Overblog
Seguir este blog Administration + Create my blog
5 enero 2011 3 05 /01 /enero /2011 17:31

Man posing as Hillary Clinton robs Sterling bank at gunpoint

Ladrón con máscara de Hillary Clinton. Foto: Cámara de Seguridad del Banco Wachovia.Ladrón con máscara de Hillary Clinton. Foto: Cámara de Seguridad del Banco Wachovia.Ladrón con máscara de Hillary Clinton. Foto: Cámara de Seguridad del Banco Wachovia.

Hombre roba un banco en Virginia con careta de Hillary Clinton

Un ladrón en Sterling, Virginia, podría ser uno de sus fans de Hillary Clinton, la mujer más admirada en gringolandia.

 El 27 de diciembre, las autoridades del condado de Loudoun informaron que un ladrón robó una sucursal del Banco Wachovia con una máscara de Hillary. El Sheriff Kraig Troxell confirmó que el sospechoso se acercó a una cajera del banco y le apuntó con un arma de fuego. Exigió dinero en efectivo, y huyó de la escena con una cantidad no revelada de dinero.

 El sospechoso es descrito como un hombre con una chaqueta de color negro, con una camisa roja debajo. Ah, con la máscara de Hillary Clinton.  

 

 

Ladrón con máscara de Hillary Clinton. Foto: Cámara de Seguridad del Banco Wachovia. 
Ladrón con máscara de Hillary Clinton. Foto: Cámara de Seguridad del Banco Wachovia. 
Ladrón con máscara de Hillary Clinton. Foto: Cámara de Seguridad del Banco Wachovia.  
Ladrón con máscara de Hillary Clinton. Foto: Cámara de Seguridad del Banco Wachovia.  

 

Ladrón con máscara de Hillary Clinton. Fotos: Cámara de Seguridad del Banco Wachovia.

Hillary Clinton-masked man robs bank

Hillary Clinton is shown.
A man sported a Hillary Clinton mask while robbing a Wachovia Bank in Sterling, Va., | Photo by AP PhotoClose
By PATRICK GAVIN | 12/29/10 9:28 AM EST Updated: 12/29/10 6:55 PM EST

In her role as secretary of state, Hillary Clinton can be quite the persuasive diplomat, which is perhaps why one man thought that might help him convince a bank to hand over all of its money.

A gun-wielding man sported a Hillary Clinton mask while robbing a Wachovia bank in Sterling, Va., according to the Loudoun Times

 

The man left with an undisclosed amount of cash, and no injuries were reported. It was the second time in two months that the branch had been robbed.

 

Dec 29, 2010 A man sported a Hillary Clinton mask while robbing a Wachovia Bank …. doing
the same for mere pocket change compared to the real thieves.
http://www.politico.com/click/stories/1012/hillary_clintonma… – 64k – Similar pages
Dec 29, 2010 A gun-wielding man sported a Hillary Clinton mask while robbing a Wachovia
Woman catches thief in act on iPhone app · Calif. dispensary
http://www.azcentral.com/offbeat/articles/2010/12/29/2010122… – 69k – Similar pages
Man posing as Hillary Clinton robs Sterling bank at gunpoint
Tuesday, Dec. 28 by Crystal Owens | 39 comments | Email this story

image

 

 


A gun-wielding man wearing a Hillary Clinton mask robbed a Sterling bank on Dec. 27, authorities said.

The man walked into the Wachovia bank in Community Plaza about 9:14 a.m., approached a teller, brandished a firearm and demanded cash, according to Loudoun County sheriff’s office reports.

The robber then fled the bank in an unknown direction with an undisclosed amount of cash.

No injuries were reported, according to Kraig Troxell, spokesman for the Loudoun County Sheriff’s Office.

Witnesses described the robber as a 6-foot-tall black man. He was last seen wearing a black jacket with a red shirt underneath, according to reports.

The Dec. 27 robbery is the second time the Wachovia bank in Sterling’s Community Plaza has been robbed this year.

On Nov. 20, authorities said the bank was robbed at gunpoint by Benjamin L. Sebastian, 32, of Inwood, W.Va.

Sebastian, an alleged serial bank robber, was arrested Dec. 11 and charged with six regional bank robberies, including the Sterling Wachovia bank and an Oct. 6 armed robbery of the Bank of America in Sterling’s Regal Plaza.

He remains in police custody.

Authorities are asking anyone who was in the area of the Community Plaza or the Towncenter Plaza at Route 7 and Dranesville Road between 8:30 a.m. and 9:30 a.m. on Dec. 27 and saw anything suspicious to contact Investigator K. Poland of the Loudoun County Sheriff’s Office Criminal Investigations Division at 703-777-0475.

 

A picture of the Hillary-masked man can be seen here  http://www.loudountimes.com/index.php/news/article/man_posing_as_u.s._secretary_of_state_robs_sterling_bank_at_gunpoint/

Sat, Jan 01 at 11:53 AM by Jina:
funny how they KNOW it was 6 foot tall black man if he had a mask on…
Fri, Dec 31 at 03:18 AM by Jovi:
With those buck teeth it looks more like Eleanor Roosevelt
Thu, Dec 30 at 01:28 PM by NMB:
Well, I don’t know – I think the headline did its job.  It got us to read the story!  smile
Thu, Dec 30 at 04:50 AM by Joseph:
He needed money to pay for his obamacare health insurance so he wouldn’t go to jail.
Thu, Dec 30 at 03:03 AM by Chuck G:
The guy wearing the Hillary mask was Obama.
Wed, Dec 29 at 09:56 PM by Tim:
This is almost as intriguing as the Vince Foster case.
Wed, Dec 29 at 08:35 PM by Sorely Frickey:
It’s frightening to know that so many goofy people (the commenters, I’m assuming) live within a stone’s throw of the seat of power—LouDobbs, VA.
Wed, Dec 29 at 07:44 PM by Gabby Gabs:
Oh My Stars!! HAHA!! This is hilarious. I am so sorry. I mean no disrespect. But Wooo! I have to say, I don’t know which was funnier, the “incident” Or the COMMENTS!! Thanks you guys, you all cracked me up! ROFL..
Wed, Dec 29 at 05:25 PM by Eureka:

Maybe he needed money to pa for expensive Christmas presets!

 

Wed, Dec 29 at 05:09 PM by Irafan Shalk:

Yablinowitz writes a very emphatic rebuttal. Big shock a jew gets worked up over money.

 

Wed, Dec 29 at 05:07 PM by paul:

Anyone make sure it is not Hill

 

Wed, Dec 29 at 04:46 PM by Jomama:

He thought about using a Monica mask, but was afraid he might blow it

 

Wed, Dec 29 at 04:41 PM by Tamerlane:

Did the robber also have cankles?

 

Wed, Dec 29 at 04:31 PM by nobamano:

Hillary is way uglier than the robber in the mask.

 

Wed, Dec 29 at 02:21 PM by Iknewthat:

It was a rich wall-street white man wearing an Obama mask looking like a black man, that then wore the Hillary mask when robbing the bank.

 

Wed, Dec 29 at 01:50 PM by Franklin:

Yablinowitz; Oh My God!!!!!!! Really?!?!? Well, it seems to be true you just can’t fix stupid

 

 

Wed, Dec 29 at 01:11 PM by Ranger 01:

Is’nt is Normal for Politian’s to Rob people of their money? Especially Hillary! So what else is new?

 

Wed, Dec 29 at 12:52 PM by Jooley Booley:

Hillary, Hillary . . .  I know you still owe the bills from your 2008 campaign, but robbing banks to pay for them is not the answer.  Why not hit up Che and Franklin?  They appear to be Libs.

 

Wed, Dec 29 at 12:49 PM by spoofproof:

Report sez:  “The robber then fled the bank in an unknown direction with an undisclosed amount of cash.”

Unknown direction???? What’d the robberman do? Vanish into thin air?

 

Wed, Dec 29 at 12:43 PM by Gleebo:

Bob is absolutely correct, It’s like a real life “point break” anymore.. All the presidents are robbing the public purses? And the banks are aiding and abetting through accepting bailouts! One hand wash the other, kinda like “wax on, wax off”! ROFL Washington wreaks of hollywood, wait; that’s not right….

 

Wed, Dec 29 at 12:12 PM by Lee:

There was a case recently where a guy wore a mask of a black man for similar escapades.  This sounds like Hillary wore two masks, one under the other, and did it wearing elevator shoes to appear taller.  This could be the perfect crime for her, they’ll never even suspect her!

 

Wed, Dec 29 at 12:09 PM by bob:

well this story isn’t really that shocking… I mean the Clinton’s have been robbing tax payers since they were in Arkansas

 

Wed, Dec 29 at 11:19 AM by just wondering:

So how exactly do they know that it was a man and not Hilary Clinton herself?  There’s really not much of a difference is there?

 

Wed, Dec 29 at 11:06 AM by sean:

my wife has a Hillary Clinton mask..she wears it every time I ask her for sex!

 

Wed, Dec 29 at 11:00 AM by Pedro:

Why does a bank post a black and white immage of the suspect? You know darn well a bank, of all places, would have some modern security equipment.

 

Wed, Dec 29 at 10:58 AM by Fred C. Dobbs:

Looks like David Bowie to me.

 

Wed, Dec 29 at 10:50 AM by Tiki_Steve:

Sarah Palin has no power to “rob” you Mark.
Hillary Clinton is in a position of power to rob you though.
Stop drinking the kool-aid. Our current administration are the thieves and the only thing that would have been more appropriate would have been an Obama mask.

 

Wed, Dec 29 at 10:29 AM by Yablinowitz:

Franklin. The “one” mention was in the HEADLINE. And in the first paragraph.

Oops! That’s twice. Learn to count, and learn what it means when a newspaper puts a fact in both the headline and the lead: they consider it the most important fact in the story.

 

Wed, Dec 29 at 10:22 AM by mark:

He’s black? How dare you write such a thing. Thats racist. I’m gonna sick the NAACP on you.

 

Wed, Dec 29 at 10:15 AM by Franklin:

Oh for the love! The writer mentioned “Hillary Clinton mask” once….ONCE!!! If the robber had been wearing a bandana, the writer would have said “a bandana”. If the robber had been wearing a John Karry, Ross Periot, Bill Clinton, or Ronald Regan mask I’m pretty sure the writer would have mentioned that too because it’s the discription of the robber…Much like if the robber was black, white, Mexican, or Asian…you can’t make everything about politics! Now what if someone reading this remembers being a block away at that time and seeing a guy carrying a Hillary Clinton mask?? Are YOU going to cry foul again! Should the police not follow up on that because he had a Hillary Clinton mask? You just can’t fix stupid!

 

Wed, Dec 29 at 10:10 AM by IGnatius T Foobar:

And the Hillary Clinton mask is removed to reveal the robber’s true identity: Hillary Clinton!

 

Wed, Dec 29 at 01:45 AM by K. Reeves:

Call Agent Utah FBI

 

Tue, Dec 28 at 11:41 PM by kevin fine:

Let me guess what party the writer is affiliated with???  That somehow the attention should be on Hilary Clinton. Yea that really makes sense. C’Mon man!

 

Tue, Dec 28 at 06:07 PM by Loudoun Insider:

Are we sure that’s a Hillary Clinton mask?  The photo isn’t too clear.  If so it appears to be one with buck teeth!  Fascinating mask choice!

 

Tue, Dec 28 at 05:13 PM by Che:

He should’ve worn a Sarah Palin mask but this wouldn’t have arisen any suspicion because people are too stupid to see when their being robbed by a pretty face…

 

Tue, Dec 28 at 05:04 PM by Mark:

….why did the writer think the kind of mask the guy was wearing was the most important part of this story?

 

Tue, Dec 28 at 04:27 PM by sam:

Are we entirely sure it wasn’t actually Hillary herself?  I think she should be brought in for questioning at the least.

 

Tue, Dec 28 at 12:57 PM by Donna P.:

I love it!  Too funny!  I’m glad no one was hurt.

 

Tue, Dec 28 at 12:35 PM by WJC:

“posing as” and wearing a rubber/plastic mask are two entirely different things. Come on, man, don’t mislead.

….why did the writer think the kind of mask the guy was wearing was the most important part of this story?

 

Tue, Dec 28 at 04:27 PM by sam:

Are we entirely sure it wasn’t actually Hillary herself?  I think she should be brought in for questioning at the least.

 

Tue, Dec 28 at 12:57 PM by Donna P.:

I love it!  Too funny!  I’m glad no one was hurt.

 

Tue, Dec 28 at 12:35 PM by WJC:

“posing as” and wearing a rubber/plastic mask are two entirely different things. Come on, man, don’t mislead.

—-.

 

In her role as secretary of State, Hillary Clinton can be quite the persuasive diplomat, which is perhaps why one man thought that might help him convince a bank to hand over all its money.

// A gun-wielding man sported a Hillary Clinton mask while robbing a Wachovia Bank in Sterling, Va., according to the Loudoun Times.

The man left with an undisclosed amount of cash, and no injuries were reported. It was the second time in two months that the branch had been robbed.

The Arizona Republic is a member of the Politico Network.
Read more: http://www.azcentral.com/offbeat/articles/2010/12/29/20101229robber-in-hillary-mask-politico.html#ixzz1AB2Q2ZQZ

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Dec 29, 2010 Man wearing Hillary Clinton mask robs bank, A gun-wielding man sported a Hillary
Clinton mask while robbing a Wachovia Bank in Sterling,
http://www.azcentral.com/offbeat/articles/2010/12/29/2010122… – 69k – Similar pages
Dec 29, 2010 The Loudoun County Sheriff’s Office says an armed man apparently wearing a
Hillary Clinton mask robbed a bank in Sterling.
http://washingtonexaminer.com/local/crime-punishment/2010/12… – 86k – Similar pages
Dec 28, 2010 Man posing as Hillary Clinton robs Sterling bank at gunpoint A gun-wielding
man wearing a Hillary Clinton mask robbed a Sterling bank on
http://www.loudountimes.com/index.php/news/article/man_posin… – 40k – Similar pages
Dec 29, 2010 A gun-wielding man wearing a Hillary Clinton mask robbed a Sterling bank on
December 27.
http://dailycaller.com/2010/12/29/man-wearing-hillary-clinto… – 100k – Similar pages
Dec 29, 2010 Man in Apparent Hillary Clinton Mask Robs Va. Bank Authorities say a man
wearing what appeared to be a Hillary Clinton mask has robbed a
http://www.myfoxdc.com/dpp/news/local/man-in-apparent-hillar… – 57k – Similar pages
Dec 29, 2010 A man sported a Hillary Clinton mask while robbing a Wachovia Bank in Maybe
she should try wearing it when she robs the public blind.
http://www.politico.com/click/stories/1012/hillary_clintonma… – 64k – Similar pages
Dec 31, 2010 Man in Hillary Clinton Mask Robs Virginia Bank. 3 days ago an armed man
wearing what appeared to be a Hillary Clinton mask robbed a bank
http://www.politicsdaily.com/2010/12/31/halloween-december-m… – 85k – Similar pages
Dec 29, 2010 Man Wearing Hillary Clinton Mask Robs Bank. Politico reports: In her role as
secretary of state, Hillary Clinton can be quite the persuasive
http://patrick-button.blogspot.com/2010/12/man-in-shrillary-… – 73k – Similar pages
Dec 29, 2010 Man wearing Hillary Clinton mask robs a Northern Virginia bank. A gun-wielding
man wearing a Hillary Clinton mask robbed a Sterling bank on
http://health.newsplurk.com/2010/12/secretary-of-stick-ups-m… – 156k – Similar pages
Dec 31, 2010 A man donning what appeared to be a mask of former first lady Hillary Clinton
has robbed a bank in northern Virginia and remains on the
http://www.oliverwillis.com/livenews/2010/12/31/man-robs-vir… – 19k – Similar pages

 

 

—-
Compartir este post
Repost0
4 enero 2011 2 04 /01 /enero /2011 20:46

 

  
Informe de misioneros católicos denuncia violencia contra indígenas
 

Ex-secretário de Imprensa e ex-porta-voz do governo Luiz Inácio Lula da Silva, o cientista político André Singer publicou um artigo acadêmico no qual define as raízes do "lulismo", afirmando que o fenômeno incorporou "pontos de vista conservadores", surgiu baseado no "conservadorismo popular" e concedeu ao presidente "uma autonomia bonapartista".

REPRESA “BELO MONTE” DESENCADENARÁ MUCHA VIOLENCIA, POBREZA, DESPLAZAMIENTO Y SUFRIMIENTO ENTRE LOS INDÍGENAS, ASEGURA INFORME 2009 DE CONSEJO INDIGENA MISIONERO DE BRASIL

——————————————————————-

Los indígenas en Brasil siguen siendo víctimas de persecución policial, abusos y falta de asistencia médica, así como de los efectos devastadores de obras públicas como la hidroeléctrica Belo Monte, denunció el Consejo Indigenista Misionero (CIMI)

 

 

EN PARTICULAR LA FARAÓNICA Y POLÉMICA REPRESA “BELO MONTE”, QUE SE PROYECTA COMO LA 3° MAS GRANDE DEL MUNDO Y OBLIGARÁ A DESPLAZAR COMUNIDADES ENTERAS.

 

 

“El proyecto presentado por el gobierno como fuente de desarrollo, en verdad, traerá consecuencias desastrosas e irreversibles para el medioambiente y a las comunidades de la región”, expresa el Consejo Indigenista Misionero de Brasil (CIMI).

En un reporte sobre la Violencia contra los Pueblos Indígenas en Brasil en 2009, el CIMI, un organismo vinculado a la Confederación Nacional de los Obispos en Brasil, denuncia casos de violencia contra indígenas relacionados frecuentemente con “conflictos por tierra”.

Según este organismo, se registraron 60 asesinatos de indígenas en Brasil en 2009, 54% de ellos en el estado de Mato Grosso do Sul, que desde 2005 encabeza la lista de homicidios de indígenas entre los diferentes distritos del país.

El informe destaca que existe “RACISMO INSTITUCIONAL en Mato Grosso do Sul”, denuncia asimismo en ese Estado las “invasiones de tierras indígenas por grandes propietarios”.

Según el Cimi, “en 2009 fueron registrados 133 casos de violencia provocados por la omisión del poder público” y entre ellos destaca “el gran número de muertes por falta de asistencia sanitaria, 41 en total”, la mayoría (22) también en Mato Grosso do Sul.

El organismo también denuncia que es “alarmante” el índice de desnutrición entre comunidades indígenas del país, que incluso derivó en muertes de niños por bajo peso.

El comunicado denuncia además los “daños causados por los grandes proyectos del gobierno federal” que “impactan territorios indígenas y afectan la vida de diversos pueblos, inclusive aquellos que tienen poco o ningún contacto con la sociedad”.

En particular, se refiere a la polémica y gigantesca represa de Belo Monte, en el estado amazónico de Pará, que será la tercera más grande del mundo y obligará al desplazamiento de comunidades indígenas enteras.

 

“El proyecto presentado por el gobierno como fuente de desarrollo, en verdad, traerá consecuencias desastrosas e irreversibles para el medioambiente y a las comunidades de la región”, expresa.

El informe alerta asimismo sobre un “creciente proceso de criminalización de los líderes indígenas y una intensificación de acciones contra los indígenas y sus luchas en diversos estados del país”.

En particular denuncia la captura en junio de 2009 de cinco indígenas de la comunidad Tupinambá, en el nordestino estado de Bahía, por parte de la Policía Federal. “Durante la acción fueron esposados, inmovilizados en el piso y recibieron fuertes dosis de gas pimienta en los ojos”. Además “tres de ellos recibieron choques eléctricos en la región dorsal y genital”, añade.

 

Según el CIMI, “esas agresiones tenían por objetivo intimidar a los indígenas para que salieran de la tierra que tradicionalmente ocupan”.

Brasil: Informe de misioneros católicos denuncia violencia contra …9 Jul 2010
http://www.univision.com/contentroot/wirefeeds/…/8252199.shtml

 

 

 
 
Mapa 1 - áreas indígenas no chamado Arco Norte, que envolve a Amazônia, várias delas junto a nossas fronteiras. Do outro lado vivem índios da mesma etnia, que certamente se unirão na demanda de formação de uma única “nação”. www.paznocampo.org.br/.../preview.asp?nr=75
  
  
Informe Consejo Indigenista Misionero   Violencia contra Pueblos Indígenas en Brasil 2006-2007
  Según el informe elaborado por el Consejo Indigenista Misionero (Cimi) sobre Violencia contra Pueblos Indígenas en Brasil en 2006 y 2007, que será divulgado en abril, la violencia contra esos pueblos aumentó casi un 40%. En ese periodo fueron asesinados 124 indígenas, 76 en 2007 y 48 en 2006 .

El número de asesinatos en 2007 fue el mayor que haya registrado el Cimi. Solamente en Mato Grosso do Sul fueron 48 los asesinatos. El número de asesinatos en el estado creció casi un 150% si se compara con los dados registrados en 2006, cuando tuvieron lugar allí 20 asesinatos. El estado con el segundo mayor número de registros es Pernambuco, con 8 asesinatos.
El vicepresidente del Cimi, Roberto Liebgott, evalúa que el endurecimiento de la violencia contra los indígenas y el aumento de los asesinatos se dio, fundamentalmente, por dos razones: negligencia del Gobierno Federal frente a la realidad indígena, que no se estructura para demarcar, proteger las tierras de esos pueblos, ni para retirar a los invasores.
Además, según el vicepresidente del Cimi, en el estado de Mato Grosso do Sul -en el cual ocurrieron más de la mitad de las muertes- existe una realidad de gran densidad poblacional en dos reservas: Dourado y Guaraní Kaiowá.
En la primera, más de 12,000 indígenas comparten un área de cerca de 3,000 hectáreas. El poco espacio, provoca una situación de confinamiento que potencializa los conflictos internos. De los 48 asesinatos en el estado, 14 ocurrieron en Dourado. Para Liebgott, el gobierno tiene que demarcar nuevas áreas, que ya son tradicionalmente del pueblo de Dourado, para disminuir la densidad poblacional.

En relación con el pueblo Guaraní Kaiowá, el vicepresidente del Cimi reclama que la Fundación Nacional del Indio (Funai) demarque las 32 áreas, de acuerdo con lo que se comprometió a realizar a través de un 'Término de Ajuste de Conducta'. Sin embargo, los grupos de trabajo responsables para realizar el estudio de las demarcaciones, que deberían haber sido formados antes de diciembre de 2007, todavía no existen.
De acuerdo con el Cimi, se mantienen los asesinatos en situaciones de conflicto con grandes hacendados.
En 2007, dos líderes de un mismo grupo Guaraní fueron asesinados por luchar para reocupar sus tierras (Kurussu Ambá). En enero, la rezadora-adivinadora Xurete Lopes, de 70 años, fue asesinada por guardias de seguridad particular durante una reocupación de tierra. En julio Ortiz Lopes, del mismo grupo, fue asesinado en la puerta de su carpa, según testigos, por un grupo al mando de un hacendado.
Según Liebgott, el Cimi está preocupado también por los grandes impactos que el Programa de Aceleración del Crecimiento (PAC), que está siendo implementado por el Gobierno Federal, va a tener sobre las tierras indígenas. La construcción de las hidroeléctricas del Río Madeira (Rondonia) y de Belo Monte (Pará) y los financiamientos al agronegocio y a la agroindustria para la siembra de soja y eucalipto van a afectar territorios de pueblos indígenas.
Además, en la región Amazónica existen más de 40 pueblos indígenas que todavía viven aislados, sin ningún contacto con la sociedad brasilera, y van a ser desterrados a las fronteras por esos proyectos; sin embargo, el gobierno no demuestra ninguna preocupación por ellos.
El informe que el Cimi difundirá en abril traerá números sobre amenazas, intentos de asesinato, muertes por falta de asistencia (suicidio, falta de atención médica...), invasiones de tierras indígenas, entre otros. El informe también analizará el crecimiento de la violencia contra los pueblos indígenas. El estudio está basado en informaciones reseñadas en las comunidades indígenas y en el seguimiento de periódicos de todo el país.
  
(Fuentes: Agencia PÚLSAR, AP, Radioagência Notícias do Planalto y Adital)
  
 
Claves para entender el Lulismo
  
 

En las elecciones de 2006, cuando Lula fue reelegido presidente, nació el lulismo, a caballo de políticas públicas que modificaron la geografía y la sociedad de Brasil. Muchos brasileños dejaron atrás la pobreza y se incorporaron a las clases medias, o sea al consumo, pero se acentuaron las desigualdades y los confinados a la pobreza extrema superan los 60 millones de personas. Estos cambios no explican el consistente y sólido apoyo de Lula, quien se retira del gobierno con un porcentaje de aprobación cercano al 80 por ciento.

Lula fue electo en 2002 sin el apoyo mayoritario de las capas más pobres, las que tienen ingresos menores a dos salarios mínimos. Desde las elecciones de 1989, cuando Lula fue derrotado en segunda vuelta por Fernando Collor de Melo, los de más abajo le daban la espalda. Aunque el dirigente metalúrgico llevaba la delantera en los demás estratos de ingresos, la diferencia de cinco a cuatro entre las rentas más bajas lo privó del triunfo.

 

 

Un minucioso estudio realizado por el cientista político y ex portavoz de la Presidencia en el primer gobierno Lula, André Singer, le permitió concluir que “los más pobres eran más hostiles a las huelgas que los más ricos”, al punto que eran los que más aprobaban la represión de los militares contra los huelguistas.[André Singer, “Raízes sociales e ideológicas do lulismo”, revista Novos Estudos, No, 85, Cebrap, noviembre de 2009.]

 

Apoyado en encuestas afirma que esos mismos sectores anhelan la intervención del Estado para reducir la desigualdad, pero “evitando movimientos sociales que puedan desestabilizar el orden”. El rechazo a Lula y al PT se apoyaría en la opción por cambios digitados desde arriba, una suerte de “conservadurismo popular” según Singer.

Luego de cuatro años de gobierno las cosas cambiaron: Lula fue abandonado por una parte de las clases medias pero cosechó apoyos en sectores muy pobres que nunca lo habían votado. El secreto, según Singer, fue el programa Bolsa Familia, que pasó de atender a 3,6 millones de familias durante el gobierno de Fernando Henrique Cardoso, a casi doce millones en 2006. En el norte y el nordeste, las regiones donde mayor presencia tiene el programa de transferencias monetarias llegando en algunos estados a cubrir al 65 por ciento de la población, Lula fue imbatible.

El aumento del salario mínimo, de 24 % en términos reales hasta 2006 y del 54 % en los ocho años de Lula, es la otra gran explicación del cambio de fidelidades políticas. Por último, la expansión del crédito a los sectores populares, de la mano de la bancarización de sus ingresos, que aumentó la capacidad de consumo de bienes, sobre todo electrodomésticos.

La conclusión de Singer es fuerte: el lulismo “expresa un fenómeno de representación de una fracción de clase, que aún siendo mayoritaria, no consigue construir desde abajo sus propias formas de organización”.

 

La nueva clase media

 

 

El sociólogo Rudá Ricci en su libro “Lulismo. De la era de los movimientos sociales al ascenso de la nueva clase media brasileña”, enfoca el análisis en los cambios socioeconómicos. Sostiene que la camada de movimientos sociales nacidos en la década de 1980, el sindical, los sin tierra, el PT, las comunidades eclesiales de base, se agotaron al institucionalizarse. “La calle, principal escenario de los nuevos movimientos sociales de los años 80, fue cambiada por las conferencias y reuniones en gabinetes gubernamentales”.

Durante la presidencia de Lula la clase media, o clase C según la medición por ingresos, aquellas familias que perciben entre tres y diez salarios mínimos, pasó del 37 al 50 por ciento de la población. Son 91 millones de brasileños que ahora pueden comprar tevé plasma, pasajes aéreos, coches y muchos otros bienes, incluso vivienda propia. “Lula habla para esta nueva clase media, estos millones de brasileños que rompen con historias familiares de exclusión del consumo de masas”, señala Ricci.

Va más lejos: “El lulismo opera a partir de la integración -por la tutela del Estado- de las masas urbanas y rurales al mercado de consumo de clase media, que históricamente formaron linajes de pobres y marginalizados, formando un árbol genealógico de resentimiento, cinismo y desconfianza en relación a la política y la institucionalidad pública vigente”.

El lulismo cobró forma durante la crisis de 2005 a raíz del mensalao, la compra masiva de diputados por la estructura del PT que provocó la destitución de buena parte de los colaboradores de Lula. Por eso, dice Ricci, el lulismo se forjó en la adversidad y “a partir de una nítida opción por la construcción de consenso entre las fuerzas políticas tradicionales del país”.

Pero esa nueva clase media que concreta los anhelos de ascenso social de los brasileños pobres, es bien diferente de la que conocemos, por ejemplo, en el Río de la Plata. Se referencia en el ideario comunitario y religioso, se socializa en las diversas religiones y es más propicia a una cultura intimista volcada a la familia, al punto que parece portar un “patrón de participación social poco afecto a la conquista de derechos universales y amplios”.

Está integrada, concluye Ricci, “por quien no tiene hábito de lectura y es absolutamente pragmático”. Esta característica, un pragmatismo duro e innegociable, parece explicar tanto la adhesión a Lula como el rechazo a la movilización social, pues conlleva resultados siempre inciertos y seguramente costosos en términos familiares y personales.

 

La necesidad de abrir un debate

Una buena porción de pensadores brasileños, casi todos ex militantes del PT, han dedicado los últimos años a reflexionar sobre los cambios habidos en “su” partido y los virajes dados por “su” líder, que lo llevaron a convertirse en referente del empresarial Foro de Davos. Uno de ellos, quizá el más combativo, es Francisco de Oliveira, sociólogo, fundador del PT y luego del PSOL. Su análisis parte de constatar una verdadera mutación producida en las fuerzas del cambio, de modo particular en los sindicatos.

Las capas más altas de trabajadores sindicalizados se convirtieron en administradores de fondos de pensiones de las empresas, integrando los consejos de administración en representación de los trabajadores. Una muestra: Previ, fondo de pensiones del Banco do Brasil, cuenta con un patrimonio de 80.000 millones de dólares que invierten prioritariamente en las grandes multinacionales brasileñas. Se trata de “una nueva clase” según De Oliveira, con relaciones fluidas con el sistema financiero, ya que los fondos de pensiones son uno de los sectores de más rápida y consistente acumulación de capital, pero bajo control de los trabajadores.[7]

En un trabajo más reciente, “Hegemonía al revés”,[8] desarrolla un concepto tan novedoso como polémico. Sostiene que hubo una profunda alteración por la cual “no son más los dominados los que consienten su propia explotación”, sino “los dominantes, los capitalistas y el capital, quienes consienten ser políticamente conducidos por los dominados”. La única condición que ponen los poderosos para dejarse gobernar, es que quien está al mando “no cuestione la forma de explotación capitalista”.

Polémico. Son muchos los pensadores que intentan dar cuenta de situaciones que viven países como Brasil, al que De Oliveira suma Sudáfrica luego del apartheid, que podrían extenderse a otros de la región sudamericana, donde el pragmatismo, arriba y abajo, está creando situaciones que desafían la imaginación y hasta el sentido común.

 

 

En vísperas del pleito presidencial más vacío de ideas desde tiempos inmemoriables, los movimientos sociales y la izquierda deben contrastarse con un nuevo período de sus luchas. Necesitan hacer una amplia reflexión sobre las derrotas acumuladas que, al contrario de lo que se esperaba, fueron profundizadas en el período de Lula. Ese el pensamiento de Gilmar Mauro y esa fue la declaración ad portas de las elecciones brasileiras del dirigente del MST. 

 

Gilmar argumenta que el MST no declaró apoyo a candidato alguno para el primer turno por cuenta del debilitamiento político y social de la izquierda. De modo que el movimiento no es capaz de impedir que gran parte de sus bases opte por Dila, aunque el gobierno de Lula no ha llegado ni cerca de la reforma agraria. Para él, la única diferencia de Lula con Serra es la menor intolerancia al diálogo con el movimiento social (lo que se aplica en Sao Paulo, en la disputa entre Alckmin y Mercadante). Brasil: "El MST no será rehén del próximo gobierno" - Gabriel Brito y Valéria Nader
Brasil: Hacia la continuidad del lulismo. http://www.cipamericas.org/es/archives/3292
  
  
Em artigo acadêmico, Singer avalia que Lula 'obteve autonomia bonapartista



Ex-secretário de Imprensa e ex-porta-voz do governo Luiz Inácio Lula da Silva, o cientista político André Singer publicou um artigo acadêmico no qual define as raízes do "lulismo", afirmando que o fenômeno incorporou "pontos de vista conservadores", surgiu baseado no "conservadorismo popular" e concedeu ao presidente "uma autonomia bonapartista".

Publicado na última edição da revista Novos Estudos, do Cebrap, o texto Raízes Sociais e Ideológicas do Lulismo pretende debater o realinhamento eleitoral que teria ocorrido a partir da reeleição de Lula em 2006. Singer sugere que o subproletariado - termo usado pelo economista Paul Singer ao analisar a estrutura social do Brasil no início dos anos 80 -, que sempre teria se mantido distante de Lula, aderiu em bloco à sua candidatura depois do primeiro mandato, ao mesmo tempo em que a classe média se afastou dela.

VIA DE ACESSO

"O primeiro mandato de Lula terminou por encontrar outra via de acesso ao subproletariado, amoldando-se a ele, mais do que modelando, porém, ao mesmo tempo, constituindo-o como ator político", disse. "Isso implicou um realinhamento do eleitorado e a emergência de uma força nova, o lulismo, tornando necessário um reposicionamento dos demais segmentos."

De acordo com o autor, esse realinhamento só foi possível porque o subproletariado passou a ver em Lula, com o seu discurso conservador, a "manutenção da ordem" - o que não ocorrera nas eleições anteriores. "A elevação do superávit primário para 4,25% do PIB, a concessão da independência operacional do Banco Central (...) e a inexistência de controle sobre a entrada e a saída de capitais foram o modo encontrado para assegurar um elemento vital na conquista do apoio dos mais pobres: a manutenção da ordem", afirma Singer.

Esse realinhamento teria tirado a centralidade dos estratos médios da sociedade - como os estudantes e assalariados com carteira assinada, que formavam a base eleitoral do petista - e explicaria o "relativo desinteresse de Lula pelos formadores de opinião". "À medida que passou a ser sustentado pela base subproletariada, Lula obteve uma autonomia bonapartista (sem qualquer conotação militar)", diz o autor, para quem essa adesão "salvou o presidente da morte política a que parecia condenado pela rejeição da classe média." A análise sugere que o tripé Bolsa-Família, aumento real do salário mínimo e a expansão do crédito colaborou com o realinhamento.
  
 

Odeio sim

masterlemos.wordpress.com/

 

Para alguns odiar é pecado,como não acredito na existência do pecado,posso falar,com todo ódio, Odeio sim.O que odeio?Muitas coisas.Mas agora estou com vontade de mostrar a intensidade do meu ódio pelo Lulismo.E quanto aos “paz e amor” que levam consigo a bobagem do “Não guarde ódio no coração” ou “Rancor mata”,recomendo que parem de ler o texto e não voltem;não escrevo para maricotes.Leia Aluísio de Azevedo ou vai assistir “O amor é contagioso”.
Odeio o Lulismo por vários motivos e não sei destacar o principal.É uma mescla,um temperado e cada motivo tem seu recheio peculiar.O Lulismo mostra,antes de tudo,a derrocada dos valores.Nunca a corrupção foi tão esclarecida,tão presente e assustadoramente,tão bem recebida.O polvo no poder também mostra como se faz um Regime de Maioria.A Maioria com seu senso comum,sua ignorância elucidada e doentia,transforma o processo eleitoral numa entrega.O fato de ser aprovado pela maioria não significa estar certo,não é Hitler?não é Mussolini?
O Governo Lula não acredita na existência de um Brasil.Insistem em separar negros e brancos,pobres e ricos,homossexuais e heterossexuais.Os tratam como diferentes,quando na verdade são iguais em direitos e deveres.O Lulismo cria novas espécies,com novos direitos e os segrega,prejudicando a nação e revelando-se inimigo da liberdade.Tudo isso por não propiciar às pessoas,oportunidades de crescimento por si próprio.O Lulismo é o mestre do assistencialismo,e o assistencialismo petista esconde um objetivo sujo que é a compra de votos.O assistencialismo tem o efeito perverso de gerar párias,escória humana,o indivíduo se acomoda em receber e acaba se transformando num eterno filhote de vaca;passará a vida toda mamando,um eterno parasita.A única forma de fazê-lo crescer é cessando o leite.Se nos países desenvolvidos ideologicamente,preza-se pela mínima interferência do estado na vida das pessoas,no Brasil ocorre exatamente o contrário.No Brasil a maioria das pessoas gosta de ser enganado,aqui horário político é obrigatório;o candidato José Serra propôs uma reforma nesse sistema atrasado e foi criticado duramente.Acredito que os brasileiros gostam mesmo é de poetas simbolistas,o presidente Lula é um poeta.Reportagens mostram que este é o presidente que mais fez campanha política,o que mais falou;ele fala mais que o fantoche Dilma,ele é o verdadeiro poeta simbolista.
Se o PT é mestre em assistencialismo,é doutor em esquemas.Doutor é claro,por uma faculdade vulgar.A maioria dos estratagemas são descobertos e frequentemente vemos um petista algemado.Pouco tempo atrás os escândalos da Casa civil foram investigados e apurou-se que a família de Erenice Guerra foi beneficiada,eles dominavam o ambiente de ratos e vendiam licenças por altos valores.O governo dos petralhas é o que mais emprega aspones e esse é um dos motivos para impostos tão altos e um ritmo de crescimento tão baixo,a população paga os altos salários dos ratos do governo federal.Pessoas que nunca fizeram concurso público ocupam vagas que nem deveriam existir,daí ,o alto número de ministérios.O PT precisa empregar seus “manos” que sabem seus segredos mais sujos.Existe ministério para as borboletas do Irã.Falando em Irã,o Lulismo virou-se para o mundo globalizado e abraçou Mahmoud Ahmadinejad.Mahmoud Ahmadinejad é o homem que negou o Holocausto e aprova o apedrejamento de mulheres,esse mesmo homem tem como objetivo riscar Israel do mapa. Na ONU,o Brasil passou vergonha,pois foi a única nação apoiando o Irã e teve que se abster.
Enquanto O Lulismo não é exterminado, continuarei me opondo e odiando,sim.

Por Aldo Lemos

   

 

----

 

Compartir este post
Repost0
31 diciembre 2010 5 31 /12 /diciembre /2010 23:24

 

Vacíos profundos en las leyes de trabajo, explotación de los segmentos de población más vulnerables, falta de ley, informalidad del Estado y corrupción institucionalizada, desigualdad abismal en la distribución de la riqueza y ausencia de un liderazgo político y de gobierno, perfilan el Perú al 2010.

 

A

 

A menos de 100 días de las elecciones 2011,

 sigo creyendo que la agenda del Debate, la debemos poner los peruanos y no los que de alguna forma intentan, otra vez, manipular los temas a su conveniencia, desviando los verdaderos aspectos importantes para el Perú y todos los peruanos

Pero ¿cuáles son los temas importantes para que el peruano exija a sus candidatos que se pongan en Debate?

Empecemos!

1. el “Desequilibrio Social Salvaje”

Esa persistente y muy alta desigualdad en el Perú, que hace que sigamos en el “círculo vicioso difícil de romper”.

¿Cómo podemos acabar con esta situación?

¿Qué políticas del Estado se deben implementar para evitar que la desigualdad se siga transmitiendo de una generación a otra?

¿Por qué el sistema político nunca ha sido eficaz en revertir esta situación?

¿Qué nos diferenciará ahora con este nuevo gobierno?

A pesar de los informes “suaves” que dicen que el desequilibrio social se ha atenuado en el Perú, el “Desequilibrio Social Salvaje”, es el que perdura y se extiende como un virus, a pesar de los buenos indicadores económicos que lo que hacen es promediar y esconder el mal, seguimos sin atacar las verdaderas causas del problema, por la ausencia de políticas e instrumentos que se implementen cambiando de fondo las estructuras que lo permiten y avalan.

Pero:

¿De dónde nace ese “Desequilibrio Social Salvaje”?

¿Dónde está el inicio de este problema denunciado por muchos, pero nunca tratado seriamente en el Perú?

Lamentablemente la clase política que tenemos no ha tenido el valor de enfrentar con políticas serias las verdaderas causas del mismo:

1. Existencia de vacíos profundos en las leyes de trabajo, que están hechas para que algunos tengan derechos y la mayor parte de los trabajadores a los que hoy se denominan “informales”, no estén insertos en esos derechos.

2. La explotación de niños, discapacitados, jóvenes, personas adultas y ancianos, que tienen que aceptar condiciones impuestas por empresarios y políticos, que insertan en el mercado, “ofertas sin derechos”, a miles trabajadores, los que por necesidad tienen que aceptarlas.

3. La Violación de todas las leyes, ausencia de pago de impuestos, leyes y reglamentos no aplicables, jornadas de trabajo hasta que se pueda o se aguante, violación de la propiedad intelectual.

4. La violación a los derechos humanos, derechos del niño y los derechos universales.

Cuando la pobreza se vuelve el factor que hace que el peruano no tenga acceso al desarrollo, cuando la educación es buena sólo para algunos, cuando las posibilidades de educarse son diferentes y segrega, cuando tenemos en el Perú pueblos enteros excluidos del desarrollo, sin derechos iguales a la educación y a la salud, se violan sus derechos humanos y se amplía la brecha que hace crecer la diferencia.

La falta de una educación de calidad, que genere igualdad de oportunidades para todos, que priorice que el educando tenga todas las posibilidades justas y condiciones, para recibir educación en igualdad de condiciones y con las mismas oportunidades.

5. La informalidad del Estado y la corrupción institucionalizada, que no prioriza que los fondos sean bien invertidos en el desarrollo del Perú y la creación de fuentes de trabajo y oportunidades “formales” para la inmensa mayoría. Un Estado Peruano “Capturado”, por intereses que no sirven al Perú ni a los peruanos.

6. La injusticia, de un poder judicial que ya colapsó en su “moral” y en su rol sublime de impartir una justicia imparcial que respete al ser humano y no permita la impunidad. Una justicia, que en el Perú, que no se va a restablecer ni cambiar, con más de lo mismo que se hizo durante años, seguir inventando comisiones reorganizadores y asesorías internacionales con millones de dólares perdidos, que lo único que han hecho es gastarse las oportunidades de hacerlo y la credibilidad en el sistema.

7. La desigualdad en la distribución de la riqueza, que coloca la misma en pocas manos y que promueve una cultura egoísta en el compartir y hace que se mantenga la diferencia como una forma donde hay muchos que no tienen nada y pocos que lo tienen todo.

8. La ausencia de un liderazgo político y de gobierno, que impulse los cambios estructurales en la sociedad, para brindar los mecanismos que permitan la igualdad de oportunidades para todos los peruanos.

Nuestro compromiso es que se abra el debate, hacer que nos escuchen, hacer que la voz de denuncia se oiga en todos los rincones, porque a partir de ahí, las conciencias y las actitudes de la gente cambiarán, el peruano sabrá la verdad, luego será el mismo pueblo, que podrá evaluar y exigir, a los dirigentes del Poder y a los políticos, que se cumpla el reto de cambiar esta situación.

Finalmente ustedes amigos y compatriotas ¿creen sinceramente que alguno de los candidatos actuales, harán algo serio y contundente para cambiar este Desequilibrio?

Retémoslos sin miedo a que empiece el DEBATE, que pongan en la mesa sus propuestas,

Lo que estamos claros, es que ese “Desequilibrio Social Salvaje” no se soluciona con que nos conformemos con unos puntos más en los indicadores o con ser los líderes mundiales en los % del crecimiento, CON ESO YA NO NOS ENGAÑAN MAS!

Por el Perú que amamos, al que queremos para nuestros hijos, Ya es hora!

 

Theodore

 

http://theodoredale.lamula.pe/2010/12/26/%c2%bf-cual-es-la-cadena-que-no-permite/

Compartir este post
Repost0
31 diciembre 2010 5 31 /12 /diciembre /2010 21:10

Política de Alan García es incrementar 30 centavos de dólar el galón de gasolina CADA DOS MESES.

 

ADMINISTRADOR DEL DESTINO DE TODOS LOS PERUANOS, ratifica que "todos los ojos del mundo estan vueltos al modelo económico peruano" ... (¿?) ...

 

 
Gobierno decreta cuarta alza de combustibles

31 de diciembre de 2010 - oil_tank.jpgSe grava con ISC a los combustibles menos contaminantes, con lo cual no se promueve su uso. Resolución de Osinergmin varía otra vez bandas de precios del Fondo de Combustibles

Una vez más el Gobierno golpea los bolsillos de los usuarios, al incrementar por cuarta vez en los últimos seis meses los precios de las gasolinas al variar las bandas del Fondo de Estabilización de los Precios de los Combustibles, señaló el congresista Yonhy Lescano, miembro titular de la Comisión de Defensa del Consumidor del Congreso.

El legislador explicó  que este nuevo atentado contra la economía popular se ha consumado por la Resolución 075-2010-OS/GART de OSINERGMIN publicada en El Peruano que al ajustar cada dos meses las bandas de precios, produce en cada ocasión, un incremento de alrededor de S/. 1.00 por galón en promedio en las gasolinas, y de S/. 0.50 para el balón de 10 kg en el GLP, incremento que ahora podría ser mayor porque el Decreto de Urgencia 083-2010 —publicado en plena Navidad— autoriza a una variación de 7% en los precios finales al consumidor.

 

 



Lescano dijo, de otro lado, que el gobierno no tiene una política impositiva clara en cuanto a los combustibles, porque en el gas de uso doméstico en apenas pocos días ha pasado de gravarlo con ISC (el 24 de diciembre) a eliminar este impuesto el día de hoy, mediante un decreto supremo, mostrando marchas y contramarchas que crean desconcierto en la economía. Lo mismo se observa en el manejo de los combustibles menos contaminantes. Así, no se entiende, por ejemplo, cómo es que el Diesel B5 con un contenido de azufre menor a 50 ppm haya sido gravado con un ISC de S/. 1.21 por galón por el Decreto Supremo 270-2010-EF publicado hoy. La medida adecuada hubiera sido no gravar este combustible más limpio, y más bien aumentarle el ISC al Diesel B5 con contenidos de azufre mayores a 50 ppm. Lo mismo pasa con otros combustibles como el Diesel B2.

Criticó también los cambios a las reglas del Fondo de Combustibles, cuyo efecto será que las alzas de las gasolinas sean mayores. El Decreto de Urgencia 083-2010 publicado el 24 de diciembre autoriza —como se ha dicho— incrementos del 7% en los precios finales al consumidor de las diversas gasolinas en caso los precios de paridad excedan el 15% del límite superior de la banda, o caigan por debajo del límite inferior.


 

“Esto significa en pocas palabras que la respuesta del gobierno al alza internacional del petróleo es cargar el mayor impacto en los bolsillos de los usuarios, y no en el Fondo” dijo Lescano, quien recordó que el incremento autorizado por la norma anterior (el Decreto de Urgencia 027-2010) era de 5%, y ahora es de 7%.



De otro lado, cuestionó que el subsidio de S/. 1 300 millones que el gobierno entregará al Fondo según el mencionado Decreto 083 siga beneficiando a sectores que no necesitan de esta ayuda como los industriales (mineras, cementeras). “El Fondo tiene que ser más selectivo y sólo subsidiar al transporte público, al GLP y a los usuarios finales” acotó. Hizo notar también que es absurdo que se haya achicado el Fondo y al mismo tiempo se le hayan incorporado más combustibles bajo subsidio : el gasohol y el diesel BX con el Decreto Supremo 069-2010-EM, lo que no estaría mal si el Fondo fuera selectivo, y si es que estos biocombustibles no fueran comercializados en el país por un monopolio.

Lescano lamentó la poca transparencia de las nuevas normas operativas del Fondo : El Decreto 069 citado dispone que la autoliquidación que realizan los productores, importadores y exportadores, para la determinación de los saldos netos (las compensaciones a las refinerías por ejemplo) sean de aprobación inmediata y con control posterior. “Con esto, se van a producir muchas irregularidades y exceso” concluyó.
 
 
Compartir este post
Repost0
31 diciembre 2010 5 31 /12 /diciembre /2010 18:02

 

En ambos, prevaleció el chamuyo para engatusar al pueblo; el brasilero demostró tener juego de cintura… el Pepe Mujica no demostró más que caprichos, que no consiguió llevar adelante.

Lula ganó la Presidencia de Brasil después de aliarse con la derecha más recalcitrante, la del Partido Liberal. Ambos nunca han trabajado y son dados a la bebida. Ambos con discurso de izquierda y bien pegados a la derecha, han concesionado irrestrictamente sus países.

Escribe: Enrique Cuadrado

 

El último día del año, tiene cualquier cosa que lo torna diferente, de los anteriores 364 días. En el caso específico de los uruguayos, el 31 es un día dedicado a los tragos con los amigos, al mediodía; y a la mesa con los familiares en la noche. El día siguiente, con el estomago rechinando por los excesos gastronómicos  y la mescolanza de bebidas espirituosas, el uruguayo hace cama y promete, (se promete a si mismo), que la próxima vez va a tomar mas cuidado y tener mas control.

 

El 31 del último mes del año, sirve también para repensar lo que hicimos, y lo que no. Y también lo que hizo el gobierno del presidente Mujica que, a diferencia de la reina de Inglaterra, que reina pero no gobierna; este si gobierna… pero no manda nada. Pero no porque, (como él dice), la oposición y/o los radicales, se lo impiden. Sino por su exclusiva y absoluta incompetencia.

 

126262 298

 

 

 

 

Existe una línea de comportamiento que lo asemeja a la trayectoria del ex presidente Lula. No lo iguala, lo hace parecido. Luis Inácio da Silva, por ejemplo fue por poco tiempo, obrero metalúrgico, hasta que un torno le amputó un dedo y quedó incapacitado para seguir trabajando. Ganó una pensión y viró, líder sindical.

 

Ganó el apodo de Lula. Y años más tarde ganó la Presidencia de Brasil después de aliarse con la derecha más recalcitrante, que era la del PL, (Partido Liberal). Posiblemente una exigencia del embajador norteamericano de turno en Brasil, como es de praxis.

 

 

 

José Mujica Cordano tampoco trabajó mucho en su vida. Lo poco que se conoce, lo hizo en la quinta del Paso de la Arena, pegada a la Escuela nº 150, donde vivía con su madre y su hermana.

 

 

 

Adolescente conflictivo se armó un terrible enredo mental con la multitud de grupos de izquierda filo revolucionarios de su época, y en un momento dado, en que andaba a la deriva, se arrimó a unos compañeros que se identificaban con la línea Mao. Al poco tiempo le dieron salida, porque el tipo no participaba de las discusiones, pero acostumbraba sembrar cizaña en el grupo, hablando con uno y con otro, al oído.

 

 

 

 

Lula como buen pernambucano demostró ser bastante llegado a la caipirinha de caña, en tanto el Pepe eligió como opción al “tintillo”. En ambos, prevaleció el chamuyo para engatusar al pueblo; el brasilero demostró tener juego de cintura…

 

 

                                                       

 

…Mujica no demostró más que caprichos, que no consiguió llevar adelante. Las conclusiones de la empresa de encuestas, difundidas en Subrayado el miércoles 29, muestran la opinión de algunos ciudadanos. Así y todo, marcó 48%, seis meses después de haber marcado 71%. Si a mi me tocara calificarlo por su gestión, diría que fue y es mala y muy mala.

 

A mis ojos, el señor presidente está muy perdido y está entregando el país. Desde su pose, hasta el presente, ha aceptado recibir a la doña Clinton para recibir las últimas recomendaciones del imperio, minutos antes de la proclamación. En las postrimerías del año ha entregado buena parte del territorio a la minera Aratiri, que va a hacer pelota las tierras de Treinta y Tres, Lavalleja, Florida y Rocha, a partir de Valentines, porque la veta del mineral hay que seguirla pa’ donde vaya, y esto debe estar estipulado en el compromiso de la explotación.

Antes ya había estado vinculado como ministro, con la invasión de la soja transgénica que ya bate records de producción y en la exportación. Después, también había mendigado inversiones a los lobos del capitalismo, que llegaron de la mano de BQB sorprendidos por el mensaje presidencial. Ahora nos brinda con la minería a cielo abierto, una de las modalidades más contaminantes en la extracción de minerales.

 

Todavía tenemos el Puerto de aguas profundas en Rocha, que posiblemente lleve a la  pérdida del paraíso de playas y la actividad turística, a cambio del lucro de unos gringos que ni sabemos como se llaman. Seguramente ese puerto que se proyecta servirá en el futuro para anclar algún portaaviones del Comando Sur.

 

Por si fuera poco, ha intervenido y se ha regocijado, con los soldados rompiendo huelgas de trabajadores. Y no sabe todavía, que la parte de la cuerda más delgada y con mayor posibilidad de romperse, es la que tiene entre sus manos. El colaborador que lo secunda y habla de atentado a causa de una medida gremial, es un fascista que no tiene que ver con la izquierda. El otro colaborador que se atreve a amenazar desde su trono, a los trabajadores en huelga con las palabras si hacen eso, son boleta, es otro fascista que nada tiene que ver con la izquierda.

 

Bueno digamos que el señor presidente, tampoco tiene nada que ver. Ni con la izquierda, ni con el antiimperialismo, ni con el anti capitalismo de la misma. Su proyecto y sus caprichos son burgueses. Como el pasado que cuentan. Todo una farsa. ¿Que fue lo que pasó en Paso de los Toros, cuando allá estuvo hospedado? ¿Como se explica el acercamiento con las fuerzas armadas, y esa protección con los viejitos presos en Domingo Arena, después de ser liberado?

Si se trata de un asunto de estado, hay que decírselo a la gente. La gente ya esta mareada con tanto chamuyo y figuración mediática. La oposición empieza a mostrarse descontenta. Lo que no se puede ocultar es el aumento de casi 50 mil pesos, en Octubre para los ministros del gabinete, en cuanto todavía se no se conoce la mejora para los jubilados.

 

Habría que explicar también, los embarques continuados de ganado en pie, (carne vacuna), sin participación de la mano de obra local. El dolor expresado, después del respaldo a  Gonzalo Fernández, viejo militante del fa, cuestionado por sus pares; o la indignación después de saber que la Justicia había solicitado el procesamiento de Nin Novoa,   al  exclamar que la medida era una brutal exageración, Y para no hacerla muy larga, también habría que explicarle a la gente las razones de su acercamiento con Paco Casal, (en la mira de la DGI), propietario del fútbol local, el básquet el ciclismo y las llamadas del Carnaval, un verdadero capitalista del siglo XXI a quien solo le interesa de donde sacar mas dinero, y que por acaso, fue quien le facilitó su intempestivo y veloz viaje a Madrid, a mendigar otro poco de inversión, con el Florentino..

 

En cualquier momento las calles se van a llenar de gente descontenta y ahí va a comenzar la represión, con los nuevos vehículos anti disturbios, las sustancias químicas y la violencia mejorada, en relación a la desatada cuando un hincha de Peñarol, durante los festejos por el campeonato, se subió en la columna de un farol para agitar su bandera. Fue un entrenamiento de Ferreira y sus muchachos, para tomar la temperatura de los manifestantes, que vale destacar, fueron sorprendidos esta vez. El próximo enfrentamiento tal vez, sea diferente.

Es difícil cuando el que manda, (mal asesorado por personas no capacitadas), descubre que nadie le obedece. La multiplicación de conflictos de toda orden se debe a la ilustrada carencia de los ocupantes, de los escalones que llevan al poder, que son  quienes tienen que jugar en la media cancha.

 

Estamos hablando de un presidente que nunca laburó en su vida, y a pesar de ello quiere organizar la vida de los trabajadores. Un hombre  que nunca participó de ninguna actividad gremial, que descalifica y se opone a la militancia de los gremios; a las conclusiones de sus asambleas y moviliza los soldados como único recurso, para imponer su voluntad.

 

Un presidente caprichoso que no quiere perder ninguna, (a pesar de haber fracasado en todos sus proyectos de vida, desde antes de inmiscuirse en las acciones de los tupas), y las ha perdido todas.

 

¡Chau año viejo!

 

 

 

                 

                                                         Acá, el historial de la corrupção en el LULISMO.

Compartir este post
Repost0
29 diciembre 2010 3 29 /12 /diciembre /2010 17:12

La hiperconcentración de riqueza en lo alto no inmuta a Barack Obama.

 

The tax cut pact the Obama administration announced, has angered a good many Americans. But the pact’s lavish generosity toward America’s rich should not have given anyone a surprise.

 

El paradigma de que una guerra contra la pobreza significaba “tomar los impuestos de aquellos que tenían dinero”, rechazado por los  líderes republicanos de EEUU, ahora es también rechazado por el “demócrata” Obama, resultando ser que el progreso social y económico ya no requiere de impuestos altos a los ricos, que el “tamaño de la tarta puede ser incrementado por invención, organización, inversión de capital, y política fiscal”: “la marea creciente levanta todos los barcos”. 

 

Se avecina una gran batalla sobre la actitud del Partido Demócrata hacia las grandes concentraciones de riqueza. ¿Continuarán los demócratas en el poder, haciéndoles guiños a los ricos que han destrozado la economía? O ¿tratarán de impedir su amasamiento de riqueza?

 

 

La historia oculta del acuerdo de impuestos de Obama

Sam Pizzigati · · · · ·25/12/10
 
 
 



El pacto de recorte de impuestos, de recorte fiscal, del gobierno de Obama, anunciado a principios de diciembre de 2010, a mortificado a muchos estadounidenses. Pero la pródiga generosidad hacia los estadounidenses ricos, no debe sorprender a nadie.

 

 

Mucha de la cháchara sobre el pacto de recorte fiscal que la Casa Blanca ha acordado con los republicanos del Congreso, ha girado entorno a las implicaciones a corto plazo del pacto, los dólares que extendiendo los recortes de impuestos de Bush dos años más–y declarando un año de “fiesta” fiscal a los impuestos para la Seguridad Social –irán a los bolsillos de EEUU.

Son en promedio–unos 77.000 $, de media, para cada norteamericano perteneciente al 1% más rico, y poco menos de 400 $ para los contribuyentes estadounidenses pertenecientes al 20% más pobre.

Pero el impacto más significativo del pacto, como señala el economista Paul Krugman, será casi seguro a largo plazo. Nos enfrentamos a “la creciente probabilidad de que los bajos impuestos para los ricos se hagan permanentes, dañando las políticas públicas durante las décadas venideras”.

Y con la creciente probabilidad, de que hayamos entrado en lo que el cofundador de Wealth for the Common Good, Chuck Collins, ha calificado como “espiral mortal hacia la plutocracia”. A mayor riqueza concentrada, más ricos utilizan esa riqueza –y poder– para reescribir nuestras reglas económicas y concentrar más, si cabe, los privilegios.

 

 

La Casa Blanca, en cambio, considera que no hay ningún peligro en la extensión de los recortes fiscales de Bush a los más ricos de los EEUU. Aparentemente, el presidente Obama calificó de “puristas” a aquellos que atacan su decisión de extender el recorte impositivo a los ricos.

 “Los estadounidenses”, se pronunciaba el presidente, “no me han elegido para librar batallas simbólicas o para ganar simbólicas victorias”.

Unos 60 años atrás, un presidente demócrata, predecesor de Obama, tomó exactamente la dirección opuesta. Aquel presidente, Harry Truman, se enfrentaba a una situación no muy diferente al embrollo al que se enfrenta hoy el presidente Obama.

 

Los victoriosos republicanos, tras las elecciones de 1946, demandaron recortes impositivos transversales que hubieran beneficiado principalmente a los más ricos. Truman rechazó seguir esa línea y vetó todos los recortes impositivos que le enviaban los legisladores republicanos. Los republicanos finalmente hicieron caso omiso de aquellos vetos. Pero Truman les hizo pagar.

 Truman repetía aquel año en su campaña por la reelección, “Los republicanos ayudan a los ricos y clavan un cuchillo en la espalda del pobre”.

 

Truman llegaría a un sorprendente grado de enfado. Su firme oposición a los recortes a los ricos le granjeó la confianza de la gente. Aquella gente y Truman, tras décadas de penuria económica, llegaron a compartir la misma perspectiva: Vastas concentraciones de riqueza privada ponen en peligro el bienestar de la nación.

Uno de los expertos más reverenciados de EEUU, el columnista Walter Lippmann, reflexionó sobre esta perspectiva en mayo del 37, después de la muerte de John D. Rockefeller. La nación, destacaba Lippman, nunca volvería probablemente a ver una fortuna tan grande como la de Rockefeller. El anciano Rockefeller, de 97 años, había vivido lo suficiente para ver los métodos por los cuales se puede acumular una fortuna reprobada por la opinión pública, prohibida por ley, y atajada por las leyes fiscales”.

En los EEUU, añadiría Lippman, “el sentir general se ha puesto por completo en contra de la excesiva acumulación privada de  riqueza”.

 

Truman comprendió esa realidad política. Él nunca hubiera extendido el acuerdo que anunció la Casa Blanca a principios de diciembre, nunca hubiera dicho que la lucha por controlar a los ricos es algo “meramente simbólico”. Eso hubiera sido impensable. 

 

Y eso plantea una interesante cuestión. ¿Cuándo un trato como el pacto de recorte impositivo de principios de diciembre de 2010, devino “pensable” para un presidente proveniente del Partido Demócrata? Irónicamente ese salto radical hacia lo “pensable” tiene sus raíces en los años de Truman.

Como Presidente, después de la Segunda Guerra Mundial, Truman se mantuvo sólido frente a la derecha en sus impuestos a los ricos. Pero en otros frentes, intentó suplantarla. Sus movimientos en esa dirección, empezando con la introducción de “juramentos de lealtad”, establecieron la base para la histeria del McCarthysmo que explota en 1950. 

 

La resultante “amenaza roja” enfrió el discurso político en EEUU. Los principales creadores de opinión  comenzaron a mantenerse alejados de cualquier postura que tuviera que ver con la lucha de clases. Pararon de hablar de los ricos. La acumulación y los ricos, opinaban, devinieron en una vieja historia. La lucha de clases en EEUU había acabado. “Para progresar”, la nación necesitaba simplemente concentrarse en el “crecimiento” de la economía.

Para los principales políticos liberales, este énfasis en el “crecimiento” de la economía tuvo un gran atractivo. El crecimiento ofrecía una salida fácil al marco de la Guerra Fría. Cantando el mantra del crecimiento, podían hablar sobre progreso sin necesidad de tocar el tema de la desigualdad –y sin arriesgarse a ser tachados de izquierdistas o algo incluso peor.

Concediendo el estrellato al “crecimiento”, esos políticos podían aguantar las molestias de la Guerra Fría, como un historiador de la Universidad de Missouri señaló, “evadiendo las decisiones difíciles sobre la distribución de la riqueza y el poder en EEUU”.  

 

Al comienzo de los 60s, el presidente John F. Kennedy iría más allá en su preocupación por el crecimiento alejándose del ethos igualitario del New Deal. Altos impuestos a los ricos, proclamaba Kennedy, inhiben el crecimiento. Una economía “obstaculizada por impuestos restrictivos”, argumentaba Kennedy, “nunca producirá suficientes trabajos”.

La administración Kennedy envió al Congresos una propuesta para reducir los impuestos de EEUU en todos los ámbitos. La tasa impositiva máxima sobre los ingresos altos, que entonces afectaba al 91% sobre los 400.000 dólares, se reduciría al 65% bajo el plan de Kennedy. 

El Congreso aprobó finalmente la mayor parte de lo que Kennedy buscaba. En 1964, el año después de su muerte, su sucesor Lyndon Johnson firmó una ley que hacia caer los impuestos, de afectar con un máximo del 91%  a  afectar con un máximo del 70%.

 

Johnson no evidenció más interés en reducir impuestos. Johnson, a diferencia de Kennedy, había crecido políticamente en el Washington del New Deal. Tenía grandes sueños, de una “Gran Sociedad”, una “Guerra contra la pobreza”. Pero estos ecos del New Deal estaban reverberando ahora en un contexto político diferente.  

“Una generación antes”, un ya viejo Walter Lippman apuntaba en 1964, “se hubiera considerado como asumido que una guerra contra la pobreza significaba tomar los impuestos de aquellos que tenían dinero”. Pero los actuales líderes de EEUU han rechazado esa idea. Creían, observaba Lippman, que el progreso social y económico ya no requería de impuestos altos a los ricos, que el “tamaño de la tarta puede ser incrementado por invención, organización, inversión de capital, y política fiscal”. 

O, como el presidente Kennedy afirmó célebremente, “la marea creciente levanta todos los barcos”. 

Una generación política después, en 1981, el presidente Ronald Reagan seguiría el guión de Kennedy. Las tasas impositivas a las rentas más altas cayeron al 28% bajo Reagan, y Bill Clinton heredó finalmente, en 1993, una tasa del 31 %.

 

Como presidente, Clinton casi inmediatamente subió esa tasa mayor al 39’6%. Pero él nunca argumentó este incremento como un tipo de movimiento para reducir el tamaño de las grandes fortunas hacia una medida democrática. En su lugar hablaba de reducir el déficit. Las grandes fortunas nunca preocuparon a Clinton. 

“No somos gente que objete a nadie tener éxito”, declaraba.                             

Esta actitud sería la tendencia ideológica dominante en los círculos del Partido Demócrata a lo largo de los años de Bush. De alguna manera, el deseo del presidente Obama de extender los recortes de impuestos a los ricos, sin luchar, simplemente refleja estas décadas de vieja indiferencia entre los demócratas sobre la concentración de la riqueza.

 

Pero el paisaje político, en medio la Gran Recesión en EEUU, ha cambiado. Los peligros que como sociedad gatillamos, cuando apartamos la mirada de la persecución de las grandes fortunas se mantienen más vívidamente que en cualquier otro momento desde la Gran Depresión.

Respetados y reputados expertos y políticos en plataformas de opinión –premios Nobel como Joseph Stiglitz, ex altos cargos como Robert Reich– han estado vinculando estrechamente nuestros tiempos difíciles con lo que el politólogo de Yale Jacob Hacker llama “nuestra hiperconcentración en lo alto”.

A principios de diciembre, desafiando al recorte impositivo de la Casa Blanca, significativos cuadros y representantes del Partido Demócrata señalaron que ellos también están preocupándose ahora por la hiperconcentración.

 

De alguna manera, la desesperadamente necesaria batalla –sobre la actitud del Partido Demócrata hacia las grandes concentraciones de riqueza privada– por fin se ha dado. ¿Continuarán los demócratas en el poder, haciéndoles guiños a los ricos que han destrozado la economía? O ¿tratarán de impedir su amasamiento de riqueza?

 

Esto dependerá en gran medida de cómo se juegue esta nueva batalla.

Sam Pizzigati edita Too Much, el boletín semanal online sobre exceso y desigualdad, publicado por el Institute for Policy Studies con sede en Washington D.C.

 

Traducción para www.sinpermiso.info: Txomin Martino

 

                             Barack Obama a terminado favoreciendo, impositivamente,  a los ricos.

———————————————————————————-

Taxing Progressively

The History Behind the White House Tax Deal

December 11, 2010
The tax cut pact the Obama administration announced last week has angered a good many Americans. But the pact’s lavish generosity toward America’s rich should not have given anyone a surprise.

By Sam Pizzigati

 

Most of the chatter on the tax cut deal the White House has bargained out with GOP leaders in Congress has revolved around the deal’s short-term implications, the dollars that extending all the Bush tax cuts for two years — and declaring a one-year Social Security tax “holiday” — will move into America’s pockets.

Those dollars — about $77,000, on average, for every 2011 taxpayer in America’s richest 1 percent and just under $400 for average taxpayers in the bottom 20 percent — certainly do make for lively reading.

 

But the deal’s most significant impact, as economist Paul Krugman points out, will almost surely be long-term. We now face “the increased likelihood that low taxes for the rich will be made permanent, crippling policy for decades to come.”

And with this increased likelihood, we may have entered what Wealth for the Common Good co-founder Chuck Collins has just dubbed a “death spiral to plutocracy”: The more wealth concentrates, the more the rich use that wealth — and power — to rewrite our economic rules and concentrate privilege even more.

The White House, by contrast, sees no great danger at all in the extension of the Bush tax cuts to America’s richest. In appearances last week, the President dismissed as “purists” those attacking his willingness to make that extension.

“The American people,” the President pronounced, “didn’t send us here to wage symbolic battles or win symbolic victories.”

 

 

Tax deal benefits

 

Over 60 years ago, a Democratic Party predecessor to President Obama took exactly the opposite tack. That President, Harry Truman, faced a situation not all that different from the imbroglio that confronts President Obama today.

Victorious Republicans, after the 1946 elections, were demanding across-the-board tax cuts that would mostly benefit the nation’s rich. Truman refused to go along and vetoed the tax cuts GOP lawmakers sent him. In 1948, Republicans finally overrode one of those vetoes. But Truman made them pay.

The GOP, Truman would repeatedly charge later that year in his campaign for re-election, “helps the rich and sticks a knife in the back of the poor.”

 

Truman would go on to score a stunning upset. His consistent opposition to tax cuts for the wealthy had earned him the public trust. That public and Truman, after decades of economic distress, had come to share the same perspective: Vast concentrations of private wealth endanger the national well-being.

America’s most revered political pundit, columnist Walter Lippmann, had reflected on that perspective back in May 1937, after the death of John D. Rockefeller.

The nation, Lippmann noted, would likely never see a fortune as grand as Rockefeller’s ever again. The 97-year-old John D. had “lived long enough to see the methods by which such a fortune can be accumulated outlawed by public opinion, forbidden by statute, and prevented by the tax laws.”

In the United States, Lippmann would add, “sentiment has turned wholly against the private accumulation of so much wealth.”

 

 

Truman understood that political reality. He would have never cut the deal that the White House announced last week — or dismissed the struggle to rein in the rich as something merely “symbolic.” That would have been unthinkable.

And that raises an interesting question. Just when did a deal like last week’s tax cut pact become “thinkable” for a Democratic Party President to make? Ironically, that political sea change in “thinkability” has its roots in the Truman years.

As President, after World War II, Truman did eagerly stand up to right-wingers on taxing the rich. But on other fronts, he tried to steal the right wing’s thunder. His moves in that direction, starting with the introduction of “loyalty oaths” in 1947, would set the stage for the hysteria of “McCarthyism” that exploded out in 1950.

The resulting “Red Scare” cast a deep chill over America’s political discourse. Mainstream opinion makers began steering clear of any stance that smacked of “class conflict.” They stopped talking about the rich. Robber Barons, they opined, had become ancient history. America’s class struggles had ended. To move forward, the nation needed simply to concentrate on “growing” the economy.

 

For mainstream liberal politicians, this emphasis on “growing” the economy had enormous appeal. Growth offered an easy way out of their Cold War box. By chanting the “growth” mantra, they could talk about progress without having to talk about inequality — and risk getting labeled a parlor pink or worse.

By granting “growth” star billing, these politicos could ride out the Cold War unpleasantness, as one University of Missouri historian has noted, “evading tough decisions about the distribution of wealth and power in America.”

In the early 1960s, President John F. Kennedy would take this preoccupation with growth another step further from the New Deal’s egalitarian ethos. High taxes on the rich, Kennedy proclaimed, inhibited growth. An economy “hampered by restrictive tax rates,” he argued, “will never produce enough jobs.”

 

The Kennedy administration would send Congress a proposal to cut America’s income taxes across the board. The top rate on high incomes, then 91 percent on income over $400,000, would drop to 65 percent under the Kennedy plan.

Congress would eventually approve most of what Kennedy sought. In 1964, the year after his death, his successor Lyndon Johnson would sign into law legislation that dropped the nation’s top tax rate from 91 to 70 percent.

Johnson would evince no further interest in cutting tax rates. LBJ, unlike Kennedy, had cut his political eyeteeth in New Deal Washington. He had grander dreams, a “Great Society,” a “war on poverty.” But these echoes of the New Deal were now reverberating in a fundamentally different political context.

“A generation ago,” an aging Walter Lippmann would note in 1964, “it would have been taken for granted that a war on poverty meant taxing money away from the haves.” But America’s current elected leaders had rejected that idea. They believed, Lippmann observed, that social and economic progress no longer required high taxes on wealthy people, that the “size of the pie can be increased by invention, organization, capital investment, and fiscal policy.”

Or, as President Kennedy had famously put it, “A rising tide lifts all boats.”

 

A political generation later, in 1981, President Ronald Reagan would follow the Kennedy script. Top tax rates, under Reagan, would fall to 28 percent, and Bill Clinton would eventually inherit, in 1993, a 31 percent top rate.

As President, Clinton would almost immediately get that top rate jacked up to 39.6 percent. But he never positioned that increase as any sort of move to trim the wealthy down to a more democratic size. He spoke instead about deficit reduction. Grand fortune would never trouble Clinton.

“We are not a people who object to others being successful,” he would note.

That attitude would remain the dominant ideological strain in Democratic Party circles throughout the George W. Bush years. In a sense, President Obama’s willingness to extend tax cuts to the wealthy, without a fight, merely reflects this decades-old indifference, among top Democrats, to wealth’s concentration.

 

But the political landscape, amid our Great Recession, has changed. The dangers we as a society invite when we turn a blind eye to the wild chase after grand fortune now stand out more vividly than at any time since the Great Depression.

Reputable and respected pundits and policy makers with mainstream platforms — Nobel laureates like Joseph Stiglitz, former top officials like Robert Reich — have been rigorously linking our current hard times to what Yale political scientist Jacob Hacker calls our “economic hyperconcentration at the top.”

Last week, by challenging the White House tax cut deal, significant numbers of Democratic Party lawmakers served notice that they’re now worrying about that hyperconcentration, too.

 

In a sense, a desperately needed battle — over the Democratic Party’s attitude toward grand concentrations of private wealth — has at long last been joined. Will Democrats in positions of power continue to wink at the wealthy who have wrecked the economy — or dare to curb their wealth amassing?

That will depend, in large part, on how this new battle plays out.

Sam Pizzigati edits Too Much, the online weekly on excess and inequality published by the Washington, D.C.-based Institute for Policy Studies. Read the current issue or sign up to receive Too Much in your email inbox.

 

 

Etiquetas:

Compartir este post
Repost0
29 diciembre 2010 3 29 /12 /diciembre /2010 01:12

"para abrir una ventana sobre el México actual y la fuerte represión y agresión que el Gobierno en sus tres niveles ejerce en contra del activismo político extra partidario y de la construcción de las varias formas de autonomía..."

 

 

De SALUD PARA LA RESISTENCIA
pornuestrosmuertos@yahoo.com.mx
26 de diciembre de 2010


Caminando...
Es un agenda en formato semanal que nace como instrumento solidario en apoyo al sistema autónomo de salud (construcción de una clínica y farmacia) del Caracol 1 "La Realidad", Zona Selva Fronteriza, Chiapas, México.

Caminando...
Además que una agenda, incluye cuentos de Eduardo Galeano, testimonios de pres@s politic@s de "la otra campaña" (Gulliermo Selvas y su hija Mariana - Atenco 2006 - y Sara Lopez Gonzales - Campeche 2009), artículos, cartas ( Hermann Bellinghausen ) y todo lo necesario para abrir una ventana sobre el México actual y la fuerte represión y agresión que el Gobierno en sus tres niveles ejerce en contra del activismo político extra partidario y de la construcción de las varias formas de autonomía.

Caminando...
Quiere representar, con su impostación gráfica y dibujos, la armonía de la vida comunitaria y la construcción de un mundo más justo, incluyente, digno, respetuoso de la diversidad y biodiversidad, adonde los derechos humanos son una inalienable garantía y en donde todo es para todos.

Gráfica Independiente Solidaria

Los recursos obtenidos de la agenda "Caminando..." se utilizarán para la construcción de una clínica y farmacia en el Caracol de La Realidad.

 

Esta agenda se puede ver en los siguientes links:

http://www.europazapatista.org/Ha-nacido-la-Agenda-2011-Caminando.html

http://www.cgtchiapas.org/noticias/agenda-2011-caminando

https://docs.google.com/fileview?id=0B0ADma15n6LIOTAxODM5ZDgtYzZkZi00NGMwLWE1ZDAtYTY4MDlhYjU2OTA1&hl=es

 

Y se puede adquirir (entre otros) en los siguiente lugares:

 

Zona Autónoma Maknovtchina
La Z.A.M. se encuentra en Avenida Xola no. 181-A, a 2 calles del metro Xola de la linea 2 y a una calle del metrobús Xola, Col. Alamos, Ciudad de México.Contacto: zam@riseup.net

 

Espacio Social y Cultural la Karakola
Plaza Villa Madrid 7, Glorieta de Cibeles. Col. Roma, Mexico. Planeta Tierra Cerca del Metro Insurgentes y del Metrobús Durango.
Contacto: karakolaglobal@yahoo.com

 

Cafetería Comandanta Ramona y Rincón Zapatista Zapotecos 7bis Col. Obrera. Cerca de los metros Isabel la Católica y Doctores.
(reinician actividades el 3 de enero de 2011)

 

Informes:
Proyecto de Salud para la Resistencia
pornuestrosmuertos@yahoo.com.mx

Para pedidos en México: indiomex@libero.it

Para pedidos en Italia: usis@libero.it e indiomex@libero.it

Para pedidos en el Estado Español: antonio@europazapatista.org

 

Red Latina Sin Fronteras

 

Mujeres Zapatistas por cipo_van.

 

MANUAL DE SALUD SEXUAL Y REPRODUCTIVA PARA PUEBLOS, COMUNIDADES Y GRUPOS INDÍGENAS  EN RESISTENCIA
CONTRA EL MAL GOBIERNO



* Este instrumento integral para la capacitación de promotoras de salud indígenas
se inscribe en La Otra Campaña del EZLN

Jaime Montejo/Noti-calle, México D. F., 20 de diciembre de 2006.-

 

La organización civil Brigada Callejera de Apoyo a la Mujer Elisa Martínez A. C., presenta La Otra Campaña de salud sexual y reproductiva para la resistencia indígena y campesina en México, un libro con el cual continuará con el esfuerzo de capacitación de promotoras de salud indígenas, así como con las acciones de atención primaria, como la detección oportuna de cáncer cervico uterino a través de la aplicación del papanicolaou y la colposcopía, las acciones de prevención y detección de infecciones de transmisión sexual como el VIH/SIDA. La publicación está prologada por el Sub-comandante Insurgentes Marcos y cuenta con un prefacio del sexólogo Oscar Chávez Lanz.

 

Este libro de texto es el fruto de tres años de trabajo comunitario en las micro clínicas indígenas zapatistas del norte de Chiapas y su contenido está dirigido a pueblos, comunidades y colectivos indígenas que son bases zapatistas o adherentes de la Otra Campaña convocada por el EZLN o que simpatizan con dicha iniciativa política.

 

El eje rector del manual de salud sexual y reproductiva son la Ley Revolucionaria Indígena de las Mujeres del EZLN, elaborada por la Comandanta Ramona y la Comandanta Ester y por los valores de la cultura indígena zapatista. Esto quiere indicar que los usos y costumbres indígenas no tienen más límite que el establecido por dicha ley en lo que respecta a la relación de los hombres con las mujeres y niñas. Como dijera una promotora de salud, el manual busca que la tradición sea el respeto de las mujeres y niñas.

 

La Otra Campaña de salud sexual y reproductiva para la resistencia indígena y campesina en México se inscribe en el marco de la Otra Campaña convocada por el EZLN a través de la Sexta Declaración de la Selva Lacandona y tiene por objeto promover y fortalecer la autonomía de los pueblos indígenas en materia de atención primaria a la salud sexual y reproductiva, frente a la práctica recurrente del gobierno de colocar dispositivos intrauterinos (DIUs) o realizar salpingos contra la voluntad de mujeres que asisten a los centros de salud y hospitales a ser auxiliadas en sus partos, así como utilizar a sus programas gubernamentales como el PROGRESA para obligar a mujeres indígenas y campesinas a controlar sus nacimientos, a cambio del apoyo.

Esta situación ha sido visto como una estrategia contrainsurgente por parte de muchos compañeros y compañeras zapatistas que ven con cierto recelo el tema, en la medida en que los métodos anticonceptivos son utilizados como una estrategia de colonización extranjera que permite condiciones sociales apropiadas para la inversión de capital sin un número creciente de indígenas pobres que puedan provocar estallidos sociales.

La oposición a utilizar la planificación familiar como un instrumento de control social por parte del mal gobierno es un acto político de resistencia civil ante la larga cadena de injusticias ancestrales contra los pueblos indios de América Latina.

Por otro lado nos encontramos con la actitud de líderes religiosos que prohíben el uso de métodos anticonceptivos y difunden información falsa y tendenciosa para evitar su uso entre sus seguidores. Estos personajes carecen de la autoridad técnica y científica que respalde sus comentarios, y desinforman a quienes puedan estar interesados en decidir libremente cuántos hijos-as tener y en qué momento hacerlo.

Así mismo, es necesario superar la vieja postura de muchos grupos armados latinoamericanos de extracción indígena y campesina que todavía hoy reivindican el lema A parir madres latinas, guerrilleros. Esto dificulta la promoción del derecho de las mujeres a decidir cuántos hijos tener, en qué momento y cómo espaciar los nacimientos.

 

Entre estas tres tendencias, como son el esquema gubernamental de planificación familiar represiva, la prohibición religiosa de la anticoncepción y la postura guerrillerista de poblar la tierra con cada hijo guerrillero, se encuentra el trabajo de las promotoras de salud reproductiva de los Municipios Autónomos Rebeldes Zapatistas y este manual que presentamos a ustedes.

 

POR UNA SALUD REPRODUCTIVA EN MANOS DE LAS MUJERES

 

Finalmente, consideramos en Brigada Callejera que quien controla los servicios de salud de un pueblo, controla su vida y su muerte y el pueblo aparece sólo con la función de espectador. Por lo anterior, quien controla la salud sexual y reproductiva de las mujeres, en este caso indígenas y campesinas, ejerce un dominio sobre su sexualidad, sobre los nacimientos y decesos de los pueblos originarios, en otras palabras sobre su futuro.

La Otra Campaña de salud sexual y reproductiva para la resistencia indígena y campesina en México, busca promover la formación de espacios autónomos de salud y fortalecer los ya existentes para que los pueblos indios en resistencia contra el mal gobierno no dependan de las acciones del gobierno federal, estatal y municipal en materia de salud sexual y reproductiva.

Pretendemos que las mujeres indígenas capacitadas como promotoras de salud reproductiva, recuperen el poder sobre su salud, su cuerpo y su entorno y regresen el dominio de la salud sexual a su propia comunidad. Ese, es un acto de resistencia y dignidad frente a la privatización de la salud pública y el desprecio de que son objeto.

 

El manual incluye la pintura Por los caminos del Sur de Jacobo Silva, así como la pintura Aborto de Gloria Arenas, entre otros trabajos de estos compañeros presos políticos del ERPI y actualmente adherentes de la Otra Campaña. También incluye el dibujo Aún torturadas y encarceladas seguimos latiendo... combativamente de Norma Osorio Jiménez, presa política detenida en Atenco el 4 de mayo y unos versos de América del Valle a la APPO.

Así mismo incluye los testimonios de Magdalena García Durán, indígena mazahua, Gabriela Téllez Vanegas, vecina de Atenco y Edith Rosales, trabajadora de la salud del IMSS sobre la violencia física y sexual que vivieron las mujeres en las detenciones del 3 y 4 de mayo en Atenco. El libro recoge el reconocimiento que el Sector Salud del D. F. de la Otra Campaña hace al Doctor Guillermo Selvas y su hija; así como un extracto de la posición del área de mujeres CIPO RFM, también adherentes de la otra campaña, ante la Cumbre de Mujeres Indígenas de las Américas.

Por su parte, Brigada Callejera dedica el libro, a los zapatistas caídos en combate el 1 de enero de 1994, a Alexis Benhumea y a la Comandanta Ramona, que con su ejemplo iluminan el camino de la resistencia de la Otra Campaña.

Mayores informes en la Calle Corregidora 115, Despacho 204, Col.
Centro, Delegación Venustiano Carranza, D. F. Teléfonos: 55427835,
55424096 y 04455 22120422.

Portales de internet:
www.brigadacallejera.org,

www.elencantodelcondon.com

Correos electrónicos:

noti-calle@brigadacallejera.org, brigadaac@laneta.apc.org

 

 

DSC03240 por Vientos de abajo.

</!-->
Compartir este post
Repost0
28 diciembre 2010 2 28 /12 /diciembre /2010 22:33

José Arbex: Está pavimentado um novo desastre histórico no Brasil

“Dejo el semanario “Brasil de Fato” porque  para mí ha muerto un periódico y ha nacido un panfleto perfectamente subordinado al LULISMO”

“A situação agora é qualitativamente nova. O jornal Brasil de Fato transformou-se num planfletão lulista, e isso marca – na minha opinião, obviamente – reflexo de um processo de desmantelamento histórico do MST e de ruptura de uma boa parte da esquerda com sua própria história e princípios éticos”.

 

José Arbex deja el concejo editorial del semanario “Brasil de Fato”  

Periodista critica el apoyo de “Brasil de Fato”  a la candidatura de Dilma, haciendo caso omiso de otras posiciones, como el voto nulo. Lea a continuación la carta de ruptura:

 

• Carta al consejo editorial de Brasil de Fato

 Acabo de leer la versión de la edición virtual especial sobre las elecciones.

 Tengo dos comentarios y algunas consideraciones:

 

 1. Técnicamente, el periódico alcanzó su pico. La presentación es técnicamente perfecta, hermosa, cómoda y asequible.

 

 2. Políticamente, el periódico semanal también alcanzó su máximo en el sentido de haber llegado a un límite: ya no es una publicación informativa periódica, sino un panfleto especial sobre las elecciones. Para mí significa la muerte del periódico y el nacimiento oficial de un medio de comunicación técnicamente perfecto, pero políticamente subordinado al LULISMO

 Sin entrar en el mérito de las posiciones, es un hecho conocido que diversos sectores de la izquierda no apoyan la candidatura de Dilma Rousseff, a pesar de ser contrarios a la candidatura de Serra.

Plinio de Arruda Sampaio, por ejemplo, ha lanzado un manifiesto proponiendo el voto nulo.

Yo mismo me he expresado contrario al apoyo a Dilma, aunque no he defendido el voto nulo.

La posición de los compañeros de Refundação Comunista favorece votar por Dilma, pero con todos los “peros” “tal vez” y “quizás” que han desaparecido de la edición especial de “Brasil de Fato”: el lema de la Refundação, si no me equivoco, es “derrotar a Serra en las urnas y derrotar a Dilma en las calles”, que está lejos de convertir a Dilma en un icono de la redención nacional (cosa que hace la edición especial de “Brasil de Fato” , en la práctica, sin el menor pudor).

 

 El periódico Brasil de Fato, obviamente, sólo consideran digna de publicación, en el especial de elecciones, la posición que apoya explícitamente la candidatura de Dilma. El periódico Brasil de Fato, de este modo, práctica la misma operación que Altamiro Borges critica correctamente en la edición especial por elecciones: Brasil de Fato se convierte en una plataforma de apalancamiento de Dilma, de la misma forma como “los grandes medios de comunicación” apalancan y promueven a Serra. Peor aún, considerar legítima y digna la publicación de una sola posición, descartando las otras posiciones que existen en el Consejo Editorial, el periódico publica, en una edición de 2 millones de ejemplares, que hay unanimidad en el consejo editorial: trátase de una práctica sórdida y bien conocida, consagrada en la época en que Josef (Stalin) lideraba el régimen de terror en la URSS

Ante esto, mi posición en el consejo de redacción se hace insostenible. Sé que algo similar ocurrió en 2006, pero volví a unirme a “Brasil de Fato”  en aquella época, por considerar que el Movimiento de los Sin Tierra (MST) era mucho más grande, mucho más importante, mucho más vital que cualquier diferencia.

 

Ahora la situación es cualitativamente nueva. “Brasil de Fato” se transformó en UN PANFLETO LULISTA, y ello marca mi actual opinión, obviamente reflejo de un proceso histórico de DESMANTELAMIENTO del MST y una ruptura de gran parte de la izquierda con su propia historia y con sus propios principios éticos.

Trátase de una estampida tan grande e inmunda, que permite, entre otras cosas, que los líderes de la “izquierda”, sin rubor declaren su apoyo a la agroindustria, una alianza con los neocompanheiros José Sarney y Michel Temer y un contubernio cómplice y connivente para ocultar maniobras sórdidas en los corredores de palacio.

 Ya abordé este tema, varias veces, en reuniones del Consejo de Redacción y nunca fui tomado suficientemente en serio. El MST, que fue – siempre en mi opinión – el último bastión de resistencia a la gran cooptación oficial, está claramente siendo aplastado por la maquinaria del TERRORISMO DE ESTADO brasileño, ahora gestionado por el LULISMO. Y todo en nombre del “combate a la derecha”!!!

 

La frase “Dilma no es el gobierno de nuestros sueños, pero Serra es el gobierno de nuestras pesadillas”, que consagra la posición editorial tomada por el diario, puede ser un buen recurso de marketing, un gran recurso de oratoria, una bella salida para escapar de un dilema político. Pero si el criterio fue una buena oratoria, que se convoque estando Carlos Lacerda. Él tiene grandes lecciones que dar en ese campo.

 No voy a ser cómplice de eso. De la misma manera – y aunque esta lista no es el lugar para este debate – coloco en tela de juicio la legitimidad de mi permanencia al frente de la Asociación de Amigos de la Escuela Nacional Florestan Fernandes (Associação dos Amigos da Escola Nacional Florestan Fernandes) y por tanto envío esta carta, con copia a la directora de la AAENFF, a quien conmino a que la remita al conjunto de sus asociados. También me dirijo a algunas otras listas, para que se remarque públicamente mi ruptura con este trágico entuerto.

 

eleições Brasil voto nulo

Ficheiro:Urna eletrônica.jpeg

 

 

 

marcosopensador.blogspot.com/2010_09_01_archi…

 SOBRE AS ELEIÇÕES NO BRASIL – Aos vencedores, as batatas

José Arbex deixa conselho editorial do Jornal Brasil de Fato

Jornalista critica apoio do jornal para a candidatura Dilma, ignorando outras posições, como a do voto nulo. Leia abaixo a carta de ruptura

 

-

 

 

Carta ao Conselho Editorial do Brasil de Fato

 

Acabo de ler a versão virtual da tiragem especial sobre eleições.

Tenho dois comentários e algumas considerações:

 

1. Tecnicamente, o jornal atingiu o auge. A apresentação está tecnicamente perfeita, bonita, agradável, acessível.

 

2. Politicamente, o jornal também atingiu o auge, no sentido de ter chegado a um limite: não se trata mais de um jornal, mas sim de um panfleto especial sobre as eleições. Para mim, isso significa a morte do jornal Brasil de Fato e o nascimento oficial de mais um órgão chapa branca. Um órgão tecnicamente perfeito, mas politicamente subordinado ao lulismo.

Sem entrar no mérito das posições, é conhecido o fato de que vários setores da esquerda não apoiam a candidatura Dilma, embora sejam contrários à candidatura Serra. Plínio de Arruda Sampaio, por exemplo, acaba de lançar um manifesto propondo o voto nulo. Eu mesmo me manifestei contrário ao apoio a Dilma, embora não tenha defendido o voto nulo. E a posição dos companheiros da Refundação Comunista é favorável ao voto em Dilma, mas com todos os “mas”, “senões” e “talvez” que desaparecem da edição especial: o lema da Refundação, se não estou enganado, é: “derrotar Serra nas urnas e a Dilma nas ruas”, o que está longe de transformar Dilma em ícone da redenção nacional (coisa que a edição especial faz, na pratica, sem o menor pudor).

 

O jornal Brasil de Fato, obviamente, só considera digno de publicação no especial sobre as eleições a posição que apóia explicitamente a candidatura Dilma. O jornal Brasil de Fato, ao fazê-lo, pratica a mesma operação que Altamiro Borges corretamente critica na própria edição especial, só que inverte o sinal: o Brasil de Fato se torna um palanque para a Dilma, precisamente como a “grande mídia” é um palanque de Serra. Pior ainda: ao considerar legítima e merecedora de publicação apenas uma determinada posição, descartando liminarmente todas as outras que existem no interior do Conselho Editorial, o jornal passa a impressão pública (exposta em 2 milhões de exemplares) de que há uma unanimidade no interior do conselho: trata-se de uma prática sórdida e bem conhecida, consagrada na época que um certo Josef comandava o regime de terror na URSS.

 

Diante disso, minha posição no Conselho Editorial se torna insustentável. Sei que ocorreu algo semelhante em 2006, mas voltei a integrar o jornal, na época, por considerar que o MST era muito maior, muito mais importante, muito mais vital do que eventuais divergências. Só que a situação agora é qualitativamente nova. O jornal Brasil de Fato transformou-se num planfletão lulista, e isso marca – na minha opinião, obviamente – reflexo de um processo de desmantelamento histórico do MST e de ruptura de uma boa parte da esquerda com sua própria história e princípios éticos. Trata-se de uma debandada tão grande e imunda que permite, entre outras coisas, que lideranças da “esquerda” declarem sem ruborizar o seu apoio ao agronegócio, à aliança com os neocompanheiros José Sarney e Michel Temer e o acobertamento cúmplice e conivente de manobras sórdidas nos corredores palacianos.

Já abordei várias vezes esse tema em reunião do Conselho Editorial e nunca fui levado suficientemente a sério. O MST, que era – sempre na minha opinião – o último grande bastião de resistência à cooptação oficial, está claramente sendo triturado pela máquina do Estado terrorista brasileiro, agora operada pelo lulismo. E tudo em nome do… “combate à direita”! A frase “Dilma não é o governo dos nossos sonhos, mas Serra é o governo de nossos pesadelos”, que consagra a posição editorial assumida pelo jornal, pode ser um bom achado de marketing, um ótimo recurso de oratória, uma bela saída para escapar de um dilema político. Mas se o critério for a boa oratória, que se convoque então Carlos Lacerda. Ele tem ótimas lições a dar nesse campo.

Não vou ser cúmplice disso. Nesse mesmo sentido – e embora não seja essa lista o palco para esse debate – coloco em questão a legitimidade de minha permanência à frente da Associação dos Amigos da Escola Nacional Florestan Fernandes (e por isso envio esta carta com cópia à diretoria da AAENFF, a quem peço que remete ao conjunto de seus associados). Encaminho também a algumas outras listas, para que se marque publicamente a minha ruptura com esse trágico desfecho.

 

******************************************************************************************************

———–

Histórico

 Voto nulo no Brasil

No Brasil, historicamente era chamado de voto nulo quando o eleitor rasurava a cédula de votação, marcando mais de uma opção, escrevendo xingamentos ou nomes de candidatos fictícios.

Com a introdução da urna eletrônica em nível nacional a partir das eleições de 1996, passou a ser considerado voto nulo a ação do eleitor quando este digita um número ao qual não corresponde nenhum candidato ou partido político (por exemplo, 00).

Polêmicas

Durante os anos 2000, surgiu na internet uma espécie de campanha, organizada por diversos sites e comunidades de orkut, que pregava o voto nulo[3]. Segundo os membros desta campanha, caso os votos nulos superassem os 50% do total, nenhum dos concorrentes seria eleito, e uma nova eleição deveria ser realizada, sem que nenhum dos “rejeitados” pudesse concorrer novamente. Esta era uma interpretação muito divulgada em e-mails corrente, mas que foi considerada equivocada [4][5], e em desacordo com a lei eleitoral brasileira.

O Código Eleitoral Brasileiro (Lei nº 4.737/art. 224) diz que:

Se a nulidade atingir a mais de metade dos votos do país nas eleições presidenciais, do estado nas eleições federais e estaduais, ou do município nas eleições municipais, julgar-se-ão prejudicadas as demais votações, e o Tribunal marcará dia para nova eleição dentro do prazo de 20 (vinte) a 40 (quarenta) dias.

[6]

O TSE, no Acórdão nº 13.185/92, se pronunciou acerca da questionada constitucionalidade do art. 224 do Código Eleitoral, estabelecendo que esta norma trata de critério de validade das eleições [7]. Segundo o voto condutor do acórdão:

O art. 77 da Constituição Federal, ao definir a maioria absoluta, trata de estabelecer critério para a proclamação do eleito, no primeiro turno das eleições majoritárias a ela sujeitas. Mas, é óbvio, não se cogita de proclamação de resultado eleitoral antes de verificada a validade das eleições.

De fato, porém, havia uma confusão entre o conceito de voto nulo e o de nulidade do voto[8], sendo esta última referente ao voto fraudado: segundo a lei, se a nulidade do voto (e não o voto nulo) for maior que 50% por cento do total de votos, deve ser realmente feita uma nova eleição, sem no entanto prever que os candidatos devem ser diferentes do pleito original.

O que causou grande confusão a respeito deste assunto é o fato de que o termo “voto nulo” jamais foi utilizado pela legislação, mas com o tempo passou a ser amplamente utilizado até mesmo por membros da justiça eleitoral, causando confusão com o conceito que hoje a doutrina chama de nulidade do voto.

Caso a nulidade dos votos (ou da votação) não atinja mais da metade dos votos do país, dos estados ou dos municípios, a eleição será válida, passando-se à fase da proclamação dos candidatos eleitos, na qual serão descartados tanto os votos nulos quanto os votos em branco, seja nas eleições majoritárias[9], seja nas eleições proporcionais [10].

Referências

  1. Voto nulo. tse.gov.br
  2. http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2006/09/359359.shtml
  3. http://www.votonulo.org/
  4. http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=8195
  5. http://www.tse.gov.br/sadAdmAgencia/noticiaSearch.do?acao=get&id=15010
  6. art. 224
  7. (no mesmo sentido: Acórdão nº 3.113/2003 do TSE e RMS nº 23.234-STF)
  8. http://www.quatrocantos.com/LENDAS/283_voto_nulo_branco.htm
  9. CF/88, art. 77, § 2o
  10. Lei nº 9.504/97, arts. 2o e 3o

http://pt.wikipedia.org/wiki/Voto_nulo

Aos vencedores ,as batatas ( SOBRE AS ELEIÇÕES NO BRASIL ) / Los  1 Nov 2010
elpolvorin.over-blog.es/article-aos-vencedores-as-batatas-sobre-as-elei-es-no-brasil-los-ganadores-las-papas-60043961.html
——–

 

Após um longo e tenebroso inverno e um pouco em cima da hora, segue uma reflexão para as eleições. Copiei do site: http://novohamburgo.org/site/destaques/2010/09/28/eleicoes-2010-valorize-o-seu-voto/

Conheça os dez mandamentos do eleitor consciente! As eleições estão chegando, mas sempre é valido refletir sobre a importância do voto para o desenvolvimento da democracia no Brasil
As eleições do próximo dia 03 de outubro estão próximas, mas nunca é tarde para lembrar a importância de valorizar o seu voto e exercer sua cidadania de acordo com suas convicções.
“Porque não votaria se tenho direito?!”
O Movimento Nacional Pela Valorização do Voto – Monav trabalha na conscientização do eleitor, reforçando o significado do ato de votar para o exercício da democracia. A decisão de eleger bons políticos está nas mãos de cada eleitor e, como reforça o Monav, o voto é fruto da consciência cívica de cada cidadão e deve honrar a democracia para que as eleições sejam realmente livres e soberanas.
Para uma reflexão, o Movimento divulga conceitos intitulados “Os dez mandamentos do eleitor consciente”, que são eles:
– Valorizar e dignificar o voto, utilizando-o para o engrandecimento do PAÍS, fortalecimento e grandeza da DEMOCRACIA e segurança da FAMÍLIA, para garantia do futuro de nossos filhos e netos.

– Não permitir que a corrupção, forjada e manipulada pelo Poder Econômico, faça de seu voto um instrumento ao alcance dos que só estão interessados em satisfazer suas ambições pessoais.

– Repudiar candidatos que, fantasiando-se de idealistas e humanitários, prometem mundos e fundos, além de dinheiro, emprego, alimento e remédio, com o intuito de explorar, em todos os sentidos, a boa-fé do eleitor.

– Condenar frontalmente os candidatos que, não respeitando a integridade do voto livre e consciente, exploram a miséria, com o objetivo de coagir eleitores a lhes dever favores e a votar por gratidão.

 

 

– Evitar votos brancos ou nulos com a desculpa de que nenhum dos candidatos merece ser votado, pois isso representa um julgamento injusto que poderá beneficiar os piores candidatos em prejuízo dos melhores.
– Advertir eleitores menos informados de que o voto secreto lhes garante a liberdade de consciência, que está acima de compromissos ocasionais e espúrios com candidatos corruptores. Votar em eleições livres é assumir compromisso com a própria consciência.
– Repelir a ação dos cabos eleitorais que, a troco de dinheiro e outras recompensas, agem como agentes comerciais intermediários, fazendo do voto alheio uma mercadoria lucrativa e relegando o eleitor ingênuo à condição de explorado.
  – Desprezar qualquer tipo de propaganda eleitoral que atente contra a lei e a propriedade pública e privada, pois candidato que não respeita a lei  não pode merecer  o respeito e muito menos a confiança de eleitor que pretende valorizar seu voto.

– Nunca esquecer que o voto consciente é que contribui para fortalecer o verdadeiro poder democrático, que é o Poder do Povo, representado no Governo e nos Legislativos pelos cidadãos que são eleitos  em eleições livres e soberanas.

10º – Defender, seja onde for, a valorização do voto, mediante reconhecimento de que todos nós, que possuímos título de eleitor, somos responsáveis pelos atos daqueles que elegemos  e podemos ser responsabilizados pela democracia que temos.

Sobre o Monav
O Movimento Nacional Pela Valorização do Voto -, lançado no dia 24 de outubro de 1985, no Auditório Senador Teotônio Vilela, da Câmara Municipal de São Paulo, é um Movimento de luta contra a fraude e a corrupção eleitoral.
Outras informações podem ser obtidas no site http://www.monav.com.br/

.
 
 
La frase “Dilma no es el gobierno de nuestros sueños, pero Serra es el gobierno de nuestras pesadillas”, que consagra la posición editorial tomada por el diario, puede ser un buen recurso de marketing, un gran recurso de oratoria, una bella salida para escapar de un dilema político…
el lema de la Refundação Comunista, si no me equivoco, es “derrotar a Serra en las urnas y derrotar a Dilma en las calles”
Lula ou Luís XIV?

voto nulo

 

Recentemente recebi um email falando sobre voto em nulo. Antes de ler meu voto já era nulo, agora mais ainda.

Vamos divulgar para todos os nossos contatos, vamos dar uma limpeza neste país e deixar que nossos filhos e netos tenham uma vida melhor que a nossa, livres desses bandidos, mentirosos e debochados.
VOTO NULO = 000 + TECLA VERDE

virgiliosolano.wordpress.com/…/

 

 

 

enviado por malcolmallison publicado el 01/11/2010

 

 

Compartir este post
Repost0
28 diciembre 2010 2 28 /12 /diciembre /2010 20:51

 

"O Chefe" - El Jefe, el libro prohibido que denuncia la corrupción en el gobierno de Lula

 

 

LEIA O LIBRO:  hannibal-ad-portas.blogspot.com/2010_08_15_ar...

 

 

O CHEFE

 

Nos dois governos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, diversos casos de corrupção sacudiram o País. O mais grave ficou conhecido como escândalo do mensalão. Dirigentes do PT foram denunciados por montar uma organização criminosa. Lula tratou de abafar investigações e proteger correligionários e aliados

 

          escandalo+mensalao.jpg

 

 

Nos dois governos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, diversos casos de corrupção sacudiram o País. O mais grave ficou conhecido como escândalo do mensalão. Dirigentes do PT foram denunciados por montar uma organização criminosa. Lula tratou de abafar investigações e proteger correligionários e aliados.

 

Ilustração de Anamaria Mota, com base em foto de Dida Sampaio/AE, publicada em 18 de fevereiro de 2009

 

 

-

Índice

 

 

Capítulo 1
'O governo Lula é o mais
corrupto de nossa história'

Qual a justificativa para o presidente da República nomear como ministro e integrante de seu primeiro escalão de auxiliares o homem que publicara, num dos jornais mais importantes do País, que ele, o presidente, era o chefe do governo "mais corrupto de nossa história"?

Pois Luiz Inácio Lula da Silva, o Lula, nomeou o filósofo Roberto Mangabeira Unger no primeiro semestre de seu segundo mandato, em 2007, ministro da Secretaria de Planejamento de Longo Prazo, especialmente constituída para abrigá-lo. E não adiantou nem o PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro) inviabilizá-la tempos depois, durante uma rebelião para obter mais cargos no governo e proteção para o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), o então presidente do Senado, acusado de corrupção. Apesar de o PMDB derrotar a Medida Provisória que criara o posto para Roberto Mangabeira Unger, Lula deu um jeito na situação, nomeando-o novamente, desta vez como ministro extraordinário de Assuntos Estratégicos. A posição do detrator estava garantida.

"Pôr fim ao governo Lula" é o título do artigo de Roberto Mangabeira Unger publicado na Folha de S.Paulo em 15 de novembro de 2005, no sugestivo dia da Proclamação da República. O ano de 2005 havia sido marcado pela eclosão do escândalo do mensalão. Este é o parágrafo de abertura do artigo:

"Afirmo que o governo Lula é o mais corrupto de nossa história nacional. Corrupção tanto mais nefasta por servir à compra de congressistas, à politização da Polícia Federal e das agências reguladoras, ao achincalhamento dos partidos políticos e à tentativa de dobrar qualquer instituição do Estado capaz de se contrapor a seus desmandos."

O que poderia ter levado o presidente da República a nomear como ministro o autor dessas acusações? E Roberto Mangabeira Unger não estava brincado, a julgar pela defesa que fez do impeachment de Lula. Ao denunciar "a gravidade dos crimes de responsabilidade" supostamente cometidos pelo presidente, o então futuro ministro afirmou em seu artigo que Lula "comandou, com um olho fechado e outro aberto, um aparato político que trocou dinheiro por poder e poder por dinheiro e que depois tentou comprar, com a liberação de recursos orçamentários, apoio para interromper a investigação de seus abusos".

Alguém poderia argumentar que a nomeação de Roberto Mangabeira Unger seria um mal necessário. Coisa da política. E tentar explicá-la pela importância do filósofo, um professor da prestigiada Universidade de Harvard, das mais importantes dos Estados Unidos, por quase 40 anos. O Brasil, portanto, não poderia prescindir da experiência e do prestígio de Roberto Mangabeira Unger, que teria muito a contribuir com o País.

Será mesmo? A cerimônia de posse do filósofo não demonstrou isso. Poucos ministros, cadeiras vazias, menos de uma hora de solenidade. E mesmo antes da criticada viagem de Roberto Mangabeira Unger à Amazônia, em 2008, na qual defendeu o desvio de águas da região para abastecer o Nordeste, sem considerar que centenas de milhares de amazonenses ainda não dispunham de água encanada, o ministro já era considerado, em âmbito do governo, "café-com-leite". Ou seja, não lhe era atribuída importância, nem de seu trabalho haveria algo para se aproveitar.

Outro trecho do artigo de Roberto Mangabeira Unger: "Afirmo ser obrigação do Congresso Nacional declarar prontamente o impedimento do presidente. As provas acumuladas de seu envolvimento em crimes de responsabilidade podem ainda não bastar para assegurar sua condenação em juízo. Já são, porém, mais do que suficientes para atender ao critério constitucional do impedimento. Desde o primeiro dia de seu mandato o presidente desrespeitou as instituições republicanas. Imiscuiu-se e deixou que seus mais próximos se imiscuíssem, em disputas e negócios privados".

Talvez, então, a razão para a nomeação de Roberto Mangabeira Unger tenha sido de ordem político-partidária. Ou seja, o filósofo traria para o governo a base social representada por seu partido, ampliando o número de legendas que davam sustentação à administração Lula no Congresso. Como vimos, no entanto, Roberto Mangabeira Unger passou a maior parte da vida nos Estados Unidos, o que o forte sotaque não deixava desmentir. Não possuía qualquer base social, nem traria consigo qualquer força orgânica da sociedade.

Quanto a seu partido, o minúsculo PRB (Partido Republicano Brasileiro) tinha menos de 8 mil filiados quando Roberto Mangabeira Unger se tornou ministro e era um dos menores partidos políticos do País. Não agregava praticamente nada à base aliada de Lula. Por apoio político-partidário não faria sentido nomear Roberto Mangabeira Unger. Afinal, o PRB, ligado à Igreja Universal do Reino de Deus, possuía apenas três deputados federais, um senador e o vice-presidente da República, José Alencar (MG), que saíra do PL (Partido Liberal) em decorrência do escândalo do mensalão e foi o grande incentivador da nomeação do filósofo.

Em outro trecho do famoso artigo, Roberto Mangabeira Unger afirmou que "Lula fraudou a vontade dos brasileiros", ameaçava a democracia "com o veneno do cinismo" e tinha um projeto de governo que "impôs mediocridade". E mais: "Afirmo que o presidente, avesso ao trabalho e ao estudo, desatento aos negócios do Estado, fugidio de tudo o que lhe traga dificuldade ou dissabor e orgulhoso de sua própria ignorância, mostrou-se inapto para o cargo sagrado que o povo brasileiro lhe confiou".

Para fazer a vontade de seu vice José Alencar, um homem leal e doente, Lula só precisaria ter dito que gostaria muito de nomear alguém indicado por ele, mas não poderia ser o homem que o acusara de chefiar o governo mais corrupto da história. Poderia ser qualquer um, menos aquele que conclamara o Congresso a derrubá-lo da Presidência da República, por corrupção. Por que Lula nomeou Roberto Mangabeira Unger, autor de acusação tão séria? Nas páginas deste livro, o leitor será convidado a encontrar a resposta.

 

 

Capítulo 2
Montanhas de dinheiro: em pacotes,
malas, carros-fortes e até em cuecas

Da mesma forma que não se pode deixar de reconhecer os avanços das políticas sociais responsáveis por tirar milhões de brasileiros da pobreza nos dois governos do presidente Lula, não há como minimizar o expressivo crescimento econômico e o incremento da inserção do Brasil no cenário mundial, também registrados no período.

A era Lula significou, contudo, a continuidade do jeito criminoso de se fazer política no Brasil. Com a ressalva das honrosas exceções, o grande objetivo das ações dos representantes do povo manteve-se o mesmo: usar cargos públicos para participar de esquemas cuja finalidade primordial era desviar o dinheiro dos contribuintes. Obter comissões e caixinhas. Propinas. Para boa parte dos políticos brasileiros, independentemente da coloração partidária, a atividade política ainda é o caminho fácil do enriquecimento.

A notícia em destaque nas primeiras páginas dos jornais, no auge do escândalo do mensalão, chocou o País: uma bolada de R$ 200 mil, acondicionada numa maleta, e outros US$ 100 mil escondidos na cueca, tudo transportado pelo assessor de um deputado do PT (Partido dos Trabalhadores, a legenda fundada pelo presidente Lula), preso no aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

José Adalberto Vieira da Silva trabalhava para o deputado José Nobre Guimarães (PT-CE), irmão do então presidente nacional do PT, José Genoino (SP). Rápido, José Adalberto apagou a memória do celular. Disse ser agricultor. O dinheiro em seu poder, procurou justificar, era resultado do comércio de verduras. Logo foi desmascarado. Confessou quem era. Detido pela polícia, usou o paletó para cobrir o rosto e se esconder dos fotógrafos.

Outra imagem que marcou os anos Lula é a da montanha de dinheiro apreendida pela Polícia Federal no hotel Ibis Congonhas, em São Paulo, pouco antes das eleições nas quais Lula conquistaria seu segundo mandato, em 2006. O R$ 1,7 milhão em cédulas de reais e dólares seriam usados pelo PT para comprar um dossiê contra políticos da oposição.

A Polícia Federal acusou Hamilton Lacerda, coordenador da campanha do senador Aloizio Mercadante (PT-SP), candidato petista a governador de São Paulo naquele ano, de ter levado o dinheiro da corrupção ao hotel. Ele foi filmado por câmeras de segurança no saguão do Ibis Congonhas, um dia antes da ação policial. Portava uma mala e se mostrava tenso.

Nas mãos cerradas de Hamilton Lacerda, a mala preta de viagem com a alça em volta do ombro, uma garantia a mais de que ninguém roubaria a preciosa carga no lobby do hotel. Ele pegou o elevador e entrou num quarto. Saiu sem a mala. Na madrugada seguinte, voltou ao Ibis. Desta vez com uma maleta e uma sacola plástica. Tudo filmado. Foi embora depois, sem a sacola. A explicação da Polícia Federal: o R$ 1,7 milhão não coube na mala que Hamilton Lacerda trouxera na véspera, e ele retornou com mais dinheiro.

Quando o deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) denunciou o escândalo do mensalão, apresentou ao País o empresário Marcos Valério, dono de agências de publicidade. Roberto Jefferson era presidente nacional do PTB (Partido Trabalhista Brasileiro), partido da base aliada de Lula. Confessou que Marcos Valério entregou-lhe R$ 4 milhões em 2004. Roberto Jefferson descreveu Marcos Valério e como recebeu a propina:

- É carequinha, falante e fala em dinheiro como se fosse assim uma coisa que caísse do céu. Primeiro foram R$ 2,2 milhões. Em duas malas enormes, notas de R$ 50 e R$ 100, etiquetadas por Banco Rural e Banco do Brasil. E três dias depois, (...) ele volta com R$ 1,8 milhão. Notas de R$ 50 e R$ 100, Banco Rural e Banco do Brasil e a promessa de outras quatro parcelas iguais.

Roberto Jefferson citou Emerson Palmieri, apresentado como tesoureiro informal do PTB:

- Eu pedi ao Emerson Palmieri que guardasse o dinheiro no cofre de um armário de aço, grande.

Emerson Palmieri confirmou os dois pagamentos. E acrescentou que as duas malas com a bolada eram "de rodinhas". E a maioria das notas de R$ 50, sendo "poucas notas de R$ 100". O tesoureiro deu mais detalhes: foi encarregado por Roberto Jefferson de dividir o dinheiro no que chamou de "bolos" de R$ 150 mil e R$ 200 mil:

- Não coube tudo no cofre do partido, passei uma parte para um armário do lado. Entreguei a chave ao deputado Roberto Jefferson e ele me pediu sigilo.

Outra testemunha importante do escândalo do mensalão, a secretária de Marcos Valério. Fernanda Karina Ramos Somaggio relatou que Marcos Valério mantinha frequentes contatos com Delúbio Soares, tesoureiro do PT, e fazia reuniões "com o pessoal do PT":

- Quando ele saía para as reuniões, antes de sair, passava no andar de baixo, no Departamento Financeiro, e saía com uma mala.

Em depoimento ao Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, Fernanda Karina Ramos Somaggio deu pormenores. Mencionou Geysa Dias dos Santos e Simone Vasconcelos, funcionárias de confiança da agência de publicidade SMPB, de Marcos Valério:

- Quando o senhor Marcos ia a Brasília, sempre no dia ou no dia anterior eram sacadas grandes quantias de dinheiro, pela Geysa ou pelos boys. Os boys falavam que tinha saque de R$ 1 milhão. O dinheiro era levado para o Departamento Financeiro da agência, onde a Simone e a Geysa dividiam os maços e colocavam nas malas.

Outro trecho do depoimento de Fernanda Karina:

- O senhor Marcos passava na empresa e pegava as malas para levar no avião fretado. Algumas vezes, a Simone dizia que ficava em um hotel em Brasília, dentro de um quarto, o dia todo, contando dinheiro. E era um entra e sai de homem que ela ficava muito cansada. Ela só contava dinheiro e passava para essas pessoas.

À CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que investigou corrupção nos Correios, Fernanda Karina falou da logística dos saques de dinheiro vivo no Banco Rural:

- A Simone ligava, avisando que os boys iam passar no banco e a agência abria mais cedo. Eram dois ou três boys que se dirigiam ao banco para dar garantia, em caso de assalto. Acontecia pelo menos uma vez por semana. O dinheiro era acomodado em valises tipo 007, que ficavam no Departamento de Finanças da agência.

Fernanda Karina envolveu outras pessoas, como o líder do PMDB, deputado José Borba (PR), que renunciaria ao mandato durante as investigações do escândalo do mensalão, e Silvio Pereira, o secretário-geral do PT, surpreendido com um jipe importado em seu nome, mimo de uma empresa contratada pela Petrobras:

- Uma vez, eu me lembro que o senhor Marcos saiu com uma mala e foi para Brasília no avião do Banco Rural. E eu sabia que nessa mala tinha dinheiro. Ele pediu para eu ligar para o José Borba e depois para Delúbio ou Silvio Pereira, para dizer que estava indo para Brasília encontrar José Borba.

Ministro dos Transportes de Lula, Anderson Adauto (PL-MG) também foi acusado por Fernanda Karina:

- O irmão dele foi lá na agência, pegou uma mala de dinheiro e foi embora.

Outro caso rumoroso ocorreria no gabinete do ministro Anderson Adauto, no segundo semestre de 2003. Da reunião teriam participado, além de Anderson Adauto, Roberto Jefferson, outros dois deputados e Delúbio Soares, que supostamente levou uma mala de dinheiro para dividir entre os presentes.

Foi rico o depoimento de José Francisco de Almeida Rego à Polícia Federal. Ele era tesoureiro do Banco Rural e contou como a SMPB de Marcos Valério remetia dinheiro de Minas Gerais a Brasília. Os saques tornaram-se usuais desde o início de 2003, no primeiro ano do governo Lula. As retiradas chegavam à casa dos R$ 200 mil por operação. Um fax mencionava os valores e os nomes dos sacadores.

O tesoureiro José Francisco de Almeida Rego cuidava da liberação do dinheiro junto ao Banco Central. Para evitar que os saques ficassem volumosos, trabalhava com notas de R$ 50 e R$ 100. Era tudo levado a uma determinada sala do Banco Rural em Brasília. As cédulas eram colocadas em bolsas trazidas pelos próprios sacadores. Gente apressada que ia embora, em geral, sem conferir os valores.

Simone Vasconcelos também cuidava de fazer retiradas na agência do Banco Rural do Brasília Shopping. Mas nem sempre levava o dinheiro com ela. Assinava recibos e listava os nomes daqueles que passariam depois para receber. Desta forma, os nomes dos beneficiários não ficavam registrados como sacadores. As pessoas simplesmente não eram identificadas.

As investigações do escândalo do mensalão demonstraram que Marcos Valério operou a distribuição de dinheiro a deputados que apoiavam o governo Lula. Simone Vasconcelos fazia o trabalho de coordenar a entrega das somas. Foram atribuídos a ela saques de R$ 6,1 milhões. Cenas de cinema em outubro de 2003. Simone Vasconcelos fez duas retiradas, uma de R$ 800 mil e outra de R$ 650 mil. A bolada chegou de carro-forte ao escritório da SMPB em Brasília.

Em depoimento à CPI dos Correios, Simone Vasconcelos disse que se sentia "constrangida e preocupada de estar sendo identificada por desconhecidos", e também por estar "entregando altas somas de dinheiro para estes, sem ao menos saber quem eram".

Uma vez, Marcos Valério quis saber a cor da blusa de Simone, "para que fosse identificada pelo estranho que deveria receber o dinheiro". Ela também levou dinheiro a hotéis de luxo onde estava Marcos Valério. As entregas chegavam a R$ 300 mil.

Em determinada ocasião, outra cena cinematográfica: Simone Vasconcelos teve de localizar um táxi estacionado na frente de um certo centro de compras em Brasília e entregar ao ocupante desconhecido um pacote de dinheiro.

Outro que chamou a atenção no esquema Marcos Valério foi um policial mineiro de nome David Rodrigues Alves, a quem foram atribuídos saques de até R$ 6,5 milhões. Ele informou que recebia pagamento variando entre R$ 50 e R$ 100 por vez que ia buscar dinheiro em agências do Banco Rural em Belo Horizonte. Tinha a incumbência de levar as somas a Cristiano de Mello Paz, sócio de Marcos Valério na SMPB. Palavras do policial:

- Os pacotes já estavam prontos nas agências, eu apenas assinava o recebimento. Meu trabalho era retirar o dinheiro e entregar na SMPB.

De acordo com David Rodrigues Alves, ficava tudo separado no banco, em maços lacrados. O transporte era feito em caixas de sapato, de camisa ou de telefone celular, dependendo da quantia. Ele confessou que fazia até três viagens por dia. Carregava de R$ 50 mil a R$ 150 mil por vez.

Para não vincular Lula ao esquema de corrupção, o poderoso ministro da Casa Civil, José Dirceu (PT-SP), braço direito do presidente, fez o que pôde para evitar ser relacionado a Marcos Valério. Se fosse descoberta ligação entre os dois, ficaria difícil dizer que Lula não tinha nada a ver com o escândalo do mensalão. Afinal, o presidente era o grande beneficiário do esquema: o suborno de parlamentares garantia maioria no Congresso para o governo Lula. O esforço de José Dirceu foi em vão.

A ligação José Dirceu/Marcos Valério ficou escancarada na compra de um apartamento em São Paulo por Maria Ângela Saragoça, ex-mulher de José Dirceu. Depois de ser contratada pelo BMG, banco também próximo de Marcos Valério e envolvido no esquema, Maria Ângela Saragoça recebeu empréstimo do Banco Rural. Ela também queria um apartamento novo. Vendeu o velho a Rogério Tolentino, sócio de Marcos Valério. Na hora de comprar o novo, levou dinheiro vivo, dentro de uma sacola.

Um caso terrível foi o assassinato do prefeito de Santo André (SP), Celso Daniel (PT). Aqui, José Dirceu também acabou envolvido. Ele foi acusado pelo promotor Amaro Thomé, responsável pela investigação da morte de Celso Daniel:

- Parte dos recursos arrecadados em Santo André era utilizada em campanhas eleitorais do PT, levado em malas de dinheiro para o escritório de Dirceu.

Bruno Daniel, irmão do prefeito morto, afirmou ter ouvido do chefe de gabinete do presidente Lula, Gilberto Carvalho (PT-SP), detalhes do caminho da propina em Santo André. Antes de ser guindado para o governo Lula, Gilberto Carvalho era secretário do prefeito Celso Daniel. Do depoimento de Bruno Daniel à CPI dos Bingos, referindo-se a Gilberto Carvalho:

- Ele foi claro: disse que os recursos arrecadados eram enviados ao PT para serem usados no financiamento de campanhas. Era ele quem entregava o dinheiro a José Dirceu. Ele disse que havia momentos de tensão porque carregava o dinheiro, sem segurança, em seu Corsa preto e, em uma só ocasião, entregou R$ 1,2 milhão ao deputado Dirceu.

Em sessão sigilosa da CPI dos Bingos, uma ex-empregada de Celso Daniel disse ter encontrado três sacolas com dinheiro no apartamento do então prefeito. Antes de ser morto, no início de 2002, Celso Daniel era coordenador da campanha de Lula a presidente da República.

José Dirceu também foi envolvido com a distribuição de dinheiro na campanha eleitoral para prefeito de Londrina (PR), em 2004. Na época ele ainda era o superministro do presidente Lula. Quem o denunciou foi Soraya Garcia, assessora financeira do prefeito Nedson Micheletti (PT), candidato à reeleição. Segundo ela, José Dirceu circulou na cidade num automóvel blindado da marca BMW:

- O ministro José Dirceu veio a Londrina em 18 de setembro. Era um sábado e durante a semana todo o mundo no comitê financeiro reclamava de dificuldades para pagar contas de campanha. Na segunda-feira o comitê tinha R$ 300 mil em caixa. Todo esse dinheiro era em notas de R$ 100 e com lacre do Banco do Brasil.

Soraya Garcia prestou depoimento à Polícia Federal. Oficialmente, a campanha eleitoral do PT em Londrina saiu por R$ 1,3 milhão. Já de acordo com ela, custou R$ 7,8 milhões. O dinheiro aparecia dentro de sacos plásticos de lixo e em sacolas de lojas.

Outro caso ocorrido na campanha de reeleição de Nedson Micheletti em Londrina. Foi narrado pelo motorista Rogério Bicheri. Ele trabalhava para o PT e recebeu ordens de pegar dinheiro vivo no apartamento de Zeno Minuzo, um assessor de Paulo Bernardo (PT-PR), nomeado por Lula ministro do Planejamento. Do motorista:

- Fui duas vezes lá, em setembro e em outubro de 2004, dirigindo o carro de Fábio Reali, assessor do prefeito. Estacionei e o Fábio voltou com 20 envelopes, todos com nomes de coordenadores e vereadores em campanha. Era coisa de uns R$ 50 mil. Ele botou dois envelopes no porta luvas, e o resto debaixo do banco. Ele disse que dessa forma, se fôssemos roubados, levariam menos dinheiro.

Diversos casos vincularam malas recheadas de dinheiro ao PT nos anos Lula. No final de 2007, veio à tona a história de uma mala abarrotada com R$ 500 mil, entregue ao partido do presidente da República por duas empresas supostamente laranjas que teriam agido a serviço da empresa multinacional norte-americana Cisco, interessada em vender produtos de informática para a Caixa Econômica Federal.

Um caso que deu o que falar envolveu a multinacional norte-americana Gtech, da área de sistemas de informação, e a mesma Caixa Econômica Federal. Vale a pena registrar a acareação promovida pela CPI dos Bingos entre Rogério Buratti, ligado ao esquema do então ministro da Fazenda, Antonio Palocci (PT-SP), a quem a Caixa estava subordinada, e Marcelo Rovai, diretor da empresa multinacional.

A discussão entre os dois era sobre a propina que Rogério Buratti disse ter sido oferecida pela Gtech para renegociar um contrato com a Caixa. A multinacional estaria disposta a desembolsar entre R$ 500 mil e R$ 16 milhões, dependendo do que ficasse acertado, sendo que no final do negócio a empresa teria consumado um pagamento de R$ 5 milhões a uma intermediária da corrupção, uma empresa de nome MM Consultoria. A reação de Marcelo Rovai ao dirigir-se a Rogério Buratti, que se tornara dono de empresas de ônibus:

- O senhor recusou R$ 16 milhões. O senhor, com a sua biografia, recusou? Quantos ônibus dava para comprar com esse dinheiro?

Agora o depoimento à CPI dos Bingos de Walter dos Santos Neto, da tal MM Consultoria. Ele estava protegido por habeas-corpus para não ser preso. Tentou dar origem lícita para os R$ 5 milhões e, para justificar o destino do dinheiro e negar ter sido um intermediário da propina, disse sofrer do distúrbio "compulsão ou disfunção do gasto". Declarou assim:

- Posso dizer que a motivação que sempre tive em relação ao dinheiro vem de uma deformação de minha personalidade, a necessidade de ver o dinheiro, de se sentir com o poder.

Assim, Walter dos Santos Neto alegou ter sacado R$ 650 mil transferidos pela Gtech, por exemplo, e mandado entregar o dinheiro em sua casa em carro-forte, a fim de gastá-lo:

- Minhas despesas são chocantes, gasto com frivolidades. Sou uma pessoa doente e comecei a fazer tratamento psiquiátrico.

Depois que José Dirceu foi cassado por corrupção, Antonio Palocci virou o superministro de Lula. Mas por pouco tempo. Caiu sob a acusação de ter determinado a violação do sigilo bancário de um homem simples, o caseiro Francenildo Santos Costa, encarregado de cuidar de uma mansão em Brasília que ficou conhecida como a "casa dos prazeres". Lá, a turma de Antonio Palocci se divertia com garotas de programa.

A agenciadora das prostitutas era Jeany Mary Corner. Ela contou que Rogério Buratti, fiel escudeiro de Antonio Palocci, montou um esquema no qual as "meninas" punham dinheiro dentro de revistas que eram colocadas em envelopes de papel. E saíam por Brasília entregando a "correspondência". Elas teriam pagado mensalões de R$ 50 mil a oito deputados. Jeany Mary Corner também recebeu R$ 50 mil. Para ficar quieta. Justificou:

- Fiquei no anonimato todo esse tempo. Fui muito digna. Diferentemente de outros que abriram a boca. Por isso, pedi ajuda. Isso é chantagem?

O caseiro Francenildo Santos Costa viu a dinheirama que rolava na "casa dos prazeres". Afirmação dele ao envolver Vladimir Poleto, também ligado a Antonio Palocci:

- Via, via notas, pacotes de R$ 100 e R$ 50 na mala de Vladimir. Ele trazia muito dinheiro.

Vladimir Poleto prestava serviços para Antonio Palocci desde quando o ministro da Fazenda de Lula era prefeito de Ribeirão Preto (SP). Depois da morte do prefeito Celso Daniel, o prefeito Antonio Palocci assumiu o papel de coordenador de campanha de Lula.

Alguns meses antes da eleição, Vladimir Poleto foi a Brasília de avião apanhar três caixas de bebida, todas lacradas com fitas adesivas. Caixas de uísque e de rum cubano. Dentro, cédulas norte-americanas. O dinheiro, US$ 1,4 milhão ou US$ 3 milhões, dependendo da versão, teria vindo de Cuba para irrigar a campanha de Lula.

Transportadas para São Paulo, as tais caixas foram parar nas mãos de Ralf Barquete, outro prócere da "república de Ribeirão Preto", e levadas num automóvel Omega, blindado, até o destino final: as mãos do tesoureiro Delúbio Soares.

Delúbio Soares, aliás, tornou-se bode expiatório para as tramoias do PT. Num dos raros momentos em que se despiu do papel de único responsável por todos os males, o tesoureiro, amigo histórico de Lula, escreveu uma carta endereçada ao PT, para afirmar que o caixa 2 é "prática antiga e habitual no partido, pela qual jamais se viu uma punição". E, com ironia:

"Respeito a ingenuidade. Não sei, no entanto, de onde imaginavam que o dinheiro viria – se do céu, puxado por renas e conduzido por um senhor vestido de vermelho – e menos ainda me recordo de que alguma preocupação com a origem desses recursos tenha me sido transmitida."

Mais uma montanha de dinheiro, desta vez para pagar parte da encomenda de 2,7 milhões de camisetas à Coteminas, empresa do vice-presidente da República, José Alencar. O PT levou em cash R$ 1 milhão. O dinheiro foi entregue por Marice Corrêa de Lima, coordenadora administrativa do partido, ao presidente da Coteminas, Josué Gomes da Silva, filho de José Alencar. Palavras dele:

- Era dinheiro do PT. Eu não tinha por que pensar diferente.

A essa altura, final de 2005, o PT já tinha afastado Delúbio Soares para tentar se livrar dos problemas. Reação do novo tesoureiro, Paulo Ferreira:

- Não há nada dessa natureza registrado. Nenhum pagamento de R$ 1 milhão à Coteminas.

O novo tesoureiro não levou em conta que Marice Corrêa Lima, depois de entregar a pacoteira, assinou recibo. Confrontado novamente, Paulo Ferreira disse que ela "cumpriu ordens, nem sabia o que estava levando". Em seguida, corrigiu-se:

- Pode não ter sabido, entendeu?

Para tentar salvar a pátria, Delúbio Soares. Explicou que o R$ 1 milhão, dinheiro de caixa 2, estava no cofre do PT. Não convenceu o relator da CPI dos Correios, deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR):

- Ninguém neste País acredita que ele tenha guardado R$ 1 milhão em espécie durante quase um ano, enquanto diuturnamente era abordado por credores.

Além de Delúbio Soares, perdeu o emprego o petista Henrique Pizzolato. Era diretor de marketing do Banco do Brasil. Comprou um apartamento a uma quadra da praia de Copacabana, no Rio, por R$ 400 mil. Um mês antes, Henrique Pizzolato havia enfiado nos bolsos R$ 326 mil, em dinheiro vivo, sacado de uma conta bancária da DNA Propaganda, outra agência de publicidade de Marcos Valério. O pacote com as notas foi retirado em uma agência do Banco Rural, no centro do Rio.

Amigo de Lula há 30 anos, o deputado Devanir Ribeiro (PT-SP) também terminou envolvido com pacotes de dinheiro. Quem o denunciou foi o doleiro Antonio Oliveira Claramunt, o "Toninho da Barcelona". O operador de Devanir Ribeiro era o próprio filho do deputado, Marcos Lustosa Ribeiro, o Marcão. Usava o gabinete do pai, na época vereador em São Paulo. As trocas de dólares por reais eram frequentes. Dependendo da quantia, o dinheiro era carregado em sacolas, envelopes ou, como disse Marcelo Viana, incumbido de transportar as cédulas para o gabinete de Devanir, preso às meias ou debaixo da roupa.

Em depoimento conjunto às CPIs dos Correios, do Mensalão e dos Bingos, Toninho da Barcelona confirmou as operações com Marcão. Durante a sessão, Devanir Ribeiro procurou intimidá-lo, ameaçando-o com um processo. Em resposta, o doleiro enumerou somas e datas em que pacotes de dinheiro foram levados ao filho Marcão, em 2002: US$ 30 mil em 10 de julho, US$ 25 mil em 17 de julho, US$ 20 mil em 5 de agosto, US$ 8,5 mil em 9 de agosto, US$ 10 mil em 10 de agosto e US$ 35 mil em 30 de setembro.

Quem também mexeu com dinheiro vivo foi Zilmar Fernandes Silveira, sócia do publicitário Duda Mendonça, responsável pela campanha eleitoral que elegeu Lula em 2002. Duda Mendonça confessou que recebeu R$ 10,5 milhões em uma empresa offshore nas Bahamas. Mas não foi só. Parte do acerto da campanha ficou para ser recebido, em dinheiro vivo, na agência do Banco Rural situada na avenida Paulista, em São Paulo. Zilmar Fernandes Silveira encarregou-se de buscar os pacotes, de R$ 300 mil. Palavras dela:

- Cheguei na tesouraria do Rural e o rapaz me trouxe um pacote de dinheiro. Eu me assustei, porque pensei que ia receber um cheque administrativo.

A sócia de Duda Mendonça logo se acostumou à rotina. Confessou que voltou nos dias seguintes para pegar mais duas boladas de R$ 300 mil cada uma, e depois para fazer outras duas retiradas, de R$ 250 mil cada vez. Total: R$ 1,4 milhão.

Em 16 de julho de 2003, Marcos Trindade e Paulo Antônio Bassoto, militantes do PT do Rio Grande do Sul, tentaram embarcar com R$ 200 mil em dinheiro vivo no aeroporto de Congonhas. Marcos Trindade carregava R$ 50 mil. Conseguiu. Paulo Antônio Bassoto, com R$ 150 mil, foi detido. Para evitar o problema, Marcos Trindade passou a viajar de ônibus. Fez quatro viagens. Confessou que levou R$ 850 mil em dinheiro vivo do valerioduto, sempre de Belo Horizonte a Porto Alegre.

Quem também viajou de ônibus transportando dinheiro foi Geraldo Reis, do PT da Bahia. Foi para Vitória da Conquista (BA) com uma mala carregada com R$ 200 mil. Dois assaltantes acabaram com a festa. De acordo com o testemunho de passageiros que estavam no ônibus, os ladrões reagiram surpresos ao abrir a mala. Foram embora satisfeitos. O PT não registrou queixa na polícia.

Ainda na Bahia, o caso do deputado Josias Gomes (PT-BA), um dos denunciados por envolvimento no escândalo do mensalão. Acusado de receber R$ 100 mil repassados por Marcos Valério, negou. Disse que fora ao Banco Rural apenas para obter informações sobre um empréstimo. Depois, confessou o saque. Esteve pessoalmente na agência e apresentou o próprio documento antes de fazer a retirada. Agiu como amador. Ao conceder entrevista, Josias Gomes declarou que o mensalão nunca existiu e foi criado pela imprensa. O discurso do deputado:

- Refuto as acusações que me são impostas. Não sou corrupto. Jamais o serei.

No Maranhão, o tesoureiro local do PT, Luís Henrique Sousa, se gabou ao dizer numa reunião do partido que a direção nacional do PT enviara um emissário a São Luís com uma mala repleta de "verdinhas". Na verdade não eram dólares, mas R$ 327 mil em reais. O dinheiro de caixa 2 teria sido mandado por determinação do então presidente do PT, José Genoino (SP).

A história de outra mala de dinheiro foi narrada por Wendel Resende de Oliveira, que trabalhou como motorista para a deputada Neyde Aparecida (PT-GO). Os R$ 200 mil foram transportados por ele do Diretório Nacional do PT em São Paulo para Goiânia. Por orientação da deputada, o motorista viajara a São Paulo de avião, apanhara a mala e seguira de ônibus até a capital de Goiás. Era mais seguro assim. Entregou a mala ao filho da deputada. O dinheiro teria sido repassado depois ao irmão de Neyde Aparecida, candidato a prefeito de Quirinópolis (GO) na época, e a Carlos Soares, irmão de Delúbio Soares.

Quando ainda era o poderoso tesoureiro do PT, Delúbio Soares telefonou ao vice-presidente do partido em Brasília, Raimundo Ferreira da Silva Júnior, e pediu para ele buscar um envelope. Raimundo Ferreira sabia que o conteúdo era dinheiro vivo, mas não quanto:

- O Delúbio me ligou de São Paulo e pediu para que eu fosse até a agência do Rural, onde deveria pegar um dinheiro que ele estava precisando para umas despesas. Ele me disse que precisava de alguém de confiança para buscar o pacote. Como sou amigo dele, nada mais natural.

Agora, o PT de Mauá (SP). Altivo Ovando Júnior era secretário de Habitação da Prefeitura local, comandada pelo PT. O grupo Peralta queria construir um centro de compras. Precisava da administração municipal que desapropriasse alguns imóveis. Altivo Ovando Júnior contou como Valdemir Garreta, ligado a Marta Suplicy (PT-SP), nomeada depois ministra do Turismo de Lula, abordou o empresário Armando Jorge Peralta:

- Se não der dinheiro, não vai ter shopping.

Valdemir Garreta teria exigido R$ 1,8 milhão. O empresário topou dar seis parcelas de R$ 300 mil cada. Quem confessou ter buscado duas das parcelas em Osasco (SP) foi o próprio Altivo Ovando Júnior. A primeira veio em cheque. A segunda, em dinheiro vivo, acabou nas mãos de José Mentor (PT-SP), que foi vereador líder da prefeita Marta Suplicy na Câmara Municipal de São Paulo, antes de ser eleito deputado federal. Trecho do depoimento de Altivo Ovando Júnior ao Ministério Público:

"O dinheiro lhe foi entregue em uma caixa de arquivo, destas de papelão, devidamente lacrada."

Em 2007, no primeiro ano do segundo mandato de Lula, o Brasil foi atormentado pelas sucessivas denúncias de corrupção contra o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado e protegido de Lula. Uma das acusações contra Renan foi feita pelo advogado Bruno Miranda Ribeiro Brito Lins, em depoimento à Polícia Civil de Brasília.

Bruno Miranda, afilhado de casamento de Renan Calheiros, denunciou que pelo menos em seis ocasiões foi encarregado pelo lobista Luiz Garcia Coelho, amigo e sócio de Renan, de buscar dinheiro, supostamente de propina. Bruno Miranda havia sido casado com a filha do lobista. O advogado confessou:

- Às vezes, tinha muito dinheiro. Depois parava, vinha pouquinho. Que eu tive acesso, o maior foi de R$ 3 milhões no BMG. Peguei uma sacola.

Em seu depoimento, Bruno Miranda relatou que em 2005 viajou de carro a Belo Horizonte, para apanhar um pacote com R$ 300 mil em notas de R$ 100 e R$ 50, que seria repartido em Brasília. O advogado revelou que a propina facilitou uma negociata no INSS (Instituto Nacional de Seguro Social), presidido na época pelo deputado Carlos Bezerra (PMDB-MT), ligado a Renan Calheiros. A história vai ser contada adiante. De qualquer forma, Bruno Miranda contou que levou R$ 150 mil a Carlos Bezerra no hotel Metropolitan.

O advogado também envolveu na tramoia outro aliado de Renan, o senador Romero Jucá (PMDB-RR). Ministro da Previdência Social e responsável pelo INSS no primeiro mandato de Lula, Romero Jucá foi afastado depois da abertura de inquérito para investigar o envolvimento dele com desvio de empréstimos e com propriedades rurais fantasmas. No segundo mandato, Lula escolheu Romero Jucá como líder do Governo no Senado.

Um motorista de Romero Jucá, aliás, chegou a admitir ter feito um saque de R$ 50 mil na agência do Banco Rural do Brasília Shopping:

- Eu só cheguei lá e disse: "Meu nome é Roberto Jefferson Marques". Aí, o cara falou: "Ah, tudo bem". Só isso. E me entregou um envelope amarelo, grampeado em cima. Não abri, não fiz nada.

Ao denunciar o escândalo do mensalão ao STF (Supremo Tribunal Federal), o procurador-geral da República, Antonio Fernando Barros e Silva de Souza, afirmou em seu relatório que o líder do PMDB na Câmara, deputado José Borba (PR), compareceu ao Banco Rural do Brasília Shopping para sacar R$ 200 mil. Recebeu o dinheiro das mãos de Simone Vasconcelos, a prestativa auxiliar de Marcos Valério. Do relatório do procurador-geral, ao explicar que Borba procurara o tesoureiro do banco, João Francisco de Almeida Rego:

"Todavia, José Borba recusou-se a assinar qualquer documento que comprovasse o recebimento da importância acima, fazendo com que Simone Vasconcelos se deslocasse até essa agência, retirasse, mediante a sua própria assinatura, a quantia acima informada, e efetuasse a entrega desse numerário ao então parlamentar."

Denunciado por envolvimento no escândalo do mensalão, José Borba renunciou ao mandato. Ele teria sido encarregado de receber, quase sempre à noite, uma fila de deputados do PMDB, numa sala da Câmara. Um total de 55 deputados do PMDB, todos da base aliada do governo Lula, teriam recebido mensalões. As quantias teriam variado de R$ 10 mil a R$ 200 mil, dependendo do cacife de cada um. O procurador-geral só acusou o líder Borba.

Um dos operadores do PMDB teria sido o advogado Roberto Bertholdo, assessor de José Borba e integrante do Conselho de Administração da hidrelétrica de Itaipu, nomeado no governo Lula. Bertholdo teria viajado em jatinho particular com uma caixa de papelão abarrotada com R$ 8 milhões em dinheiro vivo. Ficou com medo de transportar a quantia?

- Que perigo, o quê? Eu tô operando para o governo.

Antonio Celso Garcia, o "Tony Garcia", foi amigo de Bertholdo. Depois, acusou-o:

- O Bertholdo nunca andava com menos de R$ 50 mil, R$ 100 mil em dinheiro. Ele falava que era para fazer coisas eventuais, atender um ou outro.

Roberto Bertholdo também acusou, mas mirou o líder do PP (Partido Progressista), deputado José Janene (PR), outro a cumprir importante papel na base aliada do governo Lula, durante o primeiro mandato da administração do PT. Aqui, Bertholdo também envolveu um doleiro, Alberto Youssef. Afirmou ter visto o homem levar sacolas de dinheiro ao apartamento de José Janene em Brasília, para subornar parlamentares que apoiavam Lula:

- Por pelo menos três vezes. Uma vez, ele abriu uma sacola para mostrar algo ao Janene e vi que eram reais. Em uma outra vez, as sacolas eram tão pesadas que a Cleide, a cozinheira do Janene, teve que ajudar o Youssef a levar as sacolas para um aposento interno do apartamento.

De fato, o PP esteve sempre nas fileiras de sustentação do governo Lula no Congresso. E o presidente da República não poupou esforços na hora de proteger o aliado e presidente da Câmara dos Deputados, Severino Cavalcanti (PP-PE), acusado de cobrar propina de um fornecedor da Câmara. Sebastião Buani, dono do restaurante Fiorella, deu dinheiro a Severino Cavalcanti, a fim de receber autorização para reajustar o valor das refeições e a manter o estabelecimento aberto. Sebastião Buani confessou:

- O dinheiro foi entregue em envelopes pardos, nós saíamos pelos corredores com o dinheiro nas mãos, eu e ele andando pelos corredores.

Apesar dos esforços de Lula, o mensalinho de Severino Cavalcanti, no valor de R$ 10 mil, levou o presidente da Câmara a renunciar ao mandato. Severino Cavalcanti ficou com medo de ser cassado e queria se eleger novamente. Não conseguiu ser deputado em 2006, mas foi eleito prefeito João Alfredo (PE) em 2008. Segundo Buani, ele só decidiu parar de subornar o deputado depois de um pedido da filha, Gisele Buani:

- Um dia minha filha me viu contando dinheiro numa quarta-feira para pagar a propina, e disse: "Pai, sai dessa vida porque a gente não precisa disso. O senhor está deixando de pagar funcionários que moram longe e ganham pouco para pagar propina".

João Cláudio Genu, que ocupou o cargo de chefe de gabinete do deputado José Janene (PP-PR), foi apontado como responsável pela distribuição de envelopes com dinheiro a deputados do PP. Após aderir ao governo Lula, em 2003, a bancada do PP pulou de pouco mais de 20 para 56 parlamentares. Mensalinhos e mensalões variavam de R$ 5 mil a R$ 30 mil, conforme o quilate do político. A grana era distribuída na "pensão", como era conhecido o apartamento de José Janene, ou na sala da liderança do PP na Câmara.

Em depoimento à Polícia Federal, João Cláudio Genu admitiu que fez vários saques em dinheiro vivo na agência do Banco Rural do Brasília Shopping. Ele confessou retiradas no total de R$ 850 mil. Mas negou ter distribuído o dinheiro a deputados. Disse que funcionava como uma espécie de "mula", apenas transportando valores. Pegava os envelopes entregues por Simone Vasconcelos, punha dentro de uma pasta tipo 007, sem conferir, e entregava, sem mexer, na presidência do PP.

Na denúncia do procurador-geral da República, João Cláudio Genu foi acusado de receber dinheiro em malas e sacolas e também dentro de um quarto do hotel Grand Bittar ou na sede da agência de publicidade SMPB, em Brasília. Outro operador da distribuição da propina dentro do PP teria sido o deputado João Pizzolatti (PP-SC). Ele foi acusado de circular com dinheiro dentro de malas nos corredores da Câmara, protegido por funcionários da área de segurança do Congresso. Não foi denunciado.

O PL (Partido Liberal) ocupou papel de destaque na sustentação política do primeiro mandato de Lula. O presidente do partido, Valdemar Costa Neto (SP), foi acusado pela ex-mulher, Maria Christina Mendes Caldeira, de pagar as despesas sempre em dinheiro vivo:

- Teve uma época em que comecei a reclamar muito e ele passou a usar eventualmente um cartão. Mas ele mantinha um cofrão em nossa casa que parecia um armário. Tenho as notas fiscais desse cofre. Quando nos separamos, saí denunciando a existência dele. E o Valdemar mandou uma empresa ir lá retirar o cofre.

Em depoimento à Comissão de Ética da Câmara dos Deputados, Maria Christina Mendes Caldeira relatou uma conversa entre Valdemar Costa Neto e o deputado Carlos Rodrigues (PL-RJ), na qual o assunto era o suborno de parlamentares para engordar a bancada do PL:

- Ouvi a conversa e vi o dinheiro, guardado no cofre da nossa casa.

Ela ouviu conversas sobre malas de dinheiro e disse ter visto uma mala repleta de dólares destinada ao deputado maranhense Remi Trinta. Maria Christina Mendes Caldeira contou que Valdemar Costa Neto gostava de andar de jatinho e torrar dinheiro em cassinos. Em uma noite, no Uruguai, perdeu US$ 500 mil. Em outra ocasião, em Las Vegas, nos Estados Unidos, deixou R$ 300 mil num cassino. Ela revelou também:

- Na volta de uma viagem acabei trazendo, sem saber, uma mala de dinheiro.

Na CPI do Mensalão, Jacinto Lamas, que atuou como tesoureiro do PL, afirmou ter ido buscar, por orientação de Valdemar Costa Neto, pacotes, envelopes e encomendas, sempre em dinheiro vivo, na sede da SMPB em Belo Horizonte, e na agência do Banco Rural no Brasília Shopping. Quando ia pegar o numerário em hotéis, Simone Vasconcelos fazia a entrega:

- Era sempre um acerto entre o Valdemar e o Delúbio.

No segundo mandado de Lula, o PL se transformou em PR (Partido da República). Valdemar Costa Neto, que havia renunciado ao mandato para evitar possível cassação, disputou a eleição seguinte e foi novamente eleito deputado federal. Mas ficou de fora da presidência do novo partido. O PR continuou na base aliada de Lula. Em 2007, Emílio de Paula Castilho, assessor e sobrinho do deputado Aracely de Paula (PR-MG), foi preso com quase R$ 80 mil em dinheiro vivo.

A soma estava em uma caixa de papelão dos Correios, embrulhada com papel e lacrada com fita adesiva, dentro de uma mala de roupas no automóvel de Emílio de Paula Castilho. Nervoso, ele disse aos policiais que a grana era fruto da venda de um carro usado. Depois corrigiu para dois veículos. Por fim alegou que eram três automóveis, comprados por um homem com nome incerto, que teria feito o negócio sem ao menos ver o que estava comprando, "só na confiança".

Outro escândalo da era Lula que não pode deixar de ser mencionado é o dos sanguessugas, escancarado pela Polícia Federal no último ano do primeiro mandato da administração do PT. O esquema fraudulento envolveu possivelmente dezenas de deputados, prefeituras e funcionários do Ministério da Saúde. Fornecia ambulâncias a preços sobrevalorizados.

O advogado Eduardo Mahon comentou o depoimento de Maria da Penha Lino, funcionária do Ministério da Saúde presa durante a operação. Ele citou o trecho em que Maria da Penha Lino se refere ao motorista Fernando Freitas, encarregado de transportar à garagem do Congresso os donos da empresa que negociavam as ambulâncias:

- Na garagem, pegavam as malas e colocavam o dinheiro no paletó, nas meias e nas cuecas. Passavam pelo detector de metal da chapelaria. Não dava nada. Subiam à Câmara. Iam de gabinete em gabinete, fazendo os acertos. Acabava o dinheiro, voltavam para o carro e pegavam mais. Na cara dura, na cueca, na meia.

Cassado por corrupção, o ex-ministro José Dirceu resolveu desabafar à revista Piauí. Já corria o ano de 2008. José Dirceu mencionou o episódio da construção da sede do PT em Porto Alegre, em 2001. Sabia do que estava falando: na época, José Dirceu era o presidente do partido e Delúbio Soares, o tesoureiro.

De acordo com José Dirceu, a obra em Porto Alegre "foi feita só com dinheiro de caixa 2". Ele acrescentou: "era com mala de dinheiro". O ex-presidente do PT chamou de "esse pessoal" as lideranças gaúchas do partido:

- Chegava para Delúbio e falava: "Delúbio, preciso de R$ 1 milhão". Como é que alguém vai arrumar esse dinheiro assim, de uma hora para outra?

José Dirceu explicou:

- O pobre do Delúbio tinha de ir aos empresários conseguir doações. Aí, estoura o mensalão e esse pessoal vem dizer que o Delúbio era o homem da mala. O que não dizem é que a mala era para eles.

Em outro trecho da entrevista, Dirceu atacou a ex-senadora Heloísa Helena (PSOL-AL). Expulsa do PT, ela passou a denunciar condutas inadequadas de parte das lideranças do partido. O ataque de José Dirceu:

- Ela votou contra a cassação do Luiz Estevão. Votou mesmo, e por motivos impublicáveis.

Heloísa Helena reagiu, chamando José Dirceu de "ladrão dos cofres públicos" e de andar "passeando pelo Brasil e gastando todo o dinheiro que ele roubou do povo":

- Se durante toda a carreira dele de homem público medíocre e ladrão ele cometeu inúmeros atos que certamente não podem ser publicados, eu, como mulher trabalhadora, nunca fui capaz de nenhum ato impublicável.

Em 2009, a Polícia Federal desencadeou a Operação Boi Barrica e indiciou Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), um dos maiores aliados de Lula. Fernando Sarney foi acusado de montar um esquema para desviar dinheiro público usando a Valec, empresa estatal encarregada de construir a ferrovia Norte-Sul.

A relação de Fernando Sarney com a Valec se dava por intermédio do diretor de Engenharia da estatal, Ulisses Assad. Uma parte da obra, no valor de R$ 45 milhões, teria sido entregue à Lupama. Conforme as investigações, a Lupama era uma empresa de fachada ligada ao grupo de Fernando Sarney para desviar dinheiro da ferrovia.

Para pagar pelos serviços de Ulisses Assad, Fernando Sarney teria mandado propina por meio de seu motorista. Uma mala de dinheiro seguiu de Brasília para São Paulo. Os federais estavam na cola, mas não contaram com o zelador do prédio da família Sarney na capital paulista. Ele percebeu a movimentação e ajudou o motorista a entrar escondido com a mala dentro do porta-malas de um carro de Fernando Sarney. O homem se safou.

 

Capítulo 3
Lula, o chefe

O Palácio do Planalto bem que tentou abafar, mas desde o início o presidente Lula esteve no centro da crise política. O escândalo do mensalão eclodiu em 14 de maio de 2005, com a divulgação de uma gravação clandestina pela revista Veja. Maurício Marinho, funcionário dos Correios, pôs no bolso do paletó R$ 3 mil. Propina. De cara, a evidente vinculação do PTB ao esquema de corrupção. Os Correios eram área de influência do partido, uma das agremiações integrantes da base aliada do Governo Federal, capitaneada pelo PT, a legenda de Lula.

Enquanto os telejornais escancaravam a fita com as imagens de Maurício Marinho enfiando o dinheiro no bolso, Lula apressava-se em defender o deputado Roberto Jefferson (RJ), presidente nacional do PTB. Palavras de Lula, alto e bom som, em 17 de maio de 2005:

- Precisamos ter solidariedade com os parceiros, não se pode condenar ninguém por antecipação.

Lula se pronunciou durante almoço com aliados. O presidente insistiu:

- Parceria é parceria. Tem de ter solidariedade.

E arrematou, para não deixar dúvidas:

- Essa é a hora em que Roberto Jefferson vai saber quem é amigo dele e quem não é.

Lula estava preocupado. Recorda-se que, alguns meses antes, dissera a seguinte frase endereçada a Roberto Jefferson, em meio ao noticiário que especulava sobre um pagamento de R$ 10 milhões do PT ao PTB, com vistas a "comprar" o apoio dos trabalhistas às eleições municipais de 2004:

- Eu te daria um cheque em branco e dormiria tranquilo.

A gravação de Maurício Marinho trouxe outras complicações. Como se sabe, ele desandou a conversar com os interlocutores que o subornavam, sem saber que estava sendo gravado. O funcionário dos Correios mencionou uma empresa, a Novadata, pertencente a Mauro Dutra, o "Maurinho", amigo de Lula havia mais de 20 anos. A Novadata fornecia computadores para o Governo Federal. Apenas nos dois anos e meio da primeira administração Lula, faturou R$ 284,5 milhões, sendo R$ 110 milhões em contratos com a Caixa Econômica Federal, R$ 100 milhões em contratos de locação de 27.500 computadores para a Petrobras e R$ 16,2 milhões em vendas aos Correios.

Aqui uma pausa, para registrar: Lula passou o réveillon de 2001 na mansão de Mauro Dutra em Búzios, no badalado litoral do Rio. O mesmo Maurinho que fez contribuições ao PT, arrecadou dinheiro para o partido e emprestou avião a Lula. Na fita, Maurício Marinho fala de "acertos" em licitações. Descreve manobra da Novadata para superfaturar computadores. A empresa tentou fazer o preço de cada computador vendido ao governo dar um salto injustificado, de R$ 3.700 para R$ 6.000.

Logo nos primeiros dias da crise, Lula trabalhou abertamente contra a ideia de se criar uma CPI para investigar a corrupção nos Correios. Foi decisão de governo: a administração federal iria liberar dinheiro de emendas ao Orçamento a todos os parlamentares que votassem contra a CPI. Faltou combinar com os jornais.

Roberto Jefferson foi destaque no noticiário político. As incursões do presidente do PTB nos subterrâneos de Brasília revelaram várias suspeitas de corrupção. Lula

achou por bem se afastar do aliado, mas continuou a trabalhar contra a instalação da CPI. Roberto Jefferson estava cada vez mais isolado. Os estrategistas do presidente não imaginaram que o desgaste do político fluminense o levasse a uma reação explosiva.

Em 6 de junho de 2005, Roberto Jefferson concedeu uma entrevista-bomba ao jornal Folha de S.Paulo. O Brasil não seria mais o mesmo. A manchete, na primeira página, para não deixar dúvidas: "PT dava mesada de R$ 30 mil a parlamentares, diz Jefferson". O escândalo do mensalão assumiria contornos dramáticos.

Leal ao presidente que procurou protegê-lo, Roberto Jefferson tentou deixá-lo fora da crise. Mas logo implicou o superministro José Dirceu (PT-SP). A Folha de S.Paulo também reproduzia a reação de José Dirceu, assim que ouviu Roberto Jefferson falar sobre os repasses. Infere-se que a tarefa de fazer as operações de distribuição do dinheiro era de responsabilidade do tesoureiro do PT, Delúbio Soares. Palavras de José Dirceu

- Eu falei para não fazer.

Ora, se o todo-poderoso ministro da Casa Civil, braço direito de Lula, disse a Delúbio Soares para não fazer, fica implícito que a prática fora pensada, discutida e provavelmente era de amplo conhecimento do chamado "núcleo duro" do governo. Destaca-se que Delúbio tinha relação histórica com Lula.

Mas voltemos a Roberto Jefferson, que envolveu no seu relato à Folha de S.Paulo outros importantes auxiliares do presidente. Se os mencionados já não conhecessem os fatos, ficariam com a obrigação de tomar providências assim que foram informados. Afinal, Lula não poderia permanecer alheio à existência de um esquema que entregava dinheiro a parlamentares. Isso, claro, se já não soubesse muito bem o que acontecia.

Roberto Jefferson contou que levou informações sobre o mensalão ao ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes (PSB-CE). Da mesma forma que José Dirceu, deveria informar o presidente sobre o que lhe fora relatado. Assim, providências enérgicas impediriam o prosseguimento da prática de suborno. E faria isso como dever de lealdade, independentemente das suas convicções. Conforme Jefferson, Ciro Gomes lhe disse que não acreditava na história da transferência de dinheiro de caixa 2 para a base aliada.

Rodeado de ministros leais, Lula não fugiria do seu dever constitucional de determinar imediata abertura de investigações, com a finalidade de punir eventuais culpados. Outra hipótese, porém: Lula teria dado carta branca às operações de suborno. Agora, deixaria o tempo amainar a situação, confiando na falta de memória da imprensa e dos brasileiros.

Depois foi a vez de Miro Teixeira (PT-RJ), ministro das Comunicações. Os deputados José Múcio (PTB-PE) e João Lyra (PTB-AL) testemunharam a conversa na qual Roberto Jefferson pediu para Miro Teixeira contar tudo a Lula. Tem mais. Jefferson também discutiu o problema com o deputado Aldo Rebelo (PC do B-SP), o então líder do governo Lula na Câmara dos Deputados, e garante que expôs tudo ao ministro Antonio Palocci (PT-SP), outro integrante do "núcleo duro" do governo. O recado estava dado.

Aparentemente, só Miro Teixeira levou a coisa a sério. Pelo menos num primeiro momento. A prova é que informações prestadas por ele fizeram o Jornal do Brasil denunciar em manchete, em 24 de setembro de 2004: "Planalto paga mesada a deputados". Trecho de abertura da reportagem: "O governo montou no Congresso um esquema de verbas e cargos para premiar partidos fiéis ao Planalto. Chama-se mensalão".

Não houve consequências. O então presidente da Câmara, deputado João Paulo Cunha (PT-SP), prometeu instaurar sindicância para apurar a denúncia do Jornal do Brasil, mas foi tudo engavetado às pressas. E Miro Teixeira capitulou. Antes disso, no entanto, havia narrado o caso a Lula. Aí é que a coisa pega. Miro Teixeira era oriundo do PDT (Partido Democrático Trabalhista), mas se transferira para o PT e assumira a liderança do governo Lula na Câmara dos Deputados. O episódio aconteceu logo após o escândalo que culminou com a saída de Waldomiro Diniz do Ministério da Casa Civil, no primeiro grande caso de corrupção da era Lula, a ser relatado adiante.

Miro Teixeira, no papel de líder, era assediado por deputados que temiam pelo fim da "mesada" fornecida pelo governo, uma hipótese aventada com a saída de Waldomiro Diniz. Afinal, o assessor de José Dirceu, defenestrado da Casa Civil, cuidava justamente da relação da administração federal com o Congresso. Miro Teixeira foi duro. Em 25 de fevereiro de 2004, disse ao presidente que deixaria a liderança do governo. Não aceitava os pagamentos. Com ar de surpresa, Lula garantiu desconhecer o assunto. E disse que iria discuti-lo, sem falta, com José Dirceu. Nada. Pouco mais de um mês depois, Miro Teixeira voltou ao Palácio do Planalto e pediu para sair da liderança. Infelizmente, não levou o caso até as últimas consequências. Substituiu-o o deputado Professor Luizinho (PT-SP), que viria posteriormente a ser acusado de envolvimento no mesmo escândalo do mensalão.

Em 5 de janeiro de 2005, Roberto Jefferson levou o assunto diretamente a Lula. Quem testemunhou foi o ministro Walfrido dos Mares Guia (PTB-MG), do Turismo. Nenhuma providência tomada. Roberto Jefferson voltou a Lula novamente, em 23 de março de 2005. Desta vez, várias pessoas ouviram a conversa sobre as "mesadas do Delúbio". Jefferson expôs tudo. Presenciaram José Dirceu, Aldo Rebelo e José Múcio. Todos os três, aliás, já sabiam do assunto. Além deles, ouviram o relato o deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP) e o chefe de gabinete de Lula, Gilberto Carvalho (PT-SP). Da mesma forma, eles não poderiam mais alegar desconhecimento. Jefferson afirmou:

- Presidente, o Delúbio vai botar uma dinamite na sua cadeira.

Reação de Lula:

- Que mensalão?

Interessante destacar que no segundo mandato de Lula, Walfrido dos Mares Guia e José Múcio, braços direito e esquerdo de Roberto Jefferson no PTB até eclodir o escândalo do mensalão, seriam promovidos por Lula. Walfrido iria do morno Ministério do Turismo para o chamativo Ministério das Relações Institucionais, exatamente para ser o responsável pela relação do governo com o Congresso. E Múcio sairia da liderança do PTB para a liderança do governo na Câmara. E quando Walfrido fosse afastado depois da acusação de envolvimento com o chamado mensalão mineiro, Lula não teria dúvidas: promoveria mais uma vez Múcio, nomeando-o ministro das Relações Institucionais. Em 2009, Lula recompensaria os bons serviços prestados por Múcio, indicando-o para uma vaga no TCU (Tribunal de Contas da União).

Por que os aliados de Roberto Jefferson assumiram papéis de destaque na administração Lula? É simples: porque blindaram Lula no episódio das denúncias de Roberto Jefferson. Não respaldaram nem deram eco às acusações que poderiam levar ao impeachment do presidente. E foram recompensados por terem sido leais.

Mas voltemos uma vez mais no tempo. Houve outro episódio, dez meses antes daquele encontro entre Jefferson e Lula, em 23 de março de 2005. Ocorreu na noite de 25 de maio de 2004. O curioso é que, desta vez, Lula introduziu o assunto. A comitiva do presidente estava em viagem oficial à China. Lá pelas tantas, depois do farto jantar, Lula se virou para o deputado Paulo Rocha (PT-PA) e perguntou se ele já ouvira falar do pagamento de mesadas a parlamentares. Para entender: durante os desdobramentos do escândalo do mensalão, Paulo Rocha preferiu renunciar ao mandato a correr o risco de ser cassado, justamente por ter feito saques de dinheiro de caixa 2. Rocha negou a história, obviamente. Mas outros três deputados que estavam no jantar na China confirmaram a veracidade da conversa à revista Veja.

Com a explosão do escândalo do mensalão, Aldo Rebelo (PC do B-SP) foi escalado para falar em nome do Palácio do Planalto. Admitiu que Lula ouvira mesmo o relato de Jefferson em 23 de março de 2005, mas tratou de proteger o presidente. Para Rebelo, a denúncia envolvia o PT e outros partidos, não o governo. Ora, o PT é o partido de Lula. E os outros partidos dão sustentação política ao governo Lula. Estavam sendo pagos para isso. Como protegê-lo?

O líder de Lula no Senado, Aloizio Mercadante (PT-SP), tentou explicar a reunião de 23 de março:

- Nenhum dos presentes tratou aquilo como denúncia, nem discutiu o assunto na reunião. Depois, Lula chamou Aldo e Chinaglia e perguntou se havia comentários sobre isso na Câmara. Não houve denúncia, apenas o relato de boato.

Para Aloizio Mercadante, portanto, Lula, o grande beneficiário da maioria forjada para apoiar o seu governo no Congresso, não tinha providências a tomar sobre o assunto. Pois, afinal, não havia "comentários" sobre o tema.

A Folha de S.Paulo ainda circulava com a denúncia de Roberto Jefferson sobre o mensalão naquele 6 de junho de 2005, quando o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), veio a público revelar que dois deputados receberam propostas para se transferir à base aliada do governo Lula, em troca de dinheiro. Mais lenha na fogueira.

Pior: em 5 de maio de 2004, Marconi Perillo já havia levado o fato diretamente ao conhecimento de Lula. Na época, o presidente disse que iria apurar. Não fez nada. De qualquer forma, não teria sentido dizer que não sabia do assunto. Meses depois, fustigado, o Palácio do Planalto se posicionou sobre o episódio por meio de nota. Informou que Lula não se recordava de nenhum comentário do governador Marconi Perillo a respeito de uma tentativa de suborno de deputados. Mais uma vez, Lula foi convenientemente escondido.

Em 12 de junho de 2005, nova entrevista de Roberto Jefferson à Folha. Ele deu detalhes da conversa com Lula, dentro do gabinete do presidente:

- Ele me pediu que explicasse como funcionava o mensalão. Eu disse. Depois ele se levantou, me deu um abraço e eu saí.

Na entrevista, a chave para entender por que o escândalo do mensalão não foi contido nos bastidores da política, e virou mesmo um escândalo. Roberto Jefferson relatou à repórter Renata Lo Prete a primeira conversa com Lula para falar dos repasses, em janeiro de 2005. Roberto Jefferson esforçou-se em salvaguardar o presidente:

- E vi a reação dele de perplexidade. E então as coisas pararam. Mas o que eu estranho é que a Abin, depois que eu disse isso ao presidente Lula, parte para mandar arapongas contra o PTB. Alguém, dentro do governo, não gostou que nós passamos essa informação ao presidente.

O "alguém" de Jefferson era o ministro José Dirceu. Teria sido acionado por Lula. E a Abin (Agência Brasileira de Inteligência) entrara em ação, segundo o presidente do PTB. No final das contas, mostrou-se desastrosa a estratégia de fuçar a vida de Jefferson para descobrir podres do deputado, com vistas a obter o seu silêncio. Ele não aceitou a chantagem. O tiro saiu pela culatra.

Dia 13 de junho de 2005, o seguinte à entrevista da Folha: a assessoria de José Dirceu divulgou informações segundo as quais o relacionamento entre o ministro da Casa Civil e o presidente Lula era excelente. Bobagem. O importante do "recado" de José Dirceu estava na frase que, segundo a assessoria, o ministro havia proferido. A fala de Dirceu foi divulgada como sendo textual, entre aspas, e serviu para definir a sua relação com Lula:

- Não faço nada que não seja de comum acordo e determinado por ele.

Estava tudo aí. Dirceu, ao travar combate para não ser expelido do governo, fez ameaça velada a Lula, como quem diz: "Não ouse me fritar, muito menos me demitir. Sei demais. Posso e vou comprometê-lo". Mas ficou nisso. Dirceu jamais fez nada, apesar de, em outros momentos da crise, ter voltado a insinuar que poderia pôr o dedo na ferida. Chegou a alfinetar o presidente em algumas ocasiões, como da vez que fez críticas a Fábio Luís Lula da Silva, o "Lulinha", em entrevista concedida no início de 2008 à revista Piauí.

O mais importante da frase em que Dirceu deu o "recado" a Lula, porém, é a confissão de que agia conforme o acertado com o presidente. Por si só, a frase deveria ter se constituído em elemento de peso para justificar a abertura de processo por crime de responsabilidade contra Lula.

Em 14 de junho de 2005, Roberto Jefferson prestou depoimento ao Conselho de Ética da Câmara dos Deputados. Foi um dia histórico. Ele pediu o afastamento de José Dirceu do governo. Na prática, sentenciou à queda o homem mais importante da história do PT, depois de Lula:

- Zé Dirceu, se você não sair daí rápido, você vai fazer réu um homem inocente, o presidente Lula.

Para complicar as coisas, entrou em cena Fernanda Karina Ramos Somaggio, ex-secretária de Marcos Valério. A essa altura, Marcos Valério, o empresário dono de agências de publicidade e principal operador do mensalão, já era uma celebridade. Fernanda Karina disse em entrevista à revista Isto É Dinheiro que Marcos Valério tinha comunicação direta com José Dirceu.

O superministro de Lula também foi acusado de receber dinheiro do esquema de corrupção montado em Santo André (SP). Quem fez a denúncia foi Francisco Daniel, irmão do ex-prefeito Celso Daniel (PT). Aqui, Lula voltou ao centro da crise. Francisco Daniel disse que o chefe de gabinete de Lula, Gilberto Carvalho, transportou R$ 1,2 milhão de propina em seu carro. A origem do dinheiro, devidamente entregue ao então presidente nacional do PT, José Dirceu, seria a propina arrecadada na Prefeitura de Santo André.

José Dirceu foi afastado do governo em 16 de junho de 2005. Fazendo-se de alheio aos problemas, como sempre, Lula deu entrevista em Luziânia (GO) para dizer que as denúncias eram "vazias". Entrementes, nos bastidores de Brasília, o presidente trabalhava para frustrar a CPI dos Bingos, uma nova fonte de investigações contra o seu governo. Prometeu mundos e fundos para quem ficasse ao seu lado, mas não impediu a instalação da comissão.

Um episódio que mostrou Lula como sujeito atuante nos bastidores de seu governo, e não alguém sempre por fora dos "detalhes" comprometedores, como procurava se mostrar. Foi o caso da "simples" nomeação do diretor de Engenharia da empresa estatal Furnas Centrais Elétricas. O assunto relatado por Roberto Jefferson ocupou várias páginas de jornal. Não era para menos. O diretor, Dimas Toledo, administrava, de acordo com Roberto Jefferson, uma "sobra" de R$ 3 milhões ou R$ 4 milhões por mês, dependendo da versão, dinheiro abocanhado quase integralmente pelo PT.

O caso Furnas acabou contribuindo para o desgaste da relação PT/PTB, pois o partido de Roberto Jefferson não aceitava ficar à margem, relegado a um segundo plano. Pois bem: na partilha de cargos do governo, ficou combinado que Jefferson exerceria influência em Furnas. Ele queria trocar Dimas Toledo. Lula era simpático ao pleito do PTB. O presidente dissera a Jefferson:

- Roberto, por que está demorando tanto?

Lula não aceitaria argumentação alguma que prejudicasse o PTB:

- Nada disso. O Dimas vai sair.

No caminho, porém, estava José Dirceu, aparentemente cioso da fortuna em comissões e propina. Quando a casa caiu, Roberto Jefferson contou a história aos jornais. A reação instantânea do Palácio do Planalto foi afastar todos os citados, inclusive Dimas Toledo. Mas a história de Roberto Jefferson revelou que Lula tinha pleno conhecimento do que se passava nos porões do governo e palpitaria nas nomeações para cargos de escalões inferiores.

Outro caso vinculado diretamente a Lula ocorreu em 8 de julho de 2005, a partir de notícia publicada pelo jornal O Globo. A Telemar, uma das maiores operadoras de telefonia do País, investira R$ 5 milhões na pequena Gamecorp, de Fábio Luís Lula da Silva, o "Lulinha". Como se sabe, a Telemar fora constituída com recursos de origem pública, provenientes do Banco do Brasil, BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e fundos de pensão de empresas estatais. Além disso, era empresa concessionária de serviço público, regulada pelo Governo Federal.

O negócio Telemar/Gamecorp foi intermediado pela consultoria de Antoninho Marmo Trevisan, outro amigo de Lula. Para o presidente, porém, nada de errado. A reação dele, nervosa, pretendendo pôr um ponto final no assunto que envolvia seu filho:

- Estão querendo mexer na minha vida privada. Isso é uma baixaria, um golpe baixo, um desrespeito. Isso é irracional.

Voltemos a um acontecimento importante, ocorrido em 17 de junho de 2005. Lula deu a famosa entrevista em Paris, divulgada com exclusividade pelo programa Fantástico, da Rede Globo. O impressionante da história foi o coro do presidente ao que acabara de ser dito por Marcos Valério e Delúbio Soares, ambos metidos até o pescoço na lambança do escândalo do mensalão. A estratégia dos três, apesar da diferença de tom das intervenções, foi a mesma: negar os pagamentos a parlamentares, ou seja, o crime de corrupção, e pôr tudo na conta de simples repasses para quitar dívidas de campanha, usando caixa 2. Um crime menor, portanto, apenas eleitoral. Para Lula, o PT fez o que é feito no Brasil, sistematicamente:

- E não é por causa do erro de um dirigente ou de outro que você pode dizer que o PT está envolvido em corrupção.

Enquanto Lula minimizava a crise, o senador Pedro Simon (PMDB-RS) acusava o que chamou de "crime de quadrilha":

- Agora, o partido está dentro do governo, e foram usadas empresas públicas como o Correios e Furnas, para fazer transações ilícitas. Favoreceram essas empresas em troca do dinheiro dado ao partido.

Difícil tapar o sol com a peneira. Olívio Dutra (PT-RS), petista histórico, foi demitido do Ministério das Cidades. Ressentido, desabafou durante entrevista: a "disputa" e a "concentração de poder no governo" fizeram crescer a "erva daninha". Referia-se à erva daninha da corrupção.

Para ajudar a entender Lula, um acontecimento de 1995, dez anos antes do escândalo do mensalão. Outro petista histórico, o economista Paulo de Tarso Venceslau, procurou o presidente para conversar. Denunciou-lhe um esquema de corrupção que envolvia o advogado Roberto Teixeira, compadre de Lula. Ele vinha usando o nome de Lula para desviar dinheiro de prefeituras do PT. Venceslau não aceitava a prática, uma forma de irrigar os cofres do partido.

O economista achou que Lula o ajudaria a extirpar o corrupto que manchava o nome do PT, mesmo que o caso envolvesse seu compadre. Resultado: Paulo de Tarso Venceslau foi expulso do partido. Quanto a Teixeira, continuou firme e forte. Venceslau concedeu entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo:

- Lula foi o primeiro a saber do caso. Sabia do comprometimento do seu compadre, sabia do volume de dinheiro público envolvido, e fez questão não só de acobertar, mas de punir quem tinha descoberto.

O economista comparou Lula nos dois casos. Na década de 90, candidato a presidente, ao ser informado das andanças de Teixeira atrás de comissões em prefeituras, e depois, presidente da República, com o escândalo do mensalão:

- Eu levei para ele, pessoalmente. E o tempo todo fingiu que não sabia. Evidentemente que Lula não operava, assim como não está operando hoje. Mas como ele sabia naquela época, ele sabe hoje, sempre soube.

Depoimento de José Dirceu ao Conselho de Ética da Câmara. Quem roubou a cena foi Roberto Jefferson. Veio à tona a operação Portugal Telecom. Os fatos: o ministro Walfrido dos Mares Guia pediu ajuda a Lula para resolver problemas financeiros do PTB. Com o suposto conhecimento do presidente, Marcos Valério e Emerson Palmieri, tesoureiro do PTB, viajaram a Lisboa atrás de uma "comissão" que poderia chegar a R$ 100 milhões. A jogada pressupunha uma transferência de US$ 600 milhões do IRB (Instituto de Resseguros do Brasil), outro órgão do governo brasileiro envolvido nas denúncias. Se desse certo, os R$ 100 milhões irrigariam os caixas 2 do PT e do PTB. Marcos Valério chegou a Portugal se dizendo "consultor do presidente do Brasil". E ele era mesmo.

Mais uma história apimentada misturando Lula e caixa 2. Foi publicada em 4 de agosto de 2005, pelo jornal O Estado de S. Paulo. Diz respeito a uma entrevista do presidente ao Programa do Ratinho, do SBT, em 2004. A aparição de Lula na televisão teria sido comprada com R$ 2,1 milhões do valerioduto, como ficou conhecido o canal pelo qual corria o dinheiro movimentado por Marcos Valério. A soma teria viabilizado um acerto entre o deputado José Borba (PMDB-PR), aliado do governo, e o apresentador de televisão Carlos Roberto Massa, o "Ratinho". As partes negaram, obviamente. Dias depois, o escândalo do mensalão levaria Borba a renunciar ao mandato.

Um caso intrigante, o da exoneração de Márcio Araújo de Lacerda (PSB-MG), então secretário-executivo do ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes (PSB-CE). Márcio Lacerda, que seria eleito prefeito de Belo Horizonte em 2008, estava na lista de sacadores de Marcos Valério, agraciado com R$ 457 mil. O dinheiro teria sido usado para pagar os serviços publicitários de uma agência que trabalhou na campanha de Lula, no segundo turno de 2002, conforme admitiu o tesoureiro Delúbio Soares. A eleição de Lula, portanto, teria sido irrigada com dinheiro de caixa 2. O caso repercutiu durante o depoimento de Delúbio Soares à CPI do Mensalão. Eis o diálogo travado entre Delúbio Soares e o deputado Júlio Redecker (PSDB-RS), que faleceu em 2007 no desastre com o avião da TAM no aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Pergunta de Júlio Redecker:

- O dinheiro foi enviado para Ciro Gomes?

- Sim.

- Pagou despesas de campanha de Ciro ou Lula?

- De Ciro.

- Mas Ciro disse que foi serviço prestado pelo marqueteiro dele no segundo turno à campanha de Lula.

- Não foi. O dinheiro pagou serviços prestados pelo (publicitário) Einhart à campanha de Ciro no segundo turno.

- Mas Ciro não foi candidato no segundo turno. Ele apoiou a candidatura Lula.

- O Einhart trabalhou com o Duda Mendonça. Eles filmaram o Ciro para o programa de Lula no segundo turno. O dinheiro pagou despesas que o Ciro teve no segundo turno.

- Então o dinheiro de Valério, de caixa 2, pagou despesas de campanha de Lula no segundo turno.

Delúbio silenciou.

A crise assumiu contornos dramáticos em 11 de agosto de 2005. O publicitário Duda Mendonça confessou à CPI dos Correios que recebeu R$ 10,5 milhões de Marcos Valério em depósitos no exterior. Note-se bem: trata-se de dinheiro de caixa 2, não declarado, sem origem definida, usado para pagar serviços prestados na campanha de 2002, no pleito que elegeu Lula. Dia seguinte, em discurso no Planalto, Lula quis dar fim ao caso:

- O PT tem que pedir desculpas. O governo, onde errou, tem que pedir desculpas.

Em 13 de agosto de 2005, a revista Época publicou entrevista com Valdemar Costa Neto (PL-SP), o primeiro deputado a renunciar durante as investigações do escândalo do mensalão. Em foco, uma reunião ocorrida em 2002 para decidir o apoio do PL ao PT e a indicação de José Alencar para vice de Lula.

O encontro se deu no apartamento do então deputado Paulo Rocha (PT-PA), em Brasília. Paulo Rocha, aliás, também renunciaria em 2005, com medo de ser cassado, depois de não conseguir negar a sua participação no esquema de corrupção. Lula estava presente à reunião no apartamento de Paulo Rocha. Depois de árdua negociação, durante a qual Lula, discreto, teria se retirado a um aposento ao lado, fechou-se o acordo pelo qual o PT se prontificava a transferir R$ 10 milhões para o PL, a fim de obter o apoio do partido de José Alencar. Época perguntou a Valdemar Costa Neto:

- Lula sabia que a conversa no quarto era sobre dinheiro?

- Ele sabia. O presidente sabia o que a gente estava negociando. Olha, ele e o Zé Dirceu construíram o PT juntos. O Lula sabia o que o Dirceu estava fazendo. O Lula foi para lá para bater o martelo. Tudo o que o Zé Dirceu fez foi para construir o partido.

Note-se bem: Valdemar Costa Neto era o presidente do partido do vice-presidente da República. A sigla pertencia à base aliada do governo. A confissão dele teria sido outro elemento importante para justificar a abertura de processo por crime de responsabilidade contra Lula.

Vale registrar trecho da entrevista de Hélio Bicudo, respeitável jurista, à revista Veja. Hélio Bicudo, quadro histórico do PT, desligou-se do partido:

- Lula é um homem centralizador. Sempre foi presidente de fato do partido. É impossível que ele não soubesse como os fundos estavam sendo angariados e gastos e quem era o responsável. Não é porque o sujeito é candidato a presidente que não precisa saber de dinheiro. Pelo contrário. É aí que começa a corrupção.

- Por que o presidente não tomou nenhuma atitude para impedir que a situação chegasse aonde chegou?

- Ele é mestre em esconder a sujeira embaixo do tapete. Sempre agiu dessa forma.

Desabafo do deputado João Paulo Cunha (PT-SP), outro acusado de envolvimento no escândalo do mensalão, durante uma reunião do Campo Majoritário, a corrente do PT cujas lideranças máximas sempre foram Lula e José Dirceu. Desgastado com as notícias de corrupção, o Campo Majoritário teve o nome alterado para Construindo um Novo Brasil, no segundo mandato de Lula. De qualquer forma, João Paulo Cunha fez ameaças veladas a Lula durante aquela reunião. Reclamou de ingratidão e hipocrisia. Apesar de feitas a portas fechadas, as ameaças acabaram na imprensa. Não foram desmentidas. O envolvimento de Lula, por João Paulo Cunha:

- Quem tomou a decisão de fazer alianças? Foi o Zé Dirceu? Quem exigiu o contrato com Duda Mendonça?

Em outras palavras, Lula não só sabia, como estava por trás de tudo. Era o chefe. Continuou a ser o chefe.

Insatisfeitos com o presidente, próceres do PT mantiveram a carga sobre Lula. Em entrevista à Folha de S.Paulo em 25 de setembro de 2005, José Dirceu disse quem, em sua opinião, eram os responsáveis pela crise:

- Muita gente. Parece que eu fui presidente do PT sete anos sozinho, secretário-geral cinco anos sozinho, né? O PT não foi construído assim. Tem dezenas de dirigentes importantes que hoje são prefeitos, governadores, ministros, deputados e senadores que participaram da construção de toda essa estratégia comigo.

- E o presidente.

- E o próprio presidente da República. É isso o que eu digo. A responsabilidade é de todos nós. Nós temos que debater isso, num congresso do partido, e fazer o balanço.

- O senhor acha que o presidente da República assume a responsabilidade que tem?

- Não quero nominar ninguém. O que eu não aceito é prejulgamento, que foi tudo errado, que foi tudo um fracasso, que a política de alianças do PT estava errada. Tudo foi aprovado democraticamente.

José Dirceu respondeu se Lula participou das discussões:

- Participou. Todos participaram. Mas eu quero discutir e avaliar. Eu não quero julgar ninguém porque eu não quero que me prejulguem. O que não aceito é a imagem de que eu fiz tudo sozinho e depois apareceu Silvio Pereira, Delúbio Soares e Marcelo Sereno, que são o mal. Então corta esse mal e o PT está salvo. Isso é maniqueísta. E eu não mereço isso.

Em outro trecho da entrevista, o jornal faz um comentário:

- As pessoas que votaram no PT a vida inteira imaginavam que votavam num partido que tinha práticas diferentes.

- Esse é um erro e o PT vai pagar por ele. Nós vamos ter que pedir desculpas ao País. Nós assumimos compromissos na campanha eleitoral com partidos e repassamos recursos. Se fossem da arrecadação oficial do PT, não teria problema nenhum. Como foram recursos de empréstimos tomados num banco e foram repassados fora da prestação de contas, há uma ilegalidade aí que vai ser punida pela Justiça.

Como se vê, José Dirceu deu eco à estratégia que desvincula o dinheiro movimentado durante o escândalo do mensalão da prática de corrupção, atribuindo as somas entregues a políticos a empréstimos bancários. Ele também fala sobre a política de alianças e o programa de governo de Lula:

- Então estão julgando Lula também. Tem de saber qual é o julgamento e qual é o grau de responsabilidade de cada um.

- E a responsabilidade política? As pessoas votam no Lula e ele não sabe de nada? É difícil acreditar que ele ignorava tudo.

- Não é isso. É que ele não tem responsabilidade. Eu não posso atribuir responsabilidade a ele no grau dele. O Lula tem responsabilidade política porque ele era líder do PT. Mas os graus são diferentes. Não posso atribuir a ele responsabilidade sobre o caixa 2. Aí eu não vou atribuir.

- Ele não tem responsabilidade como liderança?

- Isso é uma pergunta que tem de ser dirigida a ele. Eu não vou responder por ele.

Menos de duas semanas depois, foi a vez de Lula conceder entrevista. Ele falou ao programa Roda Viva, da TV Cultura. E retribuiu à altura:

- Feliz o País que tem um político da magnitude do Zé Dirceu.

Em outro momento da entrevista, Lula volta à carga:

- Qual a acusação que existe contra o Zé Dirceu?

Uma entrevista perigosa para o presidente. O entrevistado é Silvio Pereira, o ex-secretário-geral do PT. Falou à Folha de S.Paulo, em 2 de outubro de 2005:

- A minha responsabilidade não é diferente da de nenhum outro dos 21 membros da executiva nacional do PT. O nível de decisão que eu tinha não era diferente do de nenhum dos 21 membros da executiva nacional do PT.

"Silvinho" evitou citar nomes:

- Eu assumo a responsabilidade como membro da direção do PT, em que pese a direção do PT ter realmente a noção do que estava acontecendo. Ninguém é hipócrita de achar que não sabia que existia caixa 2. Qual membro da direção do PT não sabia disso?

O repórter perguntou se o então presidente do partido, José Genoino (SP), sabia do esquema de caixa 2. Palavras de Silvinho:

- Eu pergunto: qual o membro da alta direção do PT que não poderia supor que pudesse existir?

Silvinho se desligou do PT após admitir que havia ganhado um jipe Land Rover de presente de uma fornecedora da Petrobras. Depois, assumiria a responsabilidade perante a Justiça e, para não ser processado, concordaria em prestar serviços comunitários. Saiu livre.

Um fardo pesado para Lula, o caso Santo André. Em 23 de novembro de 2005, a empresária Rosângela Gabrilli depôs à CPI dos Bingos. Trouxe à luz meandros do esquema de corrupção engendrado na administração do ex-prefeito Celso Daniel (PT).

A irmã dela, Mara Gabrilli, pediu ajuda diretamente a Lula. Esteve no apartamento do presidente em São Bernardo do Campo (SP), e conversou com ele por 20 minutos. Descreveu um quadro de extorsão contra prestadores de serviços à Prefeitura de Santo André, controlada pelo PT, como a empresa da família dela. Lula ficou de "averiguar e tomar providências". Desabafo de Mara Gabrilli, confirmando o depoimento da irmã:

- Ninguém fez absolutamente nada. Nunca tive uma resposta.

Chamada a depor na mesma CPI dos Bingos, Mara Gabrilli revelou novas informações sobre o encontro dela com Lula. Na ocasião, contara ao presidente que Sérgio Gomes da Silva, o "Sombra", estava envolvido no esquema de corrupção. Sombra também era acusado de mandar matar Celso Daniel. Durante a reunião com Mara Gabrilli, o presidente Lula virou-se para os três assessores que o acompanhavam para dizer:

- Nossa, eu achei que o Sérgio Gomes já estava muito longe.

Como sempre, Lula dissimulou. Fez que não sabia o que se passava. Conveniente. O incrível é que o tal Sombra não saía do noticiário dos jornais. Vivia prestando depoimentos a CPI, Ministério Público e Polícia Civil. Como poderia estar "muito longe"? Como o presidente seria tão desinformado?

Lula não tomou providências para resolver o problema em Santo André, conforme se comprometera. Ao invés disso, a família de Mara Gabrilli passou a sofrer pressões. Ela explicou à CPI o que aconteceu após a conversa em São Bernardo do Campo. Referiu-se ao ex-vereador Klinger Luiz de Oliveira (PT), um dos acusados de envolvimento no esquema de corrupção:

- Ocorreu justamente o contrário. Klinger soube, reclamou, e dias depois uma comissão de sindicância da Prefeitura se instalou na nossa empresa.

Além de Santo André, a crise política teve outra ramificação importante em Ribeirão Preto (SP), terra de Antonio Palocci (PT-SP). Irromperam sucessivos indícios de condutas inadequadas e corrupção na cidade, na época em que a administração municipal estava sob o comando do prefeito Antonio Palocci. Apesar da gravidade das denúncias que só se avolumavam, Lula fez reiteradas defesas do seu ministro da Fazenda.

Quanto mais era denunciada a participação de Antonio Palocci na malversação dos contratos de limpeza pública de Ribeirão Preto, mais manifestações de Lula a elogiar o ex-prefeito. Como justificar a defesa de alguém cujos procedimentos e o envolvimento em possíveis falcatruas ficava cada vez mais evidente?

O noticiário era farto: inquéritos, provas documentais e testemunhas. Principalmente os depoimentos do advogado Rogério Buratti. Ele manteve ligações estreitas com o PT, mas decidiu contar o que sabia para melhorar sua situação na Justiça. Por que, então, a solidariedade a Antonio Palocci? Aparentemente, só havia uma explicação: Antonio Palocci sabia demais. Impossível a Lula simplesmente demiti-lo e mandá-lo de Brasília de volta a Ribeirão Preto. Neste sentido, Palocci era uma pedra no sapato do presidente.

Ao admitir a hipótese de impeachment de Lula, o presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Roberto Busato, falou da proximidade do presidente com Luiz Gushiken (PT-SP), outro integrante do "núcleo duro" do Palácio do Planalto. Roberto Busato tratou do caso Visanet, ou seja, do dinheiro de publicidade do Banco do Brasil que, de acordo com as investigações da CPI dos Correios, foi desviado para o PT:

- A revelação de repasses de verba de publicidade da Visanet, ligada ao Banco do Brasil, a agências de Marcos Valério, e de distribuição a parlamentares sempre em épocas apropriadas ao governo, atingiu mortalmente o coração de Gushiken. E, ao atingir Gushiken, atinge Lula, na medida que o presidente não tomou nenhuma atitude para afastá-lo do governo. É prova inconteste de que Lula sabia exatamente de todo o esquema e estava de acordo com a sua existência.

Para Roberto Busato, não havia dúvidas:

- A participação de Lula é absolutamente baseada pela proximidade de quem sempre foi confidente e grande amigo de Gushiken. O ex-ministro realmente comandava toda a área de comunicação do Governo Federal, onde havia um desvio de dinheiro público para atividades partidárias e delituosas no sentido de corromper o Congresso Nacional.

Em depoimento à CPI dos Bingos, o economista Paulo de Tarso Venceslau apresentou mais evidências de que Lula tinha conhecimento sobre o que se passava à sua volta. Gente próxima do presidente estava exposta a denúncias de corrupção. Paulo de Tarso Venceslau relatou em 17 de janeiro de 2006 que enviara em 1995 uma carta a Lula para contar sobre as peripécias do amigo e compadre do presidente, advogado Roberto Teixeira. Na década de 80, Teixeira emprestara um imóvel para Lula morar em São Bernardo do Campo.

Roberto Teixeira representava uma empresa que vivia batendo nas portas das prefeituras do PT para obter contratos sem licitação, com base "em notas falsas e rasuradas". Apesar de informado, Lula nada fez na época. Como se vê, a coisa vinha de longe.

Insatisfeito com a falta de ação de Lula, Paulo de Tarso Venceslau procurou o senador Aloizio Mercadante (PT-SP), sempre muito próximo do presidente. Reação de Aloizio Mercadante ao ler a carta endereçada a Lula, segundo a versão não desmentida de Paulo de Tarso Venceslau:

- Ele ficou chocadíssimo e disse: "Isso é nitroglicerina pura". Mas não fez nada. Afirmava que tentava sem conseguir. O silêncio continuou.

Pergunta-se: como "tentava sem conseguir"? Mercadante tinha acesso privilegiado a Lula. Sempre teve. Em 1994, por exemplo, foi candidato a vice-presidente da República quando Lula tentou chegar ao Palácio do Planalto pela segunda vez. Se Mercadante alertou sobre a inconveniência da presença de Teixeira mas não conseguiu afastá-lo do PT, a resistência teria sido do próprio Lula. Não havia outra hipótese. Venceslau também contou tudo a Frei Betto, outro amigo histórico de Lula. Frei Betto dirigiu-se assim a Venceslau:

- Se o Lula souber que alguém está conversando com você, ele jura que aquela pessoa vai ser decapitada do partido.

Lula protegia o esquema suspeito de corrupção, engendrado por seu compadre. Ressalte-se que isso ocorreu em 1995. Desde 1993, porém, Paulo de Tarso Venceslau vinha denunciando Roberto Teixeira. Na época, Venceslau era secretário de Finanças de São José dos Campos (SP), cidade cuja prefeita era Ângela Guadagnin (PT-SP).

Ângela Guadagnin foi ouvida depois do depoimento de Venceslau. Ela admitiu outro problema, o de que Paulo Okamotto, homem de confiança do presidente Lula, percorria prefeituras do PT na década de 90. Paulo Okamotto ia atrás de listas de fornecedores das administrações. De posse dos nomes das empresas, ia a campo pedir dinheiro a quem mantinha contratos com os governos do PT. Ângela Guadagnin é outra estrela do PT que teve papel importante nos desdobramentos do escândalo do mensalão. Aqui, ela admitiu:

- O que fica desse episódio é que se conhecia o esquema de arrecadação paralela há muito tempo, desde 1993.

A coisa é anterior. Em 1989, a primeira eleição direta para presidente depois da ditadura militar. A primeira disputada por Lula. Ele mesmo, pessoalmente, pediu à então prefeita de São Paulo, Luiza Erundina, na época no PT, um esquema que alterasse a ordem cronológica dos pagamentos a empresas contratadas para fornecer bens e serviços à administração municipal.

Naquele final da década de 80, o Brasil vivia tempos de inflação galopante. Receber antes do prazo estipulado, portanto, permitiria fazer aplicações financeiras que renderiam bom dinheiro. Quem fosse contemplado com o benefício retribuiria à altura, com transferências generosas de dinheiro para o caixa 2 do PT. Luiza Erundina resistiu.

Em 1998, Lula foi candidato a presidente pela terceira vez. Em 9 de fevereiro de 2006, depôs ao Ministério Público o ex-secretário de Habitação de Mauá (SP), Altivo Ovando Júnior. No ano de 1998, aquela cidade da Grande São Paulo estava sob comando do prefeito Oswaldo Dias (PT). De acordo com o depoimento de Altivo Ovando Júnior, Lula pressionou por dinheiro para financiar a sua campanha eleitoral. Do depoimento:

"O declarante se recorda de que, no pleito de 1998, o presidente Lula compareceu no gabinete do prefeito de Mauá, oportunidade em que, utilizando termos chulos, cobrou de Oswaldo Dias maior arrecadação de propina em favor do PT."

Durante o depoimento, foi reproduzida frase atribuída a Lula:

"Ele dizia: ‘Pô, Oswaldão, tem que arrecadar mais, faz que nem o Celso Daniel em Santo André. Você quer que a gente ganhe a eleição como?"

Naquele ano, Lula voltou a perder, pela terceira vez consecutiva. Mas, em 2002, disputou novamente e foi eleito presidente da República. Passou a despachar no gabinete do terceiro andar do Palácio do Planalto. Após mais de três anos como o mais alto mandatário do País, ficaria difícil acreditar que não soubesse o que acontecia na sala bem ao lado da sua, ocupada durante parte daquele período de turbulência pelo superministro Antonio Palocci (PT-SP). E ali se urdiu a conspiração contra o caseiro Francenildo Santos Costa.

O rapaz havia desmascarado Antonio Palocci. Contestou as mentiras do ministro. Antonio Palocci procurava um meio de negar o impossível, o fato de ter sido um frequentador da "casa dos prazeres". A mansão fora alugada em Brasília pela "república de Ribeirão Preto", como ficou conhecido o grupo de colaboradores do então ministro, e costumava ser reduto para festas com garotas de programa.

Lula participou ativamente da tentativa de blindar Palocci. O presidente teria tramado o recurso ao STF (Supremo Tribunal Federal) para suspender o depoimento de Francenildo Santos Costa à CPI dos Bingos. As investigações sobre o caso mostraram que Lula fora informado pessoalmente da ordem de Palocci para a violação do sigilo bancário do caseiro. Jorge Mattoso, o então presidente da Caixa Econômica Federal, avisara-o em 24 de março de 2006.

A rigor, Lula já recebera informações a respeito quatro dias antes, em 20 de março, quando o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, relatou ao presidente o envolvimento de Antonio Palocci na quebra do sigilo. Palocci só seria afastado em 27 de março, uma semana depois. Naquele momento, não havia mais jeito de desvinculá-lo do crime. Durante todo o escândalo, para variar, Lula deu uma de quem não sabia de nada.

No auge da crise, em 23 de março, houve uma reunião na casa de Antonio Palocci. A revista Veja relatou que um sindicalista nomeado por Lula na vice-presidência da Caixa Econômica Federal fora escolhido para subornar algum funcionário da Caixa, com R$ 1 milhão. A ideia era encontrar alguém para assumir a violação do sigilo.

O tal sindicalista, Carlos Augusto Borges, era homem de confiança de Lula. Será possível que o presidente não soubesse da missão de Borges? Ou, ao contrário, teria sido exatamente o presidente quem o sugerira para pilotar a operação de suborno? Tudo indica que Lula considerava sua obrigação fazer o que estivesse ao alcance para salvar Antonio Palocci, que tantos serviços lhe prestara, desde a campanha eleitoral de 2002.

Lembra-se que foi Antonio Palocci quem assumiu o papel de coordenador daquela campanha, depois da morte de Celso Daniel. Infere-se que Antonio Palocci fez o que Celso Daniel estaria fazendo. Sabe-se que, depois da reunião na casa de Palocci, o ministro da Fazenda e Márcio Thomaz Bastos foram se encontrar com Lula no Palácio do Planalto.

Em 16 de abril de 2006, o ex-governador do Rio, Anthony Garotinho, concedeu entrevista à Folha de S.Paulo. Ele reproduziu as palavras de José Dirceu ao procurá-lo na véspera da votação do processo que cassou o mandato de deputado de José Dirceu. O ex-ministro queria o apoio de Anthony Garotinho para não perder o cargo. José Dirceu teria dito assim:

- Saiba que tudo o que fiz, tudo, fiz porque o Lula mandou. Você acha que ia mandar bloquear o dinheiro do Rio e o Palocci iria obedecer? Todo político tem alguém que faz o lado mau. Estou pagando agora por ter feito o lado mau.

Publicada a entrevista, o comentário do ex-deputado José Dirceu, devidamente cassado, sobre a declaração de Anthony Garotinho:

- Não vou bater boca com ele.

Informações que vieram a público e não foram desmentidas, durante a segunda quinzena de abril de 2006, davam conta de que José Dirceu, depois de cassado, continuou a se reunir com Lula e integrantes do Governo Federal. Fora incumbido pelo presidente de tocar tarefas estratégicas, como a de se encontrar com o ex-presidente Itamar Franco, com quem Lula tentava uma aproximação política. A rigor, José Dirceu continuaria a cumprir missões para as quais seria designado por Lula no segundo mandato do presidente. Exemplos: a articulação em defesa do mandato do senador José Sarney (PMDB-AP), acusado de quebra do decoro parlamentar; o estreitamento dos laços políticos entre PT e PMDB; e a costura política em prol da candidatura da ministra Dilma Rousseff (PT-RS) à Presidência da República em 2010.

Se Lula manteve relacionamento estratégico com José Dirceu, era falácia o discurso do presidente de que fora apunhalado pelas costas no escândalo do mensalão. O afastamento de José Dirceu de seu governo teria sido só um jeito de manter as aparências. Mesmo nos bastidores, Dirceu era essencial a Lula.

José Dirceu pagou caro. Foi cassado justamente por ter sido apontado como o responsável pelo esquema de corrupção. Ele apenas o operava. E como Lula não interrompeu a parceria com José Dirceu, era conversa mole a de que o presidente havia sido traído.

Este livro é um empenho pela memória. Tantos os caminhos da corrupção, dos personagens corruptores e corrompidos, que ao longo dos 403 dias da crise do escândalo do mensalão fizeram esquecer e cansar. Ficamos anestesiados, descrentes. Temos de lembrar.

Lula não queria a verdade. Nunca a quis. O chefe de tudo foi, desde o início, como se verá no dia a dia dos acontecimentos, o próprio presidente Lula.

 

 

 

Compartir este post
Repost0
28 diciembre 2010 2 28 /12 /diciembre /2010 20:36

 

 
Lista de escândalos de corrupção no Brasil nos traz uma gama de eventos de corrupção desde 1974 até os dias do Lula-lá.
 
List of corruption scandals in Brazil from 1974 to the days of Lula da Silva.
  
  
  

corruptos_capa.jpg

  • Lula-lá corrupção

 

O tópico Lista de escândalos de corrupção no Brasil nos traz uma gama de eventos de corrupção desde 1974 até os dias do Lula-lá.

Para relembrar clique aqui no título Lista de escândalos de corrupção no Brasil.

Anexo:Lista de escândalos políticos no Brasil – Wikipédia, a … Esta é uma Lista de Escândalos políticos no Brasil. Fatos políticos marcantes chamados de escândalos, ….. Diário do Comércio – Museu da Corrupção …
pt.wikipedia.org/…/Anexo:Lista_de_escândalos_políticos_no_Brasil –

Década de 2000
—————–
Caso Luís Estêvão
Escândalo da Quebra do Sitio do Painel do Senado (envolvendo os presidentes do Senado, Antônio Carlos Magalhães e Jader Barbalho)
Escândalos no Cerrado em 2001 [carece de fontes?]
Caso Toquinho do PT
Caso Celso Daniel
Caso Lunus (ou Caso Roseana Sarney)
Operação Anaconda
Caso José Eduardo Dutra
Escândalo do Propinoduto
Escândalo do Valerioduto [carece de fontes?]
CPI da Pirataria [carece de fontes?]
Escândalo dos Bingos(ou Caso Waldomiro Diniz)
Caso Luiz Augusto Candiota [carece de fontes?]
Caso Kroll

 

 

Escândalo dos Vampiros [carece de fontes?]
Irregularidades na Bolsa-Família [carece de fontes?]
Escândalo dos Correios (Também conhecido como Caso Maurício Marinho)
Escândalo do IRB [carece de fontes?]
Escândalo da Novadata [carece de fontes?]
Escândalo da Usina de Itaipu ou Operação Castores [carece de fontes?]
Escândalo das Furnas [carece de fontes?]
Escândalo do Mensalão

 
 

 

 


Escândalo do Leão & Leão [carece de fontes?]
Escândalo da Secom [carece de fontes?]
Escândalo do Brasil Telecom (também conhecido como Escândalo do Portugal Telecom ou Escândalo da Itália Telecom) [carece de fontes?]
Escândalo da CPEM [carece de fontes?]

PT arrecada R$ 89 milhões para campanha da reeleição

 

 

Mensalão Tucano
 

Escândalo dos Dólares na Cueca [carece de fontes?]
Escândalo do Banco Santos
Escândalo Daniel Dantas – Grupo Opportunity (ou Caso Daniel Dantas)
Escândalo do Banco BMG (Empréstimos para aposentados)
Escândalo dos Fundos de Pensão
Escândalo dos Grampos na Abin [carece de fontes?]
Escândalo do Foro de São Paulo [carece de fontes?]
Escândalo do Mensalinho
Caso Toninho Barcelona [carece de fontes?]
Doação de Roupas da Lu Alckmin (esposa do Geraldo Alckimin)
Escândalo da Nossa Caixa
Escândalo da Quebra do Sigilo Bancário do Caseiro Francenildo (Também conhecido como Caso Francenildo Santos Costa)
Escândalo das Cartilhas do PT [carece de fontes?]
Escândalo dos Gastos de Combustíveis dos Deputados
Escândalo das Sanguessugas (Inicialmente conhecida como Operação Sanguessuga e Escândalo das Ambulâncias)
Operação Confraria
Operação Dominó
Operação Saúva
Escândalo do Vazamento de Informações da Operação Mão-de-Obra [carece de fontes?]
Mensalinho nas Prefeituras do Estado de São Paulo
Escândalo do Dossiê
Escândalo da Renascer em Cristo
Operação Testamento [carece de fontes?]
CPI da Ampla [carece de fontes?]
CPI da Crise Aérea (Senado Federal e Câmara dos Deputados) [carece de fontes?]
Operação Hurricane (também conhecida Operação Furacão)
Operação Octopus [carece de fontes?]
Operação Navalha
Operação Carranca[carece de fontes?]
Operação Xeque-Mate
Operação Moeda Verde
Caso Renan Calheiros
Escândalo das Concessões (Concessões de Emissoras de Rádio e TV no Caso Renan Calheiros}
Operação Sétimo Céu [carece de fontes?]
Operação Hurricane II (também conhecida Operação Furacão II) [carece de fontes?]
Caso Joaquim Roriz (ou Operação Aquarela)
Operação Babilônia [carece de fontes?]
Operação Firula [carece de fontes?]
Escândalo do Corinthians (ou caso MSI)
Caso de Fraudes em Exames da OAB
Operação Águas Profundas (também conhecida como Caso Petrobras)
Caso Cássio Cunha Lima (em Paraíba)
Operação Nove [carece de fontes?]
CPI da Pedofilia [carece de fontes?]
Escândalo dos cartões corporativos
Caso Bancoop
Esquema de desvio de verbas no BNDES
Máfia das CNH’s (Fraudes no DETRAN de São Paulo)
Caso Álvaro Lins, no Rio de Janeiro
Operação Satiagraha Prisão de Daniel Dantas
Dossiê Revista VEJA
Crise Ética da Imprensa Potiguar (Atingiu seu auge nas eleições municipais de 2008)
Operação Selo [carece de fontes?]
Operação Deja Vu [carece de fontes?]
Escândalo das passagens aéreas [carece de fontes?]
Escândalo dos atos secretos

 


 

 

Escândalo dos falsos currículos de Dilma e Mercadante
Escândalo da Receita Federal – Lina Vieira
Censura ao jornal O Estado de São Paulo
Escândalo do BNDES – Paulinho da Força Sindical
Escândalo do conselho do FAT
Escândalo da compra de caças franceses Rafale
Escândalo José Sarney – Compra de apartamentos por empreiteira
Escândalo do filho de Lula – Gamecorp
Escândalo da venda da Brasil Telecom
Escândalo dos Fundos de Pensão – Luiz Gushiken
Escândalo da Petrobras – Refinarias
Escândalo da Petrobras – ONGs
Escândalo da Petrobras – patrocínio de festas juninas

 

 

 

 


Escândalo do financiamento do MST
Escândalo do INCRA
Escândalo dos gastos dos jogos Panamericanos Rio
Escândalo da ferrovia Norte-Sul
Escândalo da falência da VARIG
Escândalo da VARILOG e Dilma Roussef
Escândalo do Dossiê da Casa Civil – Dilma Roussef
Escândalo das obras do PAC
Escândalo da expropriação de ativos da Petrobras na Bolívia
Escândalo do “Apagão Aéreo”
Escândalo das licitações da INFRAERO
Escândalo dos Correios
Escândalo do IPEA – desestruturação e politização do órgão[carece de fontes?]
Escândalo da IURD – Igreja Universal do Reino de Deus[carece de fontes?]
Escândalo da pane do Speedy – Banda Larga de Internet[carece de fontes?]
Escândalo da SECOM – gastos de publicidade do governo federal[carece de fontes?]

 

 


Escândalo da gasolina batizada[carece de fontes?]
desestruturação das agências reguladoras[carece de fontes?]
CPI da Coelce[carece de fontes?]
CPI da Enersul[carece de fontes?]
CPI da Conta de Luz[carece de fontes?]
CPI das ONGs
Escândalo da privatização das rodovias federais[carece de fontes?]
Gripe Suína e os dados oficiais
Escândalo do trem bala Rio – São Paulo – TAV
Operação Boi Barrica
Escândalo da Fundação José Sarney
[[Vereadores de Cornelio Procopio Utilizam diarias falsas][1]]

 

 
 
 
  

El joven Fabio Luis Lula Da Silva, hijo del Presidente, hace 5 años era un humilde empleado del Zoológico de Sao Paulo con un sueldo de 1,500 Reales o $ 750.00 dólares mensuales, pero este año acaba de comprar la "Fazenda" (Hacienda) Fortaleza, pagando por ella la bicoca de 47 millones de Reales ($24 millones de dólares).

 

 

 

 

 

FABIO LUIS LULA DA SILVA, HIJO DEL PRESIDENTE DE BRASIL, LAVA Y ... -Osuspeito enriquecimento do filho do Presidente!El joven Fabio Luis Lula Da ...
elpolvorin.over-blog.es/article-fabio-luis-lula-da-silva-hijo-del-presidente-de-brasil-lava-y-enjuaga-el-billete-del-padre-58868553.html -

 

 
 5 Jul 2010 ... Senator Pedro Simon (PMDB, Rio Grande do Sul) said he saw the law as a step toward ending impunity in Brazil and proof that the idea that ...
www.brazzil.com/.../10404-brazils-new-anti-corruption-law-scares-politicians-and-jurists.html - En caché
 3 Aug 2010 ... Brazil anti-corruption law. Anti-corruption legislation passed in Brazil. I recently got word from Avaaz, a major worldwide activist ...
planetsave.com/.../huge-anti-corruption-law-passed-in-brazil-can-we-have-it-in-the-us/ - En caché
 15 Jun 2010 ... Una nueva ley anticorrupción en Brasil entrará en vigor este año [eng] riotimesonline.com/news/rio-politics/anti-corruption-law-in-… por ...
riotimesonline.com/.../anti-corruption-law-in-effect-this-year/ - En caché
 Brazil: Integrity Scorecard Report >Sub-Category: Anti-Corruption Law ... Comments: As in all anti-bribery regulations, the law requires that corruption is ...
www.globalintegrity.org/reports/.../Brazil/scorecard.cfm?... - En caché
 However, effective enforcement of laws is a problem. ... of political support, anti-corruption initiatives in Brazil are formally strong and well-developed. ... The Brazilian tax system is complex and reportedly prone to corruption. ...
www.business-anti-corruption.com/normal.asp?... - En caché - Similares
 Anti-Corruption Agency: Brazil does not have a specialised independent ...
www.business-anti-corruption.com/.../brazil/.../public-anti-corruption-initiatives/ - En caché

-----------------

Compartir este post
Repost0

Présenta

  • : cinabrio blog
  • : Ecología y sostenibilidad socioambiental, énfasis en conservación de ríos y ecosistemas, denuncia de impacto de megaproyectos. Todo esto es indesligable de la política y por ello esta también se observa. Ecology, social and environmental sustainability, emphasis on conservation of rivers and ecosystems, denounces impact of megaprojects. All this is inseparable from politics, for it, the politics is also evaluated.
  • Contacto

Perfil

  • Malcolm Allison H malcolm.mallison@gmail.com
  • Biólogo desde hace más de treinta años, desde la época en que aún los biólogos no eran empleados de los abogados ambientalistas. Actualmente preocupado …alarmado en realidad, por el LESIVO TRATADO DE(DES)INTEGRACIÓN ENERGÉTICA CON BRASIL
  • Biólogo desde hace más de treinta años, desde la época en que aún los biólogos no eran empleados de los abogados ambientalistas. Actualmente preocupado …alarmado en realidad, por el LESIVO TRATADO DE(DES)INTEGRACIÓN ENERGÉTICA CON BRASIL

Recherche

Liens