal vez, tener que reducir su biosfera, eliminando especies y millones de seres humanos.

.
Entre tantas excelencias propias del concepto de cuidado, quiero hacer hincapié en dos que interesan a la nueva educación: la integración del globo terrestre en nuestro imaginario cotidiano y el encantamiento por el misterio de la existencia. Cuando contemplamos el planeta Tierra desde el espacio exterior, surge en nosotros un sentimiento de reverencia al ver nuestra única Casa Común. Somos inseparables de la Tierra, formamos un todo con ella. Sentimos que debemos amarla y cuidarla para que nos pueda ofrecer todo lo que necesitamos para seguir viviendo.

.
La segunda excelencia del cuidado como actitud ética y forma de amor es el encantamiento que surge en nosotros por la aparición más espectacular y bella que jamás ha existido en el mundo, que es el milagro de la existencia de cada persona humana individual. Los sistemas, las instituciones, las ciencias, las técnicas y las escuelas no tienen lo que cada persona humana posee: conciencia, amorosidad, cuidado, creatividad, solidaridad, compasión y sentimiento de pertenencia a un Todo mayor que nos sustenta y anima, realidades que constituyen nuestra Profundidad.

.
Seguramente no somos el centro del universo. Pero somos los seres portadores de conciencia y de inteligencia, por los cuales el universo se piensa, se conciencia y se ve a sí mismo en su espléndida complejidad y belleza. Somos el universo y la Tierra que ha llegado a sentir, a pensar, a amar y a venerar. Esta es nuestra dignidad que debe ser interiorizada y que debe ser imbuida a cada persona de la nueva era planetaria.

.
Tenemos que sentirnos orgullosos de poder desempeñar esta misión para la Tierra y para todo el universo. Solamente cumplimos con esta misión si cuidamos de nosotros mismos, de los otros y de cada ser que habita aquí.

.
Tal vez pocos han expresado mejor estos nobles sentimientos que el eximio músico y también poeta Paul Casals. En un discurso en la ONU en los años 80 del siglo pasado, se dirigía a la Asamblea General pensando en los niños como el futuro de la nueva humanidad. Su mensaje vale también para nosotros, los adultos. Decía:
El niño tiene que saber que él mismo es un milagro, que desde el principio del mundo, jamás ha habido otro niño igual y que en todo el futuro, jamás aparecerá otro niño igual a él. Cada niño es único, desde el principio hasta el fin de los tiempos. Así el niño asume una responsabilidad al confesar: es verdad soy un milagro. Soy un milagro igual que el árbol es un milagro. Y siendo un milagro ¿podría hacer el mal? No, pues soy un milagro.

.

Puedo decir Dios o Naturaleza, o Dios-naturaleza. Poco importa. Lo que importa es que soy un milagro hecho por Dios y hecho por la naturaleza. ¿Podría yo matar a alguien? No. No puedo. ¿Y otro ser humano, que también es un milagro como yo, podría matarme a mí?

.

Creo que lo que estoy diciendo a los niños, puede ayudar a hacer surgir otro modo de pensar el mundo y la vida. El mundo de hoy es malo; sí, es un mundo malo. El mundo es malo porque no hablamos a los niños así como yo les estoy hablando ahora y de la manera que necesitan que les hablemos. Entonces el mundo no tendrá más razones para ser malo.

.
Aquí se revela gran realismo: cada realidad, especialmente la humana, es única y preciosa, pero al mismo tiempo vivimos en un mundo conflictivo, contradictorio y con aspectos aterradores. Así y todo, hay que confiar en la fuerza de la semilla. Ella está llena de vida. Cada niño que nace es una semilla de un mundo que puede ser mejor. Por eso, vale la pena tener esperanza. Un paciente de un hospital psiquiátrico que visité, pirograbó en una tablilla que después me regaló: «Siempre que nace un niño es señal de que Dios todavía cree en el ser humano». No es necesario decir más, pues en estas palabras se encierra todo el sentido de nuestra esperanza frente a los males y las tragedias de este mundo.

Leonardo Boff

.

.

.

-

Leonard Boff se convirtió en uno de los más conocidos teólogos de la liberación, desde el inicio del movimiento, al igual que Gustavo Gutiérrez. Estuvo presente en las primeras reflexiones que intentaron articular la indignación contra la miseria y la marginación con el discurso promisorio de la fe, lo que lleva a la teología de la liberación. Él sigue siendo una figura controvertida en la Iglesia Católica, principalmente por sus fuertes críticas de la jerarquía de la Iglesia, que ve como “fundamentalistas” (“Un cardenal como J. Ratzinger, que publica un documento oficial que indica que la única Iglesia verdadera es la Iglesia Católica, y las otras no son ni siquiera iglesias, que la única religión legítima es la católica y las otras ni siquiera poseen una fe, sólo poseen creencias, perpetra el terrorismo religioso, además de ser un grave error teológico”[1]) . Leonard Boff tambien ha sido cuestionado por su apoyo a los regímenes comunistas del pasado.

Siempre ha sido un defensor de las causas de derechos humanos, ayudar a formular una nueva perspectiva, de América Latina con “derechos a la vida y las formas de mantenerlas con dignidad”. El trabajo de los teólogos de la liberación contribuyó a la creación de más de 1.000.000 de “comunidades eclesiales de base” (“Comunidades de Base Eclesiais” o CEB) entre los católicos pobres en Brasil y en América Latina. El movimiento (y Boff) también criticaron el papel de la Iglesia Católica Romana en el orden económico y social que oprimía a las comunidades donde ellos trabajaban. Leonard Boff afirma encontrar gran parte de la justificación de su trabajo en el capítulo 1, N º 8 de Lumen Gentium (“Luz de las naciones”), un documento del Concilio Vaticano II.

Leonard Boff became one of the best known (along with Gustavo Gutiérrez) of the early Liberation theologians. He was present in the first reflections that sought to articulate indignation against misery and marginalization with promissory discourse of the faith, leading to Liberation theology. He continues to be a controversial figure in the Catholic Church, primarily for his sharp criticism of the church’s hierarchy, which he sees as “fundamentalist” (“A cardinal like J. Ratzinger, who publishes an official paper stating that the only true Church is the Catholic Church, and the others aren’t even churches, that the only legitimate religion is Catholicism and the others don’t even possess a faith, being just beliefs, perpetrates religious terrorism, besides being a grave theological error” [1]), but also for his past critical support of communist régimes.

.

.

Leonard Boff has always been an advocate of human rights causes, helping to formulate a new, Latin American perspective with “rights to life and the ways to maintain them with dignity”. The work of liberation theologians helped lead to the creation of more than 1,000,000 “ecclesial base communities” (“Comunidades Eclesiais de Base” or CEBs) among poor Catholics in Brazil and in Latin America. The movement (and Boff) also criticised the role of the Roman Catholic Church in the social and economic order that oppressed the communities they worked in. Boff claimed to find much of the justification for his work in Chapter 1, No. 8 of Lumen Gentium (“Light of the Nations”), a document from Vatican II.

.

Comunidades Eclesiais de Base

As Comunidades Eclesiais de Base (CEB) são comunidades ligadas principalmente à Igreja Católica que, incentivadas pelo Concílio Vaticano II (1962-1965), se espalharam principalmente nos anos 1970 e 80 no Brasil e na América Latina. Consistem em comunidades reunidas geralmente em função da proximidade territorial, compostas principalmente por membros das classes populares, vinculadas a uma igreja, cujo objetivo é a leitura bíblica em articulação com a vida. Através do método ver-julgar-agir buscam olhar a realidade em que vivem (VER), julgá-la com os olhos da fé (JULGAR) e encontrar caminhos de ação impulsionados por este mesmo juízo á luz da fé (AGIR). A ação encontra respostas variadas segundo as circunstâncias, transcendendo os limites das igrejas. Estas comunidades impulsionaram a criação de clubes de mães, associações de moradores, inserção no movimento operário, e outras iniciativas que fortaleceram o movimento social. Durante a luta contra a ditadura militar, deram uma grande contribuição à redemocratização do Brasil.

.


Leonardo Boff 06-03-2011
275 × 337 – 36 k - jpg
malcolmallison.lamula.pe

Theologian – Leonardo Boff
504 × 259 – 50 k - jpg
malcolmallison.lamula.pe

Leonardo Boff
330 × 400 – 23 k - jpg
malcolmallison.lamula.pe

Leonardo Boff – Theologian
750 × 500 – 116 k - jpg
malcolmallison.lamula.pe

.

.

.

Teaching how to celebrate Life and the Earth

-
Leonardo Boff  – Theologian – Earthcharter Commission

Given the generalized crisis we are presently enduring, all forms of education must include caring for everything that exists and lives. Without caring, we cannot guarantee a sustainability that will allow the planet to maintain its vitality, its ecosystems, its equilibrium, and the future of our civilization. We are taught critical and creative thinking, to have a profession and a good standard of living, but we forget to teach responsibility, and caring for the common future of Earth and Humanity. Education that does not include caring reveals alienation and irresponsibility.

.

The more serious analysts of the ecological status of the Earth warn us that, if we do not care, we may experience catastrophies worse than those experienced in 2011 in Brazil and Japan. To maintain herself, the Earth might be forced, perhaps, to reduce her biosphere, eliminating species and millions of human beings.

.
Among the many good qualities of the concept of caring, I would like to point out two that are of interest to the new model of education: inclusion of the globe in our everyday imagery, and enchantment with the mystery of existence. When we contemplate planet Earth from outer space, a feeling of reverence arises, at seeing our only Common Home. We are inseparable from the Earth, with her, we form a whole. We feel that we must love her and take good care of her so that she may offer us all we need to continue living.

.
The second quality of caring as an ethical attitude and a form of love, is the enchantment that we feel for the most spectacular and beautiful apparition that has ever existed, namely, the miracle of the existence of each individual human person.

.

The systems, institutions, sciences, technical achievements and schools lack that which every human possesses: consciousness, the capacity for loving, caring, creativity, solidarity, compassion and the feeling of belonging to a larger Whole that sustains and animates us: the realities that constitute our Profundity.
We surely are not the center of the universe. But we are the beings that carry its conscience and intelligence, through which the universe thinks of itself, is conscious and sees itself in its splendid complexity and beauty. We are the part of the universe and the Earth that has come to feel, to think, to love and to venerate. That is our dignity, that must be internalized and imbued in every person of the new planetary era.
We should be proud of being able to perform this mission for the Earth and for the whole universe. We only fulfill this mission if we care for ourselves, for others, and for every being that inhabits the Earth.
Perhaps few have expressed these noble feelings better than the distinguished musician and poet Pablo Casals, (1876–1973.) In a speech at the United Nations in the 1980s, he addressed the General Assembly, thinking of the children as the future of the new humanity. His message is also valuable for us adults. Casals said:
The child must know that he himself is a miracle, that from the beginning of the world, never has there been another child just the same, and that in the whole future, there will never be another child like him. Every child is unique, from the beginning to the end of time. That way the child assumes a responsibility, as he confesses: it is true that I am a miracle. I am a miracle as the tree is a miracle. And being a miracle, could I do evil? No, because I am a miracle. I can say God or Nature, or God-nature. That’s not that important. What is important is that I am a miracle made by God and by nature. Could I kill someone? No. I cannot. And could another human being, who is also a miracle, kill me? I believe that what I am telling the children, could help bring about another way of thinking of the world and of life. The world of today is bad, yes it is a bad world. The world is bad because we do not talk to the children as I am talking to them now, in the way they need us to talk to them. Then the world will have no reason to be a bad world.
Great realism is revealed here: every reality, especially human reality, is unique and precious, but at the same time, we live in a conflicted world, contradictory and with terrifying aspects. In spite of all that, we must trust in the strength of the seed. The seed is filled with life. Every child that is born is a seed of a world that can be better. Because of that, it is worth having hope. A patient in a psychiatric hospital that I visited, printed with fire on a small board that he later gave me: «Every child who is born is a sign that God still believes in the human being.» It is not necessary to say anything more, because in these words lies the meaning of our hope as we face the evils and tragedies of this world.
Leonardo Boff
09-01-2011

.

.

‘Não existe guerra justa’

O “Right Livelihood” de 2001, prêmio também conhecido como Nobel Alternativo da Paz, teve um ganhador brasileiro. Um dos teólogos a pregar o cuidado para com a legião de excluídos que corresponde a 2/3 da população do planeta, Leonardo Boff foi homenageado por ter dado contribuições importantes para a humanidade, principalmente neste momento difícil.
Ex-frade franciscano, ele desligou-se da hierarquia católica depois de ter sofrido restrições por parte do Vaticano. Autor de mais de 60 livros, criou polêmica com os seus estudos sobre a Teologia da Libertação, a qual faz opção pelos pobres. Suas idéias foram consideradas neomarxistas e, segundo a Igreja central, inadequadas, por quererem adaptar a fé cristã à realidade dos países subdesenvolvidos.
Desde 1972, quando foi publicado “Jesus Cristo libertador”, seus textos vinham sendo contestados, tendo sido convocado diversas vezes pelo Vaticano para prestar esclarecimentos. Mas foi em 1984 que ele sofreu um processo doutrinário do ex-Santo Ofício, por causa de seu livro “Igreja, carisma e poder”, no qual estão reunidos artigos questionando e criticando a Igreja e sua estrutura de poder, que nunca foi defendida por Cristo. Para Boff, a Igreja Católica precisaria se “converter” à palavra pregada por Jesus.
Sentou-se na cadeira em que foram julgados Giordano Bruno e Galileu Galilei durante a Inquisição. Foi interpelado pelo cardeal-chefe do Vaticano J. Ratzinger, a quem ele se refere como fundamentalista. Em 1985, recebeu sua punição: foi-lhe imposto um ano de silêncio e a proibição de exercer suas atividades no campo religioso.
O Vaticano, pressionado com manifestações de todo o mundo por tomar medidas tão arbitrárias quanto as dos militares ditadores, suspendeu o castigo em 1986. Em 1992, tendo recebido outro comunicado de que seria novamente punido, Leonardo Boff pediu o próprio desligamento.
Atualmente, ministra palestras e aulas no mundo inteiro, sendo professor-visitante em diversas universidades na Europa. É doutor honoris causa em Política pela Universidade de Turim e em Teologia pela Universidade de Lund, na Suíça.
Sobre a falta de paz, Boff diz condenar atos terroristas que vitimam inocentes no mundo, mas também é terminantemente contra as atuais intervenções militares norte-americanas. Ele classifica como terroristas também os danos, sanções e restrições que os países ricos há muito impõem ao terceiro-mundo. Discorda de que só haja duas alternativas, contra ou a favor da “democracia”, e sugere o caminho do diálogo incansável, baseado na compreensão e no respeito às diferenças.

Comunità Italiana – No livro que lançou recentemente, o sr. faz distinção entre religiosidade e espiritualidade. Como o sr. analisaria a fé dos grupos muçulmanos que vêem nos atos terroristas uma maneira de fazer justiça?

Leonardo Boff - Todos os fundamentalismos são guerreiros. Fundamentalista é a pessoa que afirma seu ponto de vista como o único verdadeiro. Quem diz ser o portador exclusivo da verdade, está condenado à intolerância contra outros grupos, portadores de outros pontos de vista. Há uma forte corrente fundamentalista em todas as religiões atuais, também no cristianismo e no próprio Vaticano. O caso muçulmano é singular. Não se faz uma distinção entre o político e o religioso. O Corão é simultaneamente livro sagrado e constituição do Estado. Atacar um país muçulmano não é apenas atacar suas políticas, mas atacar sua religião e seu livro de revelação que legitima e sustenta esse Estado. Não devemos olvidar que o Ocidente, hegemonizado pelos USA, trataram mal nos últimos 50 anos todo Oriente Médio de fé muçulmana. Em razão do suprimento de petróleo, sangue do sistema mundial, fizeram alianças espúrias com os emires e reis. Estes são despóticos, sequer possuem constituição. Embora riquíssimos, mantém o povo na pobreza. Os ataques sistemáticos aos palestinos por Israel, a guerra contra o Irã e o Iraque acumularam ressentimentos, amargura, revolta. Para o muçulmano piedoso o Ocidente é ateu, secularista, materialista, explorador, inimigo de Allah. A partir deste caldo cultural amadureceu a rede do terror voltado contra o Ocidente e os USA, uma forma de dar o troco pelo terror que receberam.

CI – Em declarações gravadas pela TV al Jazeera, Osama Bin Laden disse que o povo afegão suportaria um ataque norte-americano, já que vem suportando, há anos, a miséria naquele país devastado por guerras anteriores. Como o sr. acha que os países mais ricos deveriam se posicionar diante da pobreza do terceiro mundo?

Boff – Um dos piores fundamentalismos é aquele do neoliberalismo e a lógica do mercado mundial. Propaga-se que para esse modo de produção e para esse tipo de ordem mundial não há alternativas. Todos devem fazer os ajustes estruturais para entrar nessa fase histórica, considerada por alguns teóricos, como a final da humanidade. Ora, essa ordem com a globalização econômico-financeira e suas instituições como o FMI, o Banco Mundial e a Organização Mundial do Comércio devastaram economias nacionais, pauperizaram a maioria dos países retardatários e produziram os índices de maior pobreza mundial que se tem notícia. Há em todo mundo revolta contra o tipo de globalização que é só competitiva e nada cooperativa. A solução é secundar outro tipo de globalização que passe pela política, pela ética, pelos direitos humanos e pelos valores espirituais da humanidade. Importa respeitar as diferenças culturais e os vários modos de produção para atender às demandas de todas as regiões. Hoje há um crescimento fantástico, mas absolutamente injusto porque pessimamente distribuído. Pouco mais de 220 famílias controlam 80% de toda a riqueza mundial. Tal sistuação mostra o nível de barbárie a que chegamos. O encaminhamento passa pelo gerenciamento mundial dos recursos escassos da Terra para que todos, inclusive os demais seres vivos, tenham o suficiente, salvaguardemos a integridade do Planeta e garantamos a continuidade da biosfera. A máquina de morte já montada pelas potências militaristas podem destruir várias vezes a Terra e impossibilitar o projeto planetário humano. Estamos numa encruzilhada: ou socializamos o pouco que temos ou todos vamos ao encontro do pior. A resposta ao terrorismo dos desesperados não é outro terrorismo tecnológico ainda mais devastador, mas se encontra no diálogo, na negociação, nos investimentos maciços na qualidade de vida humana em todo o mundo. Pelo menos realizar sem exceção a utopia mínima de propiciar a cada habitante do planeta que coma uma vez ao dia.

CI – Os teólogos da libertação chegaram à conclusão de que o sistema atual gerava o subdesenvolvimento. O sr. acha que, depois do episódio do World Trade Center, mudanças que diminuam o abismo entre ricos e pobres poderão efetivamente ocorrer? Acha possível que haja uma maior conscientização?

Boff – Para mim, o antentado terrorista de 11 de setembro marca a virada na direção do novo paradigma planetário e humanístico. Os prédios atingidos enviam uma mensagem: não se poderá mais construir a civilização mundial com o tipo de economia dominante (simbolizada pelo World Trade Center), com o tipo de máquina de morte montada (Pentágono) e com o tipo de política arrogante e produtora de imensas exclusões (Casa Branca poupada porque o avião caiu antes). Para mim começou a ruir o sistema e a cultura do capital. Eles são demasiadamente destrutivos. O capitalismo explora a força de trabalho, expolia nações e devasta a natureza. Ele se mostra ecocida e geocida, vale dizer, ele pode nos levar ao destino dos dinossauros. Agora começará um novo estado de consciência: devemos discutir todos juntos o destino comum da humanidade e da Terra, devemos entabular diálogos interculturais e inter-religiosos sistemáticos, devemos criar as instituições globais que vão gerenciar a Terra para todos e para a inteira comunidade de vida que inclui todos os seres vivos e sua infra-estrutura físico-química. Desta vez não há uma arca de Noé que possa salvar alguns e deixar perecer os demais. Devemos nos salvar todos juntos. Para mim, esse é o conteúdo das conversas no mundo inteiro, para além do terror que os USA e seus aliados estão levando ao Afeganistão.

CI – A Itália, assim como vários outros países europeus, vivencia atualmente um clima de tensão. Cientistas políticos acreditam que o Vaticano é um alvo em potencial. Que atitudes tomadas pela Igreja poderiam ter provocado tal situação?

Boff – Desconheço as ameaças que pesam sobre o Vaticano. O que posso afirmar é que a tendência dominante no Vaticano sob este pontificado é altamente fundamentalista. Um Cardeal como J. Ratzinger, que publica um documento oficial no qual diz que a única Igreja verdadeira é a Igreja Católica e as demais nem sequer igrejas são, que a única religião legítima é a católica e as demais nem fé possuem, são apenas convicções e crenças, comete terrorismo religioso, além de ser grave erro teológico. Essa atitude e tais doutrinas favorecem a guerra entre as religiões. É sabido que para se ter paz política deve-se buscar simultaneamente a paz religiosa. E esta só se consegue pelo diálogo, a aceitação da diferença e a valorização de todos os caminhos espirituais como legítimos caminhos para Deus. Cabe lembrar que todas as zonas de conflito hoje se fundam em questões religiosas e teológicas. Os analistas das políticas mundiais dos países hegemônicos são tão secularistas e obscurantistas que nem sequer incluem tal dado em suas análises. Por isso que erram rotundamente em todas as suas medidas políticas.

CI – Apesar de descendente de italiano, o sr. parece ter uma ligação maior com a Alemanha. Os problemas com o Vaticano de alguma maneira inibiram uma atuação mais ampla na Itália?

Boff – Eu sou brasileiro e não tenho nada a ver diretamente nem com a Itália nem com a Alemanha. Vou com freqüência a esses países em razão de palestras e debates. Tenho sido professor visitante em Basel (Suiça) Salamanca (Espanha) e Heidelberg (Alemanha), mas sempre dentro da perspectiva típica da teologia da libertação que denuncia a dominação que as potências européias levaram às nossas terras. Foram os paises do Norte que invadiram o sul, colonizaram meio-mundo, cometerem etnocídios inomináveis, levaram o terror às populações. Elas nunca foram atacadas a partir do Sul. O ato terrorista nos USA possui essa singularidade: é a primeira vez que atores do sul atacam o Norte nos seus ícones mais caros. Ficamos todos perplexos, somos solidários com as vítimas, mas para um teólogo, há aí também um juízo de Deus sobre um tipo de civilização que foi inumana e bárbara para a maioria da humanidade. E o cristianismo foi cúmplice desta tragédia que significou o colonialismo e o imperialismo.

CI – Que mensagem o sr., agraciado com um prêmio internacional da paz, daria para o mundo atualmente em guerra?

Boff – Não existe guerra justa, como ainda se defende no Novo Catecismo da Igreja Católica, nem guerra santa como querem os muçulmanos. Toda guerra é perversa e contrária à vida e ao desígnio do Criador. As guerras nascem porque os seres humanos estabelecem entre si e entre os povos a concorrência em vez da cooperação, a vontade de dominar os outros porque cada qual se julga melhor. É o cuidado de uns para com os outros, o cuidado para com a Casa Comum, a Terra, o cuidado para com a vida, a começar pelas mais ameaçadas, que tira as incompreensões, desarma os preconceitos e cria laços de confiança e de fraternidade. Por isso postulo uma ética e uma pedagogia do cuidado essencial para com tudo o que nos cerca, pois é ele que salvará a vida e garantirá um futuro de esperança para a humanidade e para a Terra.
Como diz o poeta cantador: tudo o que amamos, também cuidamos… e há que se cuidar do broto para que a vida nos dê flor e fruto…

.

[MinoMuralSaoFelix.jpg]

.

O Cristianismo na Burguesia – Monseñor Nelson Magalhães da Costa Filho, Abril 1988. iglesiapopular.blogspot.com/2008_01_01_archiv…

 

 

Compartir este post

Repost0

Comentarios

Présenta

  • : cinabrio blog
  • : Ecología y sostenibilidad socioambiental, énfasis en conservación de ríos y ecosistemas, denuncia de impacto de megaproyectos. Todo esto es indesligable de la política y por ello esta también se observa. Ecology, social and environmental sustainability, emphasis on conservation of rivers and ecosystems, denounces impact of megaprojects. All this is inseparable from politics, for it, the politics is also evaluated.
  • Contacto

Perfil

  • Malcolm Allison H malcolm.mallison@gmail.com
  • Biólogo desde hace más de treinta años, desde la época en que aún los biólogos no eran empleados de los abogados ambientalistas. Actualmente preocupado …alarmado en realidad, por el LESIVO TRATADO DE(DES)INTEGRACIÓN ENERGÉTICA CON BRASIL
  • Biólogo desde hace más de treinta años, desde la época en que aún los biólogos no eran empleados de los abogados ambientalistas. Actualmente preocupado …alarmado en realidad, por el LESIVO TRATADO DE(DES)INTEGRACIÓN ENERGÉTICA CON BRASIL

Recherche

Liens